Pular para o conteúdo principal

CARTA DE UM PRESO AO SEU PAI


Modéstia à parte eu me considero um ladrão boa gente, pai. E você sabe que eu sou. Tive a quem puxar, né?
Meus camaradas de cela dizem que homem não chora, que escrever é coisa de fresco. Mas eu estou chorando e escrevendo agora, boiolão assumido, tudo bem. Estou abrindo o coração de saudade sua, meu velho. Segura essa onda comigo, preciso demais de um Habeas Corpus pra te abraçar bem apertado.

Você que me deu a primeira luvinha pra não deixar impressão digital na mamadeira, de lã azul celeste e punho imitando algema, lembra? Você que me ensinou que vergonha é roubar e não poder carregar – e que por isso a gente deve sempre levar um saco bem grande ou ir assaltar de carro. Que sempre me aconselhava a evitar sereno em assalto à noite e a olhar pros dois lados da rua, na hora de fugir da polícia.

Tá viva demais a lembrança de você me mostrando como é que se coloca uma meia na cara. Do dia em que você me levou pra uma festa com seus amigos em Brasília, todo mundo engravatado. Você roubando o pão com o suor do seu rosto. Lutando com dificuldade, porque os policiais geralmente eram bem maiores que você. Que covardia.

É, pai, nem todo bandido é frio como cano de revólver. E como recordo seu colo quente, me adestrando em golpes e mutretas, me falando das diferenças entre furto, roubo e latrocínio...
Logo que aprendi a escrever, já falsificava assinaturas do Tiago, da Fabíola e do Gui, meus coleguinhas do colégio. Você me dando força, fazendo uma correção aqui e ali. Depois fui crescendo e passei a falsificar assinaturas dos pais da classe toda nos boletins, mediante pagamento em balas, chicletes e dadinhos na hora do recreio. Dos boletins da escola foi um pulo para os de ocorrência. E olha que, como filho de pai bandido, tinha tudo do bom e do melhor. Não precisava levar essa vida. Antes dos 16 já tinha celular clonado, carro com chassi frio e uns caraminguás na Suíça. Um verdadeiro Mauricinho da Rocinha.

Você era malandro, sim, pai. Não escondia isso de ninguém. Mas também nunca deixou faltar nada dentro de casa: nem dólar, nem notebook, nem cd player de carro de bacana.

Que dizer então do carinho da mamãe? A última broa de milho que ela me mandou estava deliciosa. E a serra no recheio, como sempre, afiadíssima. Não vejo a hora de fazer um teste nessas grades, mas o carcereiro não dá trégua. Ah, mamãe... meus olhos marejam ao lembrar do seu zelo e dedicação. Mamãe que nunca teve nada a ver com ofício escuso, que não sabia se pedia a Deus pelo marido ou pelo filho.

Como ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão, penso que é o momento de confessar que fui eu quem sumiu com o dinheiro que o senhor afanou daquela viúva do Guarujá. Poderia muito bem ter aberto o jogo antes, mas o fato de conseguir engambelar um expert do seu naipe é o maior troféu que eu poderia ganhar na vida.

Eu queria te falar tudo isso pessoalmente, quem sabe no indulto de Natal. Mas minha voz ficaria mais presa do que eu estou agora. Eu, que mantive tanto mané em cativeiro, hoje sou refém de você, pai. Meu velho pai, sangue bom.


Esta carta foi encontrada junto ao corpo de Jair das Candongas, destinatário da mesma, após violento tiroteio na Favela do Maluco.

Comentários

  1. Rogério11:01 AM

    mto bom cara!

    demais!

    abraços

    rogerio e nubia.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo,

    Essa onda de politicamente correto é um porre. Achei o texto um primor, com uma crítica social contundente...

    Se a minha opinião valer, PUBLIQUE em caixa alta. Manda bala!!!!



    Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Adriano7:23 AM

    Muito bom Velhinho!!!!! O bom mesmo é ver que você não deixa suas
    idéias
    trancafiadas não é?

    Um abraço.
    adriano.

    ResponderExcluir
  4. helô neves10:44 AM

    muuuuuito boa Marcelão!!!
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Nanô9:07 AM

    marcelo..... GENIAL!
    cvada vez que leio dou mais risada.
    adoro seus textos!!

    ta td bem com vc?? i hope so.
    gde bj
    da nanô

    ResponderExcluir
  6. deixo muitos sorrisos e um beijo... vc realmente é o meu lado masculino na escrita.. Viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu.. beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…