Pular para o conteúdo principal

TEMPUS FUGIT

Eu recebi um e-mail do tempo. Não era spam, não tinha cópia pra ninguém, sem undisclosed recipient, era pra mim e só pra mim. O tempo pessoalmente digitou o destinatário. Posso até vê-lo lá na casa dos minutos incontáveis, sisudo e misterioso, a batucar no laptop com sua túnica branca e a longa barba tocando o chão.

Cliquei no anexo e abri a mensagem que dizia:

Eu sou o tempo desde que me conheço por tempo, nem sei bem do meu começo, amigo velho, muito menos aonde é que vou parar. Ninguém morre inteiramente, deixo a princípio bem claro, fique tranqüilo você e sua raça de esquisitos. Tudo a bem dizer vira outra coisa e assiste ao tempo e seu governo de outras formas: musgo, pedra, graveto, cachorro, molusco ou ser humano. Tudo se rende a mim, o tempo-rei que o Gil cantou com propriedade e reverência.

Sou eu quem amarela as páginas - as impressas, manuscritas, mal-traçadas. As que são e as que faltam virar texto. Digo ao sol quando nascer e se pôr, à maré quando subir, à nuvem quando chover e à novela das oito para começar às nove e dez, o mais tardar. Acalmo os ânimos e aplaco as iras dos viventes destas bandas e de outras tantas por aí, nesse universo ao Deus dará. Sou eu o desassossego dos que têm diários, porque morrem de medo que eu destrua ou enevoe o que viveram.

Vocês são muitíssimo engraçados, conseguem ser enigmas até pra mim que sei de tudo. Fazem reuniões pra ganhar tempo e chegam tarde a todas elas. São peritos em cronogramas e listinhas de urgências, mas passam mais tempo enchendo agendas com coisas a fazer do que fazendo o que tem que ser feito.

Quando você vê meus dois ponteiros correndo inapelavelmente, não seja simplista a ponto de pensar que só estou alertando sobre o próximo compromisso. Estou é lembrando da inadiável finitude que o aguarda, embora esse seu conjunto de átomos se transforme quando inerte em novas e diversas substâncias.

Vou dando corda às acontecências quase sempre tolas que juntas formam sua vida, gerencio o que concedo que ocorra e o que eternamente ficará para depois, na estúpida ilusão do momento propício.

Vou apagando aos bocados, hora a hora, o riso, a voz, os modos, o olhar docinho dos meninos que morrem anjos e deixam as mães sem consolo que dê jeito.

Passo rápido demais para os estafados operadores da Bolsa de Valores de São Paulo, que vivem dizendo que eu, tempo, sou dinheiro. Vôo para os motoboys presos no trânsito com suas entregas atrasadas, me arrasto para os velhinhos que rogam a Nossa Senhora de Lourdes uma visita de seus filhos e para os peixes cheios de tédio em seus aquários.

Eu bem que posso e me demoro quando quero, estico os intervalos entre um segundo e outro, sem que você nem ninguém perceba a tramóia. Esse truque não ensino, amigo velho. É meu domínio e sinaliza meu poder. Nem todo o ouro do seu tacanho planetinha compra essa minha habilidade, que ofereço de presente a quem tem merecimento e mostre respeito a mim.

Agora, volte ao trabalho. E por favor, pare de me matar todo dia com o joguinho de paciência aí do seu computador.

Comentários

  1. Guaxupé4:06 PM

    Ê Marcelo, você tem tempo, eim?
    Parabéns!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. E o Tempo também disse, que você, modesto, não reproduziu: "com o meu passar, a História há de reconhecer um lendário e sguassábio escritor."

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…