Pular para o conteúdo principal

OS ABNEGADOS DA INTERNET




(A partir de um argumento sugerido por Humberto de Almeida)

Catastrofistas de plantão costumam classificar a internet como um campo minado, com larápios e golpistas atocaiados atrás de cada bite. Que injustiça. Basta abrir seus emails pra ver que a rede é, na verdade, uma fonte inesgotável de felicidade, com infinitas possibilidades de realização pessoal, profissional e financeira.

Vejam o caso da Ludivina Griffin, a boa e fraterna Ludivina Griffin. Embora não recebendo nenhuma solicitação de minha parte, faz a fineza de enviar-me ofertas de Valium, Cialis e Propecia com preços realmente tentadores. É o que chamo de fazer o bem sem olhar a quem, zelando pela saúde do próximo – ainda que o próximo esteja tão distante. Pense bem: quem sou eu para Rozzela Morgan, Carmon Montgomery, Cristel Garcia, Paul Jurgensen,só para citar alguns dentre os muitos que me mandam as promoções farmacológicas? No entanto eles empenham seu tempo e seus esforços no afã de dividir comigo as barbadas, descontos e negociações que arduamente devem travar com os laboratórios. Isso é o que eu chamo de magnanimidade e desprendimento.

A prosperidade chega arrombando minha caixa de mensagens. Boas novas pululam descontroladamente no meu outlook. Pelo menos 3 vezes por semana, Shawn Splanger me avisa que ganhei o primeiro prêmio na loteria do Reino Unido. Coisa de 15 milhões de euros. Basta clicar num link para ter acesso às instruções de como receber o que me é de direito. Só não fiz isso ainda porque estou esperando acumular vários prêmios, pra receber tudo de uma vez só. A uma média de 3 por semana, são 12 ao mês. Nem o ex-deputado João Alves teve tanta sorte assim.

Já Abraham Hani, Malawki Alli e Vincent Agnos insistem em me locupletar com quantias que variam de 7 a 30 milhões de dólares americanos. Se apresentam como Diretores do BOA (Bank of Africa)e falam que o montante refere-se a uma aplicação bancária em nome de um sujeito que morreu, junto com a mulher e a filha única, num desastre de avião no Alaska. Eu embolsaria 30% da dinheirama, desde que concordasse em ceder minha conta corrente para uma triangulação. Thomas James é outro remetente incansável de ofertas dessa natureza. Seu mais recente email solicitava minha intercessão urgente, para tratar de assuntos relativos a U$ 10.000.000,00.

Não poderia deixar de mencionar Florência Taylor. Esta senhora brinda-me, dia sim, dia não, com um farto manancial de livros jurídicos para compra online, alguns deles versando sobre as peculiaridades do código civil guatemalteco.

Pessoas altruístas como Erin Faulk, Shelby Hardy, Staci Ávila, com suas propostas de participação societária, me provam que vale a pena acreditar no ser humano, e que o mundo ainda é um lugar decente pra se viver.

E que dizer de Judith Carlson, Chiang Lin, Robert Haltz? A vontade que tenho é de reunir toda a turma para uma boa pândega de confraternização, ocasião em que poderemos enfim nos conhecer pessoalmente. Providenciaria uma lauta feijoada, caipirinha à vontade e um karaokê de bossa-nova. Mas como abrigá-los todos em minha casa, já que são tantos? Uma solução seria descontar um dos prêmios da loteria britânica e comprar uma mansãozinha básica para a ocasião. É, pode ser.

Comentários

  1. Marcelo

    "Me inclua dentro" dessa pândega, hen!
    Também quero conhecê-los pessoalmente.

    Beijos.
    Malu

    ResponderExcluir
  2. E vc se esqueceu de citar Larry August Borgh, que oferta online o milagroso xarope de macaúba, de infinitas propriedades terapêuticas.
    Marcelo, seu talento criativo impressiona. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  3. tem gente que pagaria uma bolada em euros pra receber seus artigos por e-mail, rapaz! aí sim! por que não devolver a estes ilustres anônimos a sua graça poética? é uma boa paga ou não é? =) abraços, amigo!

    ResponderExcluir
  4. Nelson8:32 AM

    Adorei o texto! huahuahauhauhauhau


    abração

    ResponderExcluir
  5. núbia10:47 AM

    ... mas não se esqueça de regularizar seu CPF que, segundo emails enviados recentemente pela Receita Federal, pode ser cancelado. O que te impediria de efetuar suas compras e provar que vc é vc e receber seus prêmios....rs. Mto bom, como sempre...

    ResponderExcluir
  6. Heloisa Neves12:40 PM

    aluisio katchanovski... esse cara acabou de me oferecer uns vinhos com preços maravilhosos...
    hummmm... será que eu compro?

    beijos

    sarah kupeck rumanick

    ResponderExcluir
  7. Anônimo9:58 PM

    Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…