Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2007

CAETANO, O PARANINFO DA TURMA

Caros alunos,

Como poderia externar minha alegria em compartilhar deste momento tão significativo na vida de vocês?

Na qualidade de professor, talvez a melhor forma de demonstrar minha gratidão seja oferecendo um ensinamento. Na verdade, um episódio de minha trajetória pessoal, que alguns de seus pais hão de lembrar.

Formávamos um grupo de insubordinados, uns daqui do Recôncavo, outros de Salvador. Tínhamos uns cabelões enormes, éramos movidos pela vontade de virar tudo pelo avesso. Sonhos de liberdade estética, ideológica e existencial fermentavam em nossas cabeças, a ponto de se incorporarem às nossas atitudes e até às nossas roupas. Queríamos ir para a cidade grande, tomar o país de assalto com nossas idéias. Bandeiras esquerdistas, movimentos de vanguarda, gritos de guerra que ecoavam no Quartier Latin teriam que ser assimilados, digeridos e transformados em realidade libertadora. Seríamos salvos pela anarquia e, vestidos com parangolés, tomaríamos o poder através da arte. E fomos, d…

ENTRE LIVROS

É, foi um custo escalar a terceira prateleira da estante. Só encaramos a empreitada por estarem empilhados a enorme Bíblia que veio junto com a Barsa, O “Ulisses”, quatro tomos da obra completa do Machado e dois catataus dos quais não me recordo exatamente os títulos.

Na ida, ainda que grande o cansaço, tudo bem. Mas e a descida, de que jeito? Íamos nos arrebentar naqueles arranha-céus livrescos.

Continuamos subindo, Virgínia e eu. Havia um propósito naquela loucura. Quando vimos estávamos em meio a uma celebração de estranhos ritos, presidida por Sidarta e pelo Pequeno Príncipe.
Tia Nastácia chegou junto com Emma Bovary. Cinco minutos depois o Padre Amaro, Huck Finn e Ivanhoé surgiram no dorso de Moby Dick. De um amarelado volume de partituras saiu uma orquestra completa, executando “Clair de Lune” e a “Valsa das Flores”. Tudo isso ali, no alto do Morro dos Ventos Uivantes.

Nas lombadas mais lisas, dava para transitar de bruços entre a poesia e a prosa. Sem querer achamos, escondida atrá…

LOMBARDI, É COM VOCÊ, LOMBARDI

Chamou, patrão?
- Chamei. É claro que chamei. Chamei merrrrrmo. Vem pra cá, vem pra cá. Tenho um assunto muito sério pra tratar com você, Lombardi. Você sabe, a situação está difícil...
- Sei, sei patrão. É só a audiência cair um pouco que você já quer mandar todo mundo embora. Chegou a minha vez, fazer o quê. Já vi esse filme antes aqui na emissora.
- Pois é, mas eu não vi o filme. Eu não vi o filme mas o filme é muito bom. As minhas filhas de um a cinco...
- Tá, tá, tá... já sei, já sei.
- Não é nada disso, Lombardi. Ha hai, hi hi! Errou feio. Quebrou a cara. Ponto pras mulheres!!
- Anda logo, Silvio, pula essa parte.
- Mas você só tem mais dois pulos...
- Ai, meu Deus, vai logo!
- Tá bom, tá bom. Vamos ao que interessa. Você está comigo desde que o Silvio é Silvio. Desde os tempos da banquinha de canetas na Praça da República. Desde mil novecentos e Aracy de Almeida. Desde...
- Sim, mas e daí?
- São décadas de mistério, Lombardi. Ninguém sabe quem é você. Chegou a hora de ir pra frente das câ…

WAY OF LIFE

Frankfort, McKinsey Street, 609. Um “Donaldson” pintado a mão em letra serifada na caixa de correio. Dentro, uma proposta de assinatura de Seleções e outra do Saturday Evening Post. É claro que a casa é em estilo clapboard, como todas as outras a léguas ao redor. Dois pavimentos, sótão, nada de muro na frente. Mais tradicionalmente norte-americano que isso, só se for isso no Dia de Ação de Graças. E é.

A paz reinante parece tão inabalável quanto a liquidez das companhias de seguros e das ações da Pan Air. Talvez o mais fiel retrato dessa mansidão seja o pequeno Carl, que tem sua atenção dividida entre os bonecos do Forte Apache e um gigantesco pote de sorvete sabor baunilha. A televisão está ligada e uma garota-propaganda apresenta uma nova marca de cereal de milho, seguida por uma chamada para o Ed Sullivan Show.

Father na sala de estar de dois ambientes e seu costumeiro bourbon whiskey das manhãs de sábado. Serve de porta-copos uma edição capa-dura de “Como fazer amigos e influenciar …