Pular para o conteúdo principal

FERNANDA AOS SÁBADOS


Sete e quinze

Embora as evidências indicassem o contrário, ela não havia acordado de fato.
Mesmo que estivesse de pé em frente à pia do banheiro, apertando com força o resto de pasta no tubo. Até se dar conta de quem era, de onde estava e do que se passava nas imediações ia um certo tempo – abreviado consideravelmente quando tomava uma cápsula ou duas de Pfaffia Paniculata.

Sete e vinte e três

Olha as olheiras e gela. Por um momento pensa que os espelhos deveriam ser banidos, a menos em casos extremos ou para uso exclusivamente clínico (quando se coloca um desses pequenos próximo à boca do doente terminal para ver se ainda respira).

Nove e dez

Um blend de mel e cremes na cara, pepinos nos olhos, esmalte nas unhas das mãos e dos pés. Um robe atoalhado branco e nada por baixo. Assim fica enquanto escuta Rachmaninov. Ruído de correspondência sendo enfiada debaixo da porta. Sushi delivery. Vai pedir meia porção pra experimentar.

Meio dia e cinqüenta e dois

O celular recarregando, a roupa suja da semana centrifugando. Revisa a tese de mestrado e repõe a ração no pratinho do Chonsky.

Uma e quarenta

Sintomas silenciosos, mas não propriamente imperceptíveis, já há alguns dias deixavam clara a situação: havia urgência no atraso a tirar, e não se cogitava a menor hipótese de adiamento. Os hormônios entregam o cio em olhares, cheiros exalados, indícios ancestrais do acasalamento iminente. Consulta a agenda. Telefona. Ele chega vinte minutos depois com o perfume amadeirado de costume.

Quinze e trinta

Ocorre que o macho que afoitamente lhe invadia a carne não era homem o bastante para tocar-lhe a alma. Nem ela parecia querer que fosse de outra forma. Um amigo. Amizade e sexo, nenhuma chance de discutir a relação. Se refaz do gasto calórico com fartas colheradas de abacate batido com leite. Não iria engordar mesmo, ninguém na família tinha tendência. Abaixo os amores gravados nos troncos das árvores. Viva a inconseqüência dos desencanados.

Dezenove e cinco

Sozinha de novo, alterna do sofá para a poltrona. A predileta desde pequena, veio da casa dos pais. Os braços pensos, o olhar vago encarando um ponto imaginário na parede branca. Branca como ela, arredia das praias e piscinas. Branca como a insípida persiana do escritório, de segunda a sexta, das 8 às 18, a lhe negar a paisagem da rua. Branca como o nada que se passa em sua cabeça no momento, o nada branco e seu peso insuportável.


Vinte e duas e vinte

Fernanda. Há algo de gerúndio neste nome. De coisa indefinidamente em andamento, um ser em construção, inconcluso – ela pensa, enquanto devora o último sushi que sobrou do almoço. É, acho que é isso. O nome casa perfeitamente com a pessoa.

Vinte e três e cinqüenta e seis

Fecha o livro sobre o colo. Os longos cabelos lisos caem sobre o volume, formando uma estranha composição abstrata. Descansa da fadiga de si mesma e deixa-se vencer por um cochilo. Tentam entendê-la, são muitos querendo sua chave, sua senha, seu código. Mas Fernanda é um mistério ainda mais indevassável quando dorme.

Comentários

  1. a conclusão de que há gerúndio no nome dela é fantástica. no meu nome não tem, mas as vezes me sinto como se tivesse. adorei essa definição de indefinição!!!!

    ResponderExcluir
  2. Marília1:45 PM

    Marcelo, quanta poesia!
    Beijos,
    Marília

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, nas periferias de mais este belo texto, adorei a reposição calórica de abacate com leite. Fernanda é mesmo um mistério, mas o abacate quase me fez esquecer a macaúba. Quase...

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6:01 AM

    tava viajando, só vi agora. bárbara a fernanda.

    Marcos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

O DESPERTADOR HUMANO

Junto com a Revolução Industrial – período de 1760 a algum momento entre 1820 e 1840 – vieram os empregos. Para não perderem a hora, existia o despertador humano, um profissional responsável por acordar as pessoas para que comparecessem ao trabalho pontualmente. O primeiro relógio-despertador foi criado em 1847, mas só se popularizou décadas depois. Assim, era comum ver pessoas com bambus ou varetas batendo nas vidraças ou atirando pedrinhas nas janelas daqueles que as contratavam.
(fonte: universoretro.com.br)





Fico imaginando o que seria dessa cidade caso eu tivesse escolhido outra coisa para fazer na vida. Se bobear, você mesmo pode ter sido acordado por mim hoje. 

Não há quem não precise de meus préstimos. Muitos podem pensar que não faz nenhum sentido um arrumador de pinos de boliche, por exemplo, necessitar dos serviços de um despertador humano. Ele não tem que acordar cedo, pois geralmente trabalha à noite. Só que ele troca a noite pelo dia, e se não houver ninguém para acordá-lo m…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …