Pular para o conteúdo principal

WWW.GAMBIARRA.COM





- Gente, o portal tá nas últimas. Ontem foram dois acessos. Eu disse dois. E um deles foi meu, que entrei pra ver como estava a audiência.

- Tás brincando. Tá feia assim a situação?

- Tive uma idéia: e se cada um for pra sua casa e ficar acessando sem parar o site? Entra, sai e acessa de novo, entra, sai e acessa... o dia inteiro. Pedimos pros amigos e vizinhos fazerem os mesmo. Pensa bem, teremos milhares de cliques por dia. Podemos mostrar as fantásticas estatísticas para os potenciais anunciantes e então...

- Sei, e sair do atoleiro. Deixa de ser idiota. Dá pra ver pelos IPs que os acessos todos vêm de meia dúzia de computadores, a concorrência vai descobrir a tramóia.

- Amigos, acho que a solução não é por aí. E se a gente forjasse anúncios?

- Como assim?

- Fácil. Vamos encher a home page de banners e janelas pop-up da Coca-Cola, Banco do Brasil, Petrobras, Extra, Nike, Submarino. Só peso-pesado, coisa grande mesmo. Já pensou a gente mostrando nossa home pro seu Antenor da padoca? O mão-de-vaca vai ficar impressionado com a categoria dos anunciantes, vai querer anunciar também, pode apostar. E ainda vai achar baratinha a nossa tabela...

- Mas isso é fraude, cara.

- Depende do ponto de vista. Eu chamaria de manobra emergencial de sobrevivência. Se alguma dessas marcas partir pra cima da gente, falamos que foi uma cortesia do portal. O que eles têm a perder com isso? Depois tem outra: os caras não vão nem ver, o nosso site é regional...

- É, e bota regional nisso. Eu diria regionalíssimo.

- Tudo bem, com esse cambalacho aí a gente pode até conseguir uns anúncios da Quitanda Fruta Fresca, a Loja do China, o Bezerrão no Espeto...

- E a padoca, né.

- É, e a padoca. Mas isso não resolve o problema da audiência, pessoal.

- Sou contra tudo isso aí que vocês estão falando. Nada de se rebaixar, nós vamos sair dessa de cabeça erguida. É só uma crise transitória, isso acontece nas melhores holdings e nosso portal não é exceção.

- Bom, pra começo de conversa, portal é modo de dizer, né. Essa bodega é malemá um sitezinho. Quase um blog, pra falar a verdade.

- E se a gente for honesto? É, honesto pra caramba, contando tudo o que tá acontecendo e apelando pra solidariedade humana. Vamos colocar um comunicado na página principal, dizendo que somos pais de família, que a situação tá preta e que se continuar assim a gente fecha as portas. Quer dizer, o portal.

- Tá, mas quem é que vai ler isso? Esqueceu que a gente não tem visitação, ô esperto?!

- Ichi... Então vamos pro jornal. Fazemos uma carta aberta e publicamos na Tribuna de Cidadópolis. Se ficar muito caro a gente cola umas cópias da carta nos postes da praça, pronto.

- Que situação. Fico imaginando se alguém descobre que o grande portal da cidade funciona aqui, nesse banheirinho de empregada!

- E a gente ainda tem a cara de pau de inventar expediente, sucursais, representação comercial, correspondentes internacionais...

- Spam, meu povo. Vamos mandar spam pra cidade inteira falando das novidades que estão sendo implementadas. A Gata do Mês, Classificados com Resultados, Namoro on Line, Flashs da Night, cupons de desconto, essas coisas.

- E a lista dos e-mails, onde é que a gente arruma?

- Por 750 mangos tá na nossa mão. Tem um camarada meu...

- Ah, boa essa. Se a gente tivesse essa grana acertava os 14 meses de atraso com o provedor.

- É, amigos. Sendo assim, coloco à venda minhas cotas de participação na sociedade.

- Eu também.

- Eu também.

- Eu também.

- Eu também.

- Espera aí, e aquele cara que acessou ontem, heim?

- Que é que tem ele?

- Não se interessa não?

Comentários

  1. Anônimo7:49 AM

    Marcelo, diga pros meninos que a Macaúba Holding procura grandes idéias pra aportar capital grosso.

    Lauro

    ResponderExcluir
  2. Maria Amélia8:22 AM

    mt bom, marcelo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Flavio8:46 AM

    é marcelo, desse jeito a telefonicana vai tirar o portal terra do
    povo do ar
    gosto dessas textos em dialogo, muito bom
    flavio

    ResponderExcluir
  4. Nelson5:25 AM

    Adorei! Muito bom! heheheheh

    abraço

    Nelson

    ResponderExcluir
  5. vixi!! esse ae me e' beeeem familiar. to aqui, rindo ainda!!!!

    ResponderExcluir
  6. Adorei!!!
    Tem gente que pensa que é empresário...
    Tem gente que pensa que é presidente...
    E a gambiarra é o ópio do povo...

    Tudo de bom!
    Aline :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…