Pular para o conteúdo principal

JECA TATOO


- É aqui que fai tatuage?
- Ô se é. Vamo entrando, sô. Nói fai e fai prumódi deixa o criente satisfeito que só vendo. Dondé que vai querê as picada, seu moço?
- Tô achando que no ombro fica mió.
- Por mim pode sê até nas parte baixa, é a gosto do fregueis. Mai gerarmente os barbado prefere no braço e as muié no tornozelo ou na nuca. Deixa eu pegá o mostruário com os desenho procê oiá.
- Tá bão.
- Ói só que beleza. Tem figura pra mai de metro. Saci Pererê, Cuca, Lobisómi, Boitatá, Curupira, Mula sem Cabeça, tem um sortimento variado. Aqui é a seção das drupa caipira. Nói tem Tonico e Tinoco, Tião Carreiro e Pardinho, Pena Branca e Xavantinho, Cascatinha e Nhana...
- Não tem drupa mai moderna? Esses aí é tudo véio, tem uns que já bateu com as bota fai tempo.
- O pobrema é que eu num trabaio com drupa moderna prumódi que daqui a poco ninguém mai lembra quem é, daí a tatuage tá feita e a pessoa vai querê tirá. Aí já viu, tatoo é pra vida intera. Essas dupra de hoje, vou falá uma coisa, só se for decarque de chicrete, que sai no banho.
- Mai é certeza que a tatuage que ocê fai não sai nunca mai?
- Pode fazê o que fô - entrá no riberão, esfregá com bucha, passá arco que não sai nem que a vaca tussa.
- Memo com a lida na roça, adispois de carpi e ficá suado?
- Eu agaranto. Óia só esse Chico Bento, vai ficá bunitão aí no seu braço. Já imaginô ocê na quermesse, disfilano pra cima e pra baxo com essa tatoo lindona? Vai abafá, rapai.
- Bão tamém...
- Tem os que gosta dos desenho mais radicar. A fia do Nhô Nerso mandô tatuá essa cavera aqui, tá vendo.
- Hum, sei. Parece aqueis aviso de veneno que tem nos saco de adubo.
- Entonce, é memo. O pessoar comenta que adispois que a minina tatuou a cavera o padre Neco não deixou mai ela entrá na igreja.
- Vixe, jura?
- É, mai aí a curpa não é minha. A moça é di maior, quis fazê e eu fiz, uai. Cada um é cada um, tá certo?
Esses aqui tamem, cê pode escoiê à vontade. Enxada, trator, porco no chiquero, boizinho no currar, pato na lagoa, pangaré, cobra no mei do mato...
- E se eu quisé trazê o retrato de arguém, ocê fai iguar a fotografia?
- Nói fai sim, mai aí vareia o preço. Anteonte apareceu um hómi aqui com um retrato dum conjunto chamado Os Bito, não sei se cê conhece.
- Já ouvi falá.
- Pois entonce, aí no caso era quatro figura pra tatuá, tivemo que tratá um preço especiar purquê deu cansera pra fazê. Trei dia e trei noite. Ah, esqueci de falá procê que agora nói tá diversificano as tatoo, com uns motivo cológico e vegetariano. Nói tatua pé di mio, bacatero, cafezar, laranjera, abeia fazeno mér, vô mostrá procê vê.
- Óia, nem pricisa. Não carece se preocupá. Gostei dimai da conta dessa violinha. Quanto é que é pra fazê essa aqui?
- Essa aí eu cobro dois saco de feijão. Mas procê virá fregueis eu faço por cinco pé de arface.
- Falô e dizeu. Mai só que eu tô sem arface no borso, posso trazê dispois?
- Craro. Não tem pressa, uma hora que ocê vié de charrete pra cidade ocê acerta.
- E as agúia, é limpa?
- Ô rapai, quê isso. Tudo agúia descartáve.
- Então vamo lá, Jeca. Pó fazê o serviço.
- Baixa as carça.
- Mai eu falei que era no ombro!
- Ô rapai, tinha isquicido...

Comentários

  1. Rodrigo Ribeiro5:11 AM

    Cara!
    Esse, sem dúvida nenhuma, foi o que eu mais me identifiquei! Bão dimais da conta!!!
    Um abraço, Marcelão!

    ResponderExcluir
  2. núbia5:22 AM

    hahahaha "bacatero" hahahaha. Olha, eu adorei... Jeca 'Tattoo', só vc mesmo pra ter essa idéia. Meus parabéns, mto divertido. =)!!

    ResponderExcluir
  3. Flávio5:28 AM

    aprecio muito esses treco sinhô

    parabéns mais uma vez, muito bom

    ResponderExcluir
  4. Milena6:08 AM

    Ehhhhhhhhhhhhhh Marcelo, bão di mai da conta!


    Fazia um tempinho que essa idéia vinha te perturbando, heim?! Ahhhh, adorei a imagem, nada mais JEEEECA!!
    beijinho,
    Mi

    ResponderExcluir
  5. Patrícia8:09 AM

    AHAHAHAHAHAHAHAHA!!!! Muito engraçado, Marcelo, morri de rir, sô!!!!!

    bjs,

    Paty

    ResponderExcluir
  6. Rogério1:06 PM

    ahahahahahahaha!!!

    ó, mai que tatuage mais que demais da conta, sô!

    os boi deve ficá tudo com os coiso de fora só de olhar!

    =)

    ResponderExcluir
  7. Helô7:00 AM

    marcelo
    dorei...
    cê tá sintino sardade dimim?
    um dia vô de charrete aí pramodi ti vê, tá bão?
    um bejo

    ResponderExcluir
  8. Ricardo4:59 PM

    Mai e a de tatoo bandeira quanto fica?

    ResponderExcluir
  9. ahahahaha....... engracadimaidaconta

    ResponderExcluir
  10. faltou comentar a beleza da foto que vc achou para colocar ai....... pelamordideus, credoemcruiz so!!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…