Pular para o conteúdo principal

Postagens

DOZE ANOS SEM CANA

Doze anos de cana. Quem dera o sentido literal: doze anos de cachaça. Mas a sentença era inapelavelmente aquilo mesmo. Cento e quarenta e quatro meses vendo, a seco, o sol nascer quadrado. 

Fosse um preso comum, arranjaria com outros encarcerados o goró nosso de cada dia. Ou os gorós, quantos bastassem. O que não falta é jeito escamoteado de fazer a bebida circular com certa tranquilidade nas Alcatrazes tupiniquins. Pinga é artigo facilmente disponível no câmbio negro, como os cigarros, os créditos de celular e outras moedas de troca utilizadas pela turminha em recuperação. 

Mas a cela dele era especial, isolada. Essa era sua desgraça. Até o banho de sol era privativo, sem contato com ninguém. De que jeito arrumar a "marvada"?

Advogados, parentes, gente do partido, amigos, todos eram revistados antes das visitas. Revista brava, sem chance de entrar com qualquer coisa escondida. 

A primeira ideia, meio previsível, foi tirar proveito da notória proximidade com algumas megaempreite…
Postagens recentes

DANDO PIPOCA AOS MACACOS

"Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Pra ir com a família
No Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos"
(Raul Seixas - "Ouro de Tolo")



A disputa com o ex-futuro cunhado no ossinho da sorte, depois do almoço de sábado. O ato de contrição, a confissão, a hóstia, o Cristo vivo e ressuscitado no coração. O vale-ducha do posto de gasolina para quem abastece trinta ou mais litros de segunda a quarta. O lustro com Kaol na prataria, o zelo com o par de abotoaduras, os sapatos pretos e prontos para a reunião da associação de bairro, a imagem de São Cristóvão no retrovisor do Clio.

Vai que um pneu fura, é bom lembrar de calibrar também o estepe. Vai que chega lá e não tem mais mesa, é bom se precaver e reservar com antecedência o lugar para a família no jantar de caridade. Vai que o tempo fecha de repente, é bom carregar sempre um guarda-chuva na maleta. Vai que o chefe resolve chegar mais cedo, é bom já estar a postos, meia hora antes de todos, para não corre…

MEZZA MARACUTAIA, MEZZA SAFADEZA

Bom dia, Doutor Aristenes

Escalei o estagiário de nossa banca de advocacia para elencar algumas possíveis alegações de defesa para o caso do nosso cliente, Rodrigo Lurdes, filmado em flagrante com mala de dinheiro saindo da pizzaria em São Paulo. Trata-se de demanda difícil e a bem dizer indefensável, mas como o primeiro time do nosso escritório só poderá se envolver com a causa a partir da semana que vem, imaginei que nosso talentoso estagiário já poderia ir adiantando alguma coisa. 

Seguem os apontamentos do rapaz, para sua análise.


. Alegação de defesa 1

O montante de 500 mil reais dentro da mala se trataria de dinheiro falso, ainda que aparentemente idêntico ao verdadeiro. Nossa tese se embasaria no "fato" (versão construída) de Rodrigo Lurdes ser, concomitantemente à atividade parlamentar, um fornecedor da indústria de brinquedos, e que estaria levando amostras de dinheiro sem valor para aprovação do dono da empresa, que estaria lançando o "Novo Banco Imobiliário"…

A FAMÍLIA REUNIDA

Uma retrospectiva da obra de Klausten Van Herbert, no MoMa, reacende o debate em torno de um dos mais célebres quadros da história da arte: "A Família Reunida".

Foco de discussão há anos entre críticos de arte, leiloeiros, marchands e estudiosos, o sorriso enigmático – especificamente do pai – parece mais intrigante com o passar do tempo e com a sucessão de teses acadêmicas das quais é objeto. 

No âmbito estilístico, a influência de Miró é predominante e incontestável, bem como da arte naif. Mas engana-se quem se deixa levar por essa definição reducionista.

A aparente singeleza e a suposta simplicidade da obra são ardilosamente manejadas pelo artista para ludibriar o desavisado observador. É como se o autor tivesse a intenção de provocar discórdia, agindo premeditadamente para polemizar.

No primeiro boneco, em vermelho, percebemos a ausência de olhos como uma velada porém não imperceptível crítica à manipulação da realidade pelos meios de comunicação, que têm na alienação do ser…

MATERIAL DE DEMOLIÇÃO

MATERIAL
O oratório e o missal de madrepérola, tacos pequenos soltando em efeito dominó, um vidro começado de xarope São João, esfregão sem cabo servindo de peso de porta, cantoneiras de retrato em práticas embalagens de 200 unidades, velas votivas Belém 100% parafina, o Opus Dei precisa da sua colaboração: preencha aqui o valor de sua contribuição mensal, disco é cultura, com sua Lanofix você poderá fazer roupas de tricô para toda a família, Gillette Platinum Plus Registered Trade Mark, Monark Monareta 73 - toda a loucura da vida para rasgar o mundo, azedinhas sortidas Sönksen, contribua pela formação de um Brasil grande: encaminhe um analfabeto a um posto do Mobral, Loteria Esportiva Federal - teste 254, com Magnésia Bisurada você fica bom mais depressa, fogão Semer Radiante em oferta relâmpago na Eletroradiobraz, ouça em alto e bom som no seu rádio Admiral.




DEMOLIÇÃO
Hashuashuashuashua :D :D :D
Bfds, vacilei mais vou googlar, sqn véi. :(((((((
Vlw. Joseh Bonifácil? Nuntendi, eh onde fik…

O REMÉDIO É A PERMUTA

- Nossa rede de farmácias tem uma oferta irrecusável pelo seu terreno, Sr. Álvaro.

- Bom, não tá à venda. Mas dependendo do que você tiver aí na manga, não sou louco de não aceitar...

- O senhor sabe que está todo mundo mergulhado até o pescoço nessa crise, e a oferta de imóveis excelentes para vender é enorme. Terrenos semelhantes ao seu, nesse bairro, há pelo menos uns vinte anunciados.

- Tá, pode pular essa parte.

- Indo direto ao assunto: só fazemos negócio à base de permuta.

- Não estou entendendo. O que uma rede farmacêutica vai querer permutar em troca do meu terreno?

- Óbvio: remédios. Todos os que o senhor e sua família precisarem. 

- Oi????

- O senhor já parou para pensar o peso que tem o gasto com medicamentos no seu orçamento doméstico? Basta fazer uma conta por alto, assim de cabeça, e vai se assustar com o resultado. Fica entre 7 e 20% das despesas mensais. Um percentual que vai aumentando conforme a família envelhece.

- Maluco isso...e quem da família pode aproveitar essa permut…

MANÉ, SAUDOSO MANÉ

Lembro como se fosse hoje que passava um pouco de cinco e quinze da matina quando ele me ligou dizendo que tinha despertado com o lampejo, transformado em ideia tentadora, que logo virou desejo irrefreável de dar cabo de uma vez da sua vidinha sem atrativo. Queria ir pra junto do Flávio Cavalcanti, do Santos Dumont, do Jack Estripador, do Mussum e de todos os outros grandes que já tinham ido. Não via mais sentido em continuar ocupando seu invólucro castigado e tão sem atrativo, ainda mais vendo tanta gente melhor que ele abandonando precocemente o posto nesse ingrato campo de provas.

Dizia o Mané:

“Trabalho numa máquina de moer carne, minha mulher há muito deixou de exercer qualquer influência na minha libido e eu acho um saco fazer a barba todo dia. Isso sem falar das pombas que só aliviam sua diarreia no capô do meu carro, do jeito azedo do vizinho e da inesperada cobrança complementar do IPTU, referente ao puxadinho que construí sem autorização da prefeitura e que acabou virando depó…