Pular para o conteúdo principal

LOMBARDI, É COM VOCÊ, LOMBARDI



Chamou, patrão?
- Chamei. É claro que chamei. Chamei merrrrrmo. Vem pra cá, vem pra cá. Tenho um assunto muito sério pra tratar com você, Lombardi. Você sabe, a situação está difícil...
- Sei, sei patrão. É só a audiência cair um pouco que você já quer mandar todo mundo embora. Chegou a minha vez, fazer o quê. Já vi esse filme antes aqui na emissora.
- Pois é, mas eu não vi o filme. Eu não vi o filme mas o filme é muito bom. As minhas filhas de um a cinco...
- Tá, tá, tá... já sei, já sei.
- Não é nada disso, Lombardi. Ha hai, hi hi! Errou feio. Quebrou a cara. Ponto pras mulheres!!
- Anda logo, Silvio, pula essa parte.
- Mas você só tem mais dois pulos...
- Ai, meu Deus, vai logo!
- Tá bom, tá bom. Vamos ao que interessa. Você está comigo desde que o Silvio é Silvio. Desde os tempos da banquinha de canetas na Praça da República. Desde mil novecentos e Aracy de Almeida. Desde...
- Sim, mas e daí?
- São décadas de mistério, Lombardi. Ninguém sabe quem é você. Chegou a hora de ir pra frente das câmeras, mostrar quem é o dono da voz. Já imaginou? Sua aparição vai dar 90 de ibope. E então? Topa ou não topa?
- Mas quanto é que eu levo nisso?
- Meio milhão de reais, em barras de ouro. É dinheiro ou não é?
- É.
- Mais alto, mais alto, é dinheiro ou não é?
- É, cacete, é. Agora chega de gracinha, Silvio. Chama o Abravanel aí, vai. Você disse que queria conversar sério.
- Então, depois que você aparecer na TV e sair em todas as capas de revista, vamos criar uma atração pra competir com o quadro do chapéu, do Raul Gil. “O Lombardi é coisa nossa”, que tal?
- E qual seria o público?
- Senhoras e senhores, moças e rapazes, meninos e meninas. Pois é, e além do programa semanal você continua de hora em hora com o resultado parcial da Telesena.
- Humm...
- Durante a semana podemos estudar um talk-show. Estou mexendo na grade pra encaixar você. Talvez entre o remake do “Carrossel” e a reprise da “Chispita”. Ou aos domingos, entre o “Qual é a Música” e o “Pião da Casa Própria”. Agora, imagina só o que vem na esteira disso: O álbum de figurinhas do Lombardi, o biscoito de polvilho do Lombardi, o Lombardinho da Estrela... e a própria esteira do Lombardi. Ha Hai. Bem bolado, bem bolado.
- Calma, patrão, eu tenho que pensar.
- Tempo! (tic-tac de relógio)
- O problema, Silvio, é que eu não sei se vai ser bom pra minha imagem.
- Mas que imagem, Lombardi? Você nunca apareceu. Não tem nada a perder, tá me ouvindo?
- Vai acabar o mito, o locutor que nunca ninguém viu o rosto, entende? Tudo por causa de uns pontos de audiência...
- Se você fizer mais pontos, você ganha. Se você fizer menos pontos, eu não mando você embora. Combinado? E então, pára ou continua?
- Não tem jeito mesmo. Não dá pra falar sério com você.
- Lombardi, o que é isso, Lombardi? Guarda esse revólver! Sai pra lá, sai pra lá, volta lá pro seu lugar, oi...
- Tem uma câmera escondida aqui, patrão. Vou gravar tudo e botar no ar em rede nacional. A audiência vai ser estrondosa.
- Roque!!!
- Do mundo não se leva nada. Vamos sorrir e cantar, Silvio.

Comentários

  1. ma-ma-ma-ma-mas este texto é digno do Troféu Imprensa de crônicas...

    ResponderExcluir
  2. muito legal.
    Abcs!
    Pepe

    ResponderExcluir
  3. Marília1:07 PM

    Marcelo
    Genial, genial (duplamente, como nosso personagem)
    Um bj
    Marília

    ResponderExcluir
  4. João Batista3:16 PM

    Léo,boa noite.Acabei de ler a do Lombard, gostei
    muito.Ficou bacana.Abraços do seu pai.

    ResponderExcluir
  5. José Carlos5:17 AM

    Marcelo:
    Bom dia ou boa tarde ou boa noite, conforme a hora que você ler. Muito boa a conversa do SS (não confunda com a polícia de elite do nazismo) com o Lombardi. Uma "caricatura" que retrata muito bem os dois personagens. Após este meu comentário estou enviando algumas das coisas que recebo, uma ou outra para se pensar, outras oriundas do bom gosto e bom humor de certos amigos e amigas. Como elas estão pelas internets da vida, pode ser até que você já as conheça. Aquele abraço.
    José Carlos Carneiro, vulgarmente conhecido por Jotace (sem o acentinho^)

    ResponderExcluir
  6. Filipe5:32 AM

    Aí mano, muito bom mesmo! Minhas filhas viram e falaram que é muito bom!
    Até mais,
    Esgrila.

    ResponderExcluir
  7. Elizete Lee6:52 AM

    .... Hummmm, você acaba de ganhar um vale brinde para retirar em mercadorias, inteiramente grátis, do Báu da Felicidades... em qualquer loja do Brasil...hi hi hi

    ResponderExcluir
  8. Milena8:06 AM

    Muuuuuuuuuuuuito boa! Pude ouvir a voz do Silvio ao ler...(rsss)

    ResponderExcluir
  9. Helô8:08 AM

    Marcelo,

    ri muuuuito!
    ótima!
    bjs
    Helô

    ResponderExcluir
  10. Carlos5:11 AM

    Caro Marcelo,

    Gostei da forma de retratar as situações ridículas, porém, muito bem
    lembrado do "stress" da mídia com os tais pontos do ibope, são capazes de
    vender a alma da mãe para isso.
    Um abraço
    Carlos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…