Pular para o conteúdo principal

FLUP – FEIRA LITERÁRIA DE UBURUÇÁ PAULISTA

O Dr. Maquigrégor Souza,
em sua recente passagem pelo país.



No Brasil é assim: basta que algo faça sucesso para logo em seguida surgirem congêneres copiando-lhe a fórmula e almejando o mesmo resultado. Com a FLIP – Festa Literária Internacional de Parati, não foi diferente. Em sua esteira vêm surgindo dezenas de outros eventos, não tão visados pela mídia mas de notável magnitude pelo nível dos fóruns de discussão e pelo quilate dos autores convidados. Um desses eventos, é forçoso admitir, sobrepuja a repercussão daquele que lhe deu origem. É o caso da FLUP – Feira Literária de Uburuçá Paulista. E provo o que digo com dois singelos exemplos, que recolhi in loco.


Balas Perdidas – Uma saída para o problema, de
Manuel de Lontras, Ed. Manancial Dantesco, 171 páginas.

Todos somos testemunhas da avassaladora invasão dos cinemas do tipo multiplex, com suas poltronas de astronauta e suas mega-popcorns, abocanhando da noite para o dia fatias homéricas do combalido mercado exibidor nacional. É sobre a crueza desse panorama, responsável pela bancarrota dos pulgueiros do centrão, que Manuel de Lontras tece seu instigante ensaio. Com a automatização dos processos de projeção dos filmes e de manutenção das salas exibidoras, a figura do outrora popular “lanterninha” foi sumariamente abolida. Como conseqüência, as balas e outras guloseimas, quando entornadas sobre o carpete escuro das salas, não podem mais ser recuperadas. Isto posto, o autor sugere que se amplie a potência das lâmpadas dos avisos de “Saída” dos cinemas, de tal maneira que, com o ganho de luminosidade, mesmo o mais míope dos cinéfilos e os casais cegamente apaixonados consigam resgatar sem alarde os seus confeitos do solo. O ensaísta adverte, no entanto, que as balas recuperadas só devem ser consumidas se conservarem suas respectivas embalagens (e após, evidentemente, a retirada das mesmas). Caso contrário devem ser atiradas ao lixo, se houver algum visível no cinema em questão.


A revolucionária dieta dos sólidos e dos líquidos, de Whalter T. Maquigrégor Souza, Ed. Nêutron Books, 932 páginas.

Clássico instantâneo desde a primeira edição, vinda a lume em meados do ano passado, este baluarte da moderna literatura neozelandesa tem sua viga mestra calcada no argumento de que uma dieta eficaz não pode ser exclusivamente baseada em líquidos, tampouco em sólidos, e sim no corte radical e simultâneo de sólidos e líquidos. Já os gasosos, sustenta o autor, podem ser consumidos sem mãos a medir, à exceção dos vapores exalados pelas churrascarias com sistema de rodízio.

Comenta-se à boca pequena, nos circuitos editoriais da Oceania, que o autor se debruçou tão profundamente sobre seu objeto de estudo que acabou por lesar a região lombar, em virtude do extremismo das posições adotadas. Polemista notório, Maquigrégor classifica a dieta da lua, a dieta da sopa, a do espinafre e a dos cacos de vidro como embustes de ação inócua no organismo humano, e que tais logros deveriam ser punidos com a detenção de seus inventores.

No capítulo que trata de atividades físicas como auxiliares do regime alimentar, o volume traz informações peculiares, com recordes de várias modalidades ainda pouco difundidas. Dentre elas o autor destaca a prática de arremesso de macaúbas, também conhecida como macaúba-ao-cesto entre os nativos da região da Serra da Mantiqueira.
Os três cinturões mundiais da modalidade desde 1986 cingem a cintura de Lauro Augusto Bittencourt Borges, comedor compulsivo do fruto e bancário nas horas vagas.

Comentários

  1. O tricampeão informa aos incautos que já está treinando para o tetra. Que os bons fluídos crepusculares me inspirem a levantar mais um caneco. Ah, o próximo campeonato mundial vai ser na pujança rural Fazenda Gerivá.

    ResponderExcluir
  2. Nelson6:33 PM

    Show de bola o texto Marcelo!

    abraço!!!

    Nelson

    ResponderExcluir
  3. Congratulações meu caro!
    A atual conjuntura política favorece os "comedores inveterados" de pizza.
    Grande abraço!

    http://oficinacultural.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…