Pular para o conteúdo principal

ACHADOS DE UM LIXEIRO


Lixo de Jacob Samuelwenstein, caprichoso marceneiro da comunidade judaica:
Doze tampas lambidas de iogurte Danone, armação de óculos de grau com esparadrapo em uma das hastes, uma gravata puída e sem grife, uma máquina de somar da marca NCR com os números das teclas apagados, duas presilhas de calça para andar de bicicleta, gaiola de hamster enferrujada com bebedouro de lata de manteiga Aviação e comedouro de cera Parquetina, um botão de camisa quebrado ao meio e colado com super bonder, uma escova de dentes Tek rosa-choque com 3 cerdas, um pote vazio de pomada de basilicão - com prazo de validade datado de junho de 1981.

Lixo de Sara Samuelwenstein, mãe de Jacob Samuelwenstein:
Nada foi jogado fora.

Lixo de Mitsui Narigoshi Fujioko, analista de sistemas:
TV de plasma 54”, câmera digital de 12 megapixels e cartão de memória de 4 gigabytes, meio sushi, duas cuecas tamanho pp, cd com curso virtual “Sumô para Nisseis”, foto do Zico com chifrinhos feitos a caneta esferográfica. Havia também um Mitsubishi Pajero prata ano 2007/modelo 2008 estacionado junto ao saco de lixo, com um bilhete no limpador de pára-brisa: “É para rixeiro revá, né. Japoneis não quer mais. Arigatô”.

Lixo de Romão de Souza Silva, servente de pedreiro:
Dois avisos de cobrança – um das Casas Bahia e outro das Lojas Bernasconi, uma novena de Santa Edwiges cortada em 4 pedaços, um santinho de Santo Expedito cortado em 132 pedaços, um comprovante de aposta na megasena, exemplar do livro “Seu direito de ser rico”, vários esboços de uma carta endereçada ao judeu Jacob Samuelwenstein - implorando um prazo maior para o desconto das duplicatas, um bilhete de despedida explicando os motivos do suicídio, uma nota fiscal de farmácia discriminando compra de gaze, atadura, antiinflamatório e analgésico, um atestado médico solicitando afastamento do trabalho por 45 dias.

Lixo do posto avançado municipal da autarquia Brasilbrás:
834 senhas de atendimento, vários exemplares lacrados da revista “A voz da Brasilbrás”, inúmeros pedidos de aposentadoria, licença-prêmio e revisão de benefícios dos funcionários, formulários e protocolos diversos com jogo da forca e stop no verso, um recadinho com os dizeres: “O paletó do chefe não está combinando nada com a camisa, não é mesmo? Ridículo, nunca vi tanto mau gosto...”.

Lixo de Ivonete do Prado, desquitada, 54 anos:
Artefato de plástico maciço, movido a pilha e rachado transversalmente, envolto por 25 metros de papel higiênico de folha dupla.

Lixo da Creche Pimpolho Peralta:
Mickey Mouse de pelúcia com as orelhas arrancadas, fraldas descartáveis usadas, 12 garrafas vazias de cachaça.

Lixo do morador do apartamento 702 do Edifício Le Lac de Jour:
Várias embalagens de marmitex da churrascaria delivery “Boi na Linha”, uma declaração de amor à moradora do apartamento 604 do Edifício Altavista.

Lixo da moradora do apartamento 604 do Edifício Altavista:
Oito catálogos antigos da Natura, seis catálogos antigos da Avon, uma reclamação ao síndico do Edifício Le Lac de Jour, alegando estar sendo espionada através de binóculo pelo morador do apartamento 702.

Lixo do advogado Arnaldo Sebastião de Oliveira Júnior:
Rascunhos da ação judicial conjunta movida por vários moradores da cidade contra o lixeiro Ribamar Severiano Dias, acusando-o de invasão de privacidade e quebra de sigilo doméstico.

Comentários

  1. Grande Marcelo, até sobre entulhos lixísticos (sic) sua lavra cai bem. Aproveitando a sacada, você poderia revirar o lixo também de personalidades: Rita Cadillac, Roberto Jefferson, Bento 16...

    ResponderExcluir
  2. núbia6:10 AM

    Só vc mesmo pra conseguir me tirar uns risos nessa segunda-feira de céu depressivo...rss... 25 metros de papel pra disfarçar foi o melhor. Mto bom.

    ResponderExcluir
  3. Flávio6:39 AM

    parabéns marcelo, muito bom mesmo
    nossos lixos são curiosos e nos entregam, hein?

    ResponderExcluir
  4. Roger6:46 AM

    bixo, isso aí dá um curta! e até um longa, um filme inteiro!
    não sei como consegue pescar tantos detalhes minuciosos... acho que é um dos seus grandes diferenciais, essa precisão em descrever e imaginar tão bem o universo do qual está falando.
    sou seu fã, cara.
    abraço do amigo
    rogerio

    ResponderExcluir
  5. Zeza Amaral9:55 AM

    Muito boa essa do lixo, supimpa!
    Abraços. Zeza.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…