Pular para o conteúdo principal

CIRCO DOIS IRMÃOS


É logo pelo início da manhã, quando o sol se espreguiça sobre o baú de retratos, que dá pra ver o que há de pó e o que há de tempo acumulados sobre ele.

Abro sem grande vontade, com a expectativa de quem sabe há muito o que vai encontrar. Range a dobradiça e salta a foto preto e branco 6x6, como um palhaço de mola numa caixa de surpresas.

Daquela foto eu não lembrava mesmo. Soco na cara, chute na idéia, salto mortal no trapézio de outras, muitas, ternas eras. Eu e meu irmão em frente a um circo, sei lá quando, sei lá onde nem por quê. Circo e nada para mim desde sempre é a mesma coisa. Podem todos eles pegar fogo que não hão de derreter a frieza que me causam.

Mas, senhoras e senhores, se o retrato veio à tona que comece o espetáculo. O inevitável número dos panos coloridos, amarrados uns aos outros, que o mágico vai tirando das entranhas. Quanto mais tira mais falta tirar. Tento gostar da lembrança, tratá-la sem rancor ou hostilidade. Pra facilitar as coisas coloco no último volume Being for the benefit of Mr. Kite, especiaria circense do Sargento Pimenta, o quarentão e ainda contundente monumento dos Fab Four.
Não sei se contaminado pela lisergia do disco, fecho os olhos e trago à vida aquele elenco de mambembes esquecidos. Desfilam um a um à minha frente, se apresentando em respeitosa reverência. E cada artista que passa é uma metáfora do mundo de verdade além da lona. Do faquir ao engolidor de fogo, por um momento a trupe inteira faz sentido e tem função, enquanto Gonzales, o mágico, continua a expelir trapos pela boca. Em cada pano se estampa um instantâneo vivido, comicamente exposto num palco de segunda por um ilusionista de terceira.

Então vejo que o homem-bala, a exemplo do Gonzales, também tem cartas na manga. Que a faca atirada na mulher tem dois gumes, nenhum deles afiados. Que a dança dos cachorros e a graça estudada dos elefantes põem mais medo nas crianças do que a fúria do leões.

A mão é mais rápida que o olho: na tentativa de desvendar o truque, me iludo mais uma vez. E girem os pratos, rufem os tambores, andem pelo arame sem rede de proteção. É assim que se acende a emoção da platéia. Mais um pouco e entram as coristas de coxas flácidas e seu can-can mal ensaiado, na seqüência os cavalos, o urso de sombrinha e os gêmeos malabaristas.

Respeitável público, lá vêm eles - Pirulito e Paçoquinha, com tortas nas fuças fazendo os pirralhos rolarem de rir. Atrás dos clowns, um macaco de óculos escuros e camiseta listada, como os macacos todos de todos os circos.

Na arquibancada de tábuas cabia a cidade toda. Humanos bestas, humanos macacos, humanos peruas, humanos cobras. Mas principalmente humanos ratos. Uma extensa fauna deles.

Caro leitor, peça de volta o dinheiro da entrada. A lona está furada e um vento dos diabos açoita o picadeiro. O redemoinho na serragem certamente há de cegá-lo, e o espetáculo, convenhamos, ficou muito, muito aquém do que o cartaz anunciava.

Comentários

  1. Adriano12:49 PM

    Muito bom!!! O espetáculo tem sempre que continuar!!! Seja girando
    pratos ou
    equilibrando na corda bamba desse enorme circo!!!

    ResponderExcluir
  2. Rogério8:18 AM

    politicamente correto, poeticamente perfeito!

    lindo, amigo

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, eu pago em dobro a entrada, dou gorda gratificaçào para o writer e, pasme, concedo o macaúba forever passport gold. esse texto é o Orlando Orfei das letras. quiçá um Thiany. abç.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…