Pular para o conteúdo principal

A PRAÇA FALA AO SEU POVO


Eu, a praça de Buritis da Serra, vi quase tudo acontecer em meus domínios. Comecei com um círculo malfeito de terra batida, quando não eram nascidos os avós dos vovôs de hoje. Nem chafariz tinha, nem planta, nem nada. Vocês foram me formando, dando sentido a mim e me tornando, feia ou bela, o seu cartão postal. Gerações se sucederam me elegendo como palco principal de seus encontros.

Na minha época áurea, os saguis zanzavam pelas paineiras. À sombra delas, o assunto era um tal de Getúlio. Que Getúlio isso, que Getúlio aquilo, alguns defendendo e outros odiando. Falavam muito dele nos comícios.

O fato é que já tive mais prestígio e glamour. Fui o epicentro da pólis e a agência de notícias de antanho, e é difícil para mim amargar esse abandono a que me relegaram. Era a sede de um poder paralelo, mais efetivo e influente que qualquer ato do executivo ou conchavo da vereança. A praça era a verdadeira tribuna do povo, o estopim de greves, passeatas, atos de desagravo. Agora, quando muito, sirvo de ponto de referência para que alguém saiba onde fica um outro lugar qualquer.

Praça também é gente. E verdade seja dita: ninguém é mais cidadã nessa cidade do que esta praça que vos fala. Posso até não ser de carne e osso, mas assisti a todos os pecados da carne acontecendo nos meus bancos e tenho embaixo do meu chão os ossos de gente ilustre. Há também engrenagens enferrujadas de moenda de cana, um vidro de leite de magnésia, um livro-caixa da fazenda Campo Largo, cacos de porcelana da Companhia das Índias e um disco 78 rotações da Chiquinha Gonzaga. Isso além de centenas de dedais, rolos de esparadrapo, rodas de carrinhos de brinquedo, chaves e cadeados de diversos feitios e tamanhos, cordas de sisal, arreios de couro e outros artefatos que prefiro não citar, para não ferir a moral e os bons costumes desta terra sem heróis.

À meia-noite e ao meio dia, sou duas praças diferentes. E não sei qual é a pior.
Com o sol a pino, e ainda assim de vez em quando, assisto ao trote vagaroso de uma mula que já não se aguenta, arrastando a sucata para o ferro-velho, como se há séculos conhecesse o caminho. Nessa hora, de fresco aqui só a água benta da igreja. Estudantes matam aula, velhotes matam o tempo, casais matam a saudade, bêbados matam a sede de cachaça e, caídos sobre minhas pedras portuguesas, ofuscam com o odor de suas entranhas os meus poucos jasmins.

Já à noite, ir à praça dá medo. Um sujeito aqui, depois das oito, é suspeito. E onde até outro dia haviam retretas e crianças felizes em seus velocípedes, há um breu cúmplice do tráfico e da contravenção, mesmo contra a minha vontade.

Se a praça fosse qualquer um de vocês, bípedes autodenominados pensantes, aí sim veriam o que é bom. Não iam gostar nada do mato crescendo, das folhas caídas, dos papéis jogados e ninguém cuidando.

Quando haveria de pensar que sentiria nostalgia da pouca vergonha de que fui testemunha... Quanta gente eu vi sendo concebida aqui nas minhas barbas (ou nas minhas moitas), e depois batizada ali na Matriz, fazendo a primeira comunhão, namorando em volta do meu coreto, casando, envelhecendo e finalmente fazendo, por meus caminhos, seu último passeio rumo ao campo santo.

Quero meu direito de ser praça novamente. Mas Praça digna, com P maiúsculo. Até nome de edifício de apartamentos agora é praça, plaza, piazza, onde já se viu? Banalizaram demais esse nobre logradouro. Não, pra mim chega. Ser praça assim não tem graça.

Comentários

  1. Marcelo, as praças desta Sanja, JJ Park e outras, reverenciam seu texto ajardinado e suas palavras que jorram como as águas das fontes luminosas de antanho. E a banda dominical vai tocar uma marchinha pela volta do P maiúsculo. abraço e prbs!!!

    ResponderExcluir
  2. Márcio9:53 AM

    Comovente.
    Retrato fiel daquela que muitas vezes foi cenário de nossas vidas.
    Salve a praça!
    Parabéns, Marcelo.

    ResponderExcluir
  3. Wagner Bastos5:46 AM

    Grande Marcelão.

    Adorei o texto. Sou saudosista, como sabe, e praça é um tema que me comove sempre.

    Veja essa belíssima letra de um amigo.

    Abração e vamos ver se nos encontramos dia desses na praça....



    Velhos Retratos

    Nilson Ribeiro

    Composição: Indisponível

    São seis horas no meu coração
    no coreto da praça visito a canção
    e a lembrança me acalma a saudade do chão
    que eu corria na pressa de andar pela vida
    e a conversa fluía com a sensação
    de eu ter sempre o destino na palma da mão
    mas eu era um menino e rodava no vento
    da imaginação

    Velhos retratos que 'inda carrego comigo
    e onde sempre me abrigo
    do turbilhão que veio me envolver
    velhos amigos que eu 'inda guardo no peito
    ah, tempo, não tomo jeito
    fiquei por lá
    lá sou feliz...

    ResponderExcluir
  4. Anônimo5:13 PM

    Marcelo,parabens A PRÇA FALA A SEU POVO,muito boa,
    Sueli dos Santos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…