Pular para o conteúdo principal

AUTO-AJUDE-SE


Primeiramente, tenha um objetivo bem delineado. Ninguém chega a lugar algum sem saber exatamente aquilo que busca. Defina sua meta e estabeleça os passos necessários e factíveis para alcançá-la. Marque um dia e combine consigo mesmo que esta será a data limite para a metamorfose que transformará você numa nova dimensão de ser humano: rico, famoso, admirado e invejado.

Visualize-se como já tendo atingido o que deseja. Veja, sinta, ouça a glória batendo à sua porta, imagine sua plenitude física, material e espiritual com a maior riqueza possível de detalhes.

No começo pode parecer difícil, mas não desanime. Persiga o seu ideal com a determinação de um búfalo e a competência de um cão farejador. Olhe-se no espelho e enxergue-se um gigante. Espalhe papéis por todos os cômodos da casa, com sua meta escrita em letras garrafais. Afaste-se dos pessimistas e junte-se às pessoas de bem com a vida.

Se você pensar negativamente, atrairá o fracasso. Medo e limitação são palavras a serem definitivamente banidas do seu dicionário. Sente-se na sua poltrona preferida, relaxe todos os músculos do corpo e mentalize: “sou o senhor do meu destino. Vou alcançar o que quero custe o que custar. Terei habilidade e sabedoria para manobrar pessoas e circunstâncias em função dos meus interesses”.

Sonhe, pense, aja assim e o universo conspirará a seu favor, todas as forças conhecidas e desconhecidas estarão trabalhando por você.

Ouça o rufar dos tambores ao subir ao palco para receber os troféus e homenagens. Sinta o volume dos dólares arrebentando o velcro da sua carteira. Aprecie o vôo das gaivotas e o suave torpor de uma dose generosa de Chivas no convés do seu iate.

Da noite para o dia, flashes irão espocar em seu rosto ininterruptamente, a ponto de precisar usar óculos de sol à noite para não ficar cego.

A sorte virá até você em velocidade galopante e jamais o abandonará. Euros chegarão aos contêineres. O dinheiro será tanto que você mal terá tempo de contabilizá-lo, quanto mais de usufruí-lo. Tudo o que os pobres mortais conquistam a duras penas você obterá num piscar de olhos. Ser multimilionário é um direito que lhe assiste. Deus o criou para a fartura, não para ficar fazendo conta e entrando todo mês no cheque especial.

Os missionários da luz, que espalham pelo cosmo os sete desígnios quânticos da felicidade exponencial, o acompanharão e o protegerão, empunhando seus escudos e soando suas trombetas, a fim de que todos o reverenciem e estendam o tapete vermelho à sua passagem.

Você merece ter sucesso agora, todo sucesso que for capaz de suportar. Merece andar de BMW com chofer, dar entrevistas coletivas, ser reconhecido nas ruas e admirado pelas multidões, ministrar palestras regiamente remuneradas, ter a agenda cheia de workshops, animar convenções de empresas e abrir as portas da sua cobertura para “Caras”.

Pois é. Assim fez ele, o autor do best-seller. Ele sabe muito bem que o que faz não é Auto-Ajuda. É Ajuda-Autor. Ele é o maior – e quem sabe único – exemplo da prosperidade que apregoa. Auto-ajude-se: fuja dele!

Comentários

  1. Matou a pau, amigo Marcelo. Não conheço troço mais chato que literatura do tipo "10 maneiras de seduzir uma mulher com macaúbas". A picaretagem intelectual é mola mestra de autores do gênero. Prbs por detonar a charlatanice com fino humor. Abç

    ResponderExcluir
  2. Milena Moran5:30 AM

    Adorei!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Paulo Rafael5:35 AM

    Seus textos sim enriquecem a mente. Parabéns!

    Abrs,

    Paulo

    ResponderExcluir
  4. Anônimo2:05 PM

    Ah, quer dizer então que, pra nós, vis mortais,
    não funciona???? Que alívio! Eu estava mesmo com muita dificuldade de estabelecer meus objetivos... Não gosto muito dessa história de palco, entrevistas, luzes, câmeras... Agora, já posso continuar minha vidinha sossegada. E que Deus me ajude!!!!

    Beijos.
    Malu

    ResponderExcluir
  5. confesso que e' tentador seguir os passos colocados pelo ajuda-autor!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…