Pular para o conteúdo principal

PRELÚDIO


Queria não abrir o envelope pardo e áspero, que recenderia a desgosto assim que violado. A dama da noite adentraria pelo olfato aos salões do afeto, trazendo no colo todas as memórias possíveis e imagináveis.

Entregar-se conformado à morte quando ela viesse, sereno e consciente. Como seria no inverno serrano, os ossos carcomidos guardados pelo mármore mais frio dos mármores mais frios, sem ninguém a recorrer ou regaço a se abrigar? Sua tumba, imaginava-a simples e sem epitáfio. Queria ficar ali mesmo, na fazenda, talvez embaixo do grande ipê branco. Essas inquietações lhe trouxeram a imagem de Paula, raspando a parafina escorrida no chão sempre que se velava alguém na sala de visitas. Prosseguiu assim por uns minutos desenterrando mortos esquecidos da família, em seu descanso no cemitério velho de Villa Ângelus.

O açoite do vento faz balançar arreios ressecados, utensílios soltos rangem na cisterna.

- Posso servir o jantar, doutor Sandro?

Sem que ouvisse resposta, a bondosa Laura ia dispondo toda a baixela de prata sobre a mesa. O tilintar dos talheres sendo arrumados em volta do prato era discreto o suficiente para mantê-lo abstraído. Laura dava ordens às duas copeiras com a desenvoltura de quem há muito tem as rédeas da casa. Em seguida trouxe a sopa, fumegando mais que o costume para contrabalançar os 10 graus que faziam lá fora. Sandro abriu a terrina do prato principal e viu sua própria cabeça cozida, guarnecida por vagens, batatas e cenouras. Ao roçar do garfo a face desfiava-se, deixando à mostra a ossatura, como galinha na canja. Era o que merecia depois de tanta devassidão. Perdera a conta de quantas empregadinhas, filhas de colonos, se debruçaram à força sobre o móvel para satisfazer-lhe.

- Doutor Sandro...
- Por favor, Laura, retorne essa parafernália toda pra cozinha. Me basta um bife bem passado ou algo parecido.
- Com vinho tinto?
- Não, água.

Enquanto aguardava consultou o caderno de anotações, onde se liam cotações da arroba do boi e outros dados sobre commodities, além de uns poucos telefones e endereços.
Um ímpeto de chorar o limbo de dias estéreis, o inconformismo das perdas, do que conspirou para o silêncio cortante da casa. Sua vida de vidro, o vidro que fere e aleja e o vidro dos bulbos de lâmpada, memória cálida e incandescente.
O cafezal se alongando, as ruas simétricas como simétricas se enfileiravam as cadeiras de veludo ocre que via a partir da cabeceira. Quantos lugares vazios.

- Trago agora as compotas, Doutor Sandro?
- Não, Laura. Sirva-me um licor na sala de música.

Refletidos no cálice, seu pai em torno dos 40, empunhando armas e chicotes, o colete escuro e a camisa de linho impecavelmente branca. Sua mãe de avental e unhas encardidas de farinha, o batom de um carmim vivo e o cabelo sempre preso. Quase que visíveis se apresentaram também os sumos das laranjas chupadas no pé, sanfonas e quadrilhas, broncas e toques de afago.
Os filhos ainda crianças, depois adolescentes, casados, os netos.

- Charutos, Doutor Sandro?

Olhava o envelope pardo ali, intacto. Sua vida passando naquele copo que era uma bola de cristal às avessas. Ao invés de adivinhar o futuro, trazia o que havia de doce e de amargo no passado. Assim ficou até ver o chão abrir-se em ralo, levando tudo, inclusive ele, em seu abismo.

Comentários

  1. Állan Toledo10:14 AM

    Prelúdio, Amorecos e Pesares da Carne. Li de novo todos agora, parabéns pelos textos.
    Tomei a liberdade de enviar "pesares.." para um grupo de amigos escritores. Se receber algum retorno, encaminho a você.

    abraço,
    Állan Toledo

    ResponderExcluir
  2. Elizete Lee10:31 AM

    A grande peça da vida está por entrar em cena.
    A irreversibilidade do evento da morte é sofrido, principalmente para poderosos que se julgam eternos em seus mundos.

    Muito expressivo.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, sua lavra, além do puro deleite literário, provoca reflexões... parabéns de um admirador macaubeau.

    ResponderExcluir
  4. Karina Linares3:43 PM

    Gostei muito desse texto Marcelo.
    Muito bom garoto.


    Karina

    ResponderExcluir
  5. Sua crônica me lembrou o recém-lançado livro: Homem Comum - Philip Roth. Você conhece? O tema me parece o mesmo, embora cada um com seu singular estilo literário. Mas, ambos brilhantes! Parabéns.

    Malu

    ResponderExcluir
  6. Amigo Grayscale, demais o texto, muito profundo.
    Imaginei a cena de uma fazenda do interiorzão aristocrático que bem conhecemos.
    Até mais,
    Sgrilóide

    ResponderExcluir
  7. Adorei MArcelo!
    Mas fiquei curiosa prá saber o resto... isso não vira livro, não??

    ResponderExcluir
  8. Ana Lucia Finazzi7:14 AM

    Oi primo, tudo bem?
    Você está compilando estes contos e crônicas? Já deve ter um bom
    material para um livro.
    beijo

    Ana Lucia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…