Pular para o conteúdo principal

NATAL DE ARAQUE



- E então, como foi na entrevista?
- Vou ter que engordar uns 22 quilos se quiser pegar a vaga de Papai Noel. O recrutador disse que a barba está boa, mas meu rosto está muito chupado.
- Só que pra você engordar vai ter que comer, e se tivesse o suficiente pra comer não tinha que procurar esse bico. Não dá pra colocar uns enchimentos debaixo da roupa? Um almofadão, um edredon fofo?
- Não adianta... Papai Noel tem cara gorda, tem braço gordo. E nos gordos de verdade até a voz é diferente. A minha é um fiapo, Maria... parece aquelas de Pato Donald quando entrevistam bandido no Jornal Nacional.

********


Bem, analisamos todos os candidatos e apesar da magreza optamos por você. O esquema é o seguinte: você acomoda o peste nos joelhos e faz o interrogatório, observando rigorosamente esta sequência:
. Você é um bom menino?
. Se comportou durante o ano?
. Obedece papai e mamãe?
. Vai bem na escola?
. Come toda a chicória do prato?
Depois de ouvi-lo mentir em todas as respostas, você pega a cartinha da mão dele, lê em voz alta, coloca ela no saco, dá um beijo na testa do ranheta e enfia dentro do envelope o folheto da loja que tem o brinquedo que ele pediu. Aí você diz pro melequento entregar o envelope pro pai dele, falando que é a resposta do Papai Noel, ok? O que converter em venda você leva meio por centro. Feito, meu velho?

********

O turno era de 14 horas ininterruptas. O assento do trono tinha uma pequena tampa que dava direto para um outro trono, da Celite, pra que Papai Noel não precisasse sair dali pra nada. A fila tinha de andar, fazer o quê. E calculando a conversa de cada pentelho com o bom velhinho, mais a pose pra foto, tínhamos a média de 2 minutos e meio por peralvilho.

********

- Gui, olha só o Papai Noel!!!
- Ô mãe, é Natal ou primeiro de abril?
- Por que a pergunta, Gui?
- Papai Noel chega de trenó, não de helicóptero como esse aí. Não tem tatuagem da Harley Davidson e do Che Guevara perto do cofrinho. Não fede cachaça. Ah, e na roupa desse velhinho aí tem uma etiqueta escrito “Casa das Festas”. Estranho, não? Esse não é Papai Noel. É um mentiroso sem vergonha.
- É isso mesmo, o senhor é um impostor. A gente passa o ano todo dizendo para os filhos que mentir é feio, que se disser mentira não ganha presente de Natal. Aí chega aqui no shopping e encontra um Papai Noel fajuto, mais suspeito que brinquedo chinês. Nem criancinha lactente cai nessa esparrela. O senhor não passa de um artigo de 1,99!
- É, vamos processá-lo por falsidade ideológica, mãe. Esse Papai Noel cover não tem nada a ver. O verdadeiro Nicolau deve estar indignado com esse rascunho genérico.
- Chuta o saco dele, Gui, chuta. Isso!

********

O escândalo do Noel desmascarado espalhou-se mais rápido que as renas do Noel de verdade. Tiveram de arrumar um substituto às pressas, este afiançado pela administração do shopping como legítimo. O risonho, bonachão e desta vez suficientemente gordo Santa Claus distribuía ho-ho-ho’s por onde passava. No mais, os piscas, as bolas multicores, as guirlandas e os sinos badalando anunciavam um natal a preceito, como deve ser. Contudo, um guri capcioso, na hora de subir ao colo do obeso acetinado, viu o que não devia ver: uma fitinha do Senhor do Bonfim amarrada no punho do Papai Noel. Do verdadeiro Papai Noel.
- Ô manhêêêêêêêêêêêêêê! Vem cá ver uma coisa!

Comentários

  1. Elizete Lee12:55 PM

    Que bom seria se tívessemos pelo menos um "padrasto" noel brasileiro.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Anônimo2:08 PM

    Marcelo, agora orkuteiro plugado, o Zé Simão já disse que o bom velhinho não é muito "convicto":
    "E o Papai Noel é gay: vive rodeado de veadinhos, usa a botinha da Carla Perez, dá presente pros meninos e, nos Estados Unidos, é chamado de Santa!".
    lavra jinglebélica que faz badalar com vigor os sinos do riso. valeu!!!
    Lauro

    ResponderExcluir
  3. João3:23 PM

    Filho, boa noite. Gostei do seu trabalho "Natal de Araque".
    Parabéns e feliz fim de semana. Seu pai.

    ResponderExcluir
  4. Filipe Moretzsohn - sgrilóide3:41 PM

    Gostei bastante do papai noel de araque,


    Valeu,
    Sgrilóide.

    ResponderExcluir
  5. Fábio2:44 AM

    No ano passado , meu amigo me fez o seguinte primeiro pedido=

    __ Estou organizando a distribuição de presentes , não conheço São
    Paulo e preciso de ajuda para comprar presentes , com esta pequena verba
    que recolhi .

    Prontamente, atendi , fomos naquele onibus madrugador para a 25 de
    março, chegando lá , não gostei das ofertas , resolvi leva-lo até o Pari ,
    resultado caminhamos o dia inteiro , conseguimos comprar muito mais
    do que ele imaginava conseguir .

    O segundo pedido foi =
    __ Voce pode ser o Papai-Noel?

    atendi também , é lógico , cansado por cansado , truco.

    Vesti aquela fantasia sintética, o sol de ubatuba foi generoso naquele
    dia , muitas crianças receberam , e a filha do meu amigo , ums 5 anos
    , ficou do lado olhando as reações mais variadas daquelas crianças
    humildes, quando terminou , já não aguentava mais de calor , a fantasia
    estava por cima da roupa , tirei aquilo ali mesmo no salão , na frente
    da menininha, naquele momento olhei para ela , vi a expreção de
    surpresa e decepção ,lembrei daquela imagem muitas vezes , sempre pensando
    que devia ter ido ao reservado para tirar a fantasia.

    Meus pais , fizeram com que eu acreditasse que o velhinho era real ,
    por muito tempo, e quando um tio , quebrou aquela magia , fiquei muito
    triste , porque gostava muito de acreditar , não era só a questão do
    presente , mas o sonho do trenó , na velocidade enorme e tudo mais, era
    delicioso, nunca consegui ficar acordado para flagar a entrega , e isto
    completava a fantasia .

    Neste ano , já estou convocado para repetir a empreitada .


    Vou tomar cuidado redobrado ,
    tirar a fantasia onde nenhuma criança veja,
    e para que nenhum menino maroto , veja o que não é para ser visto

    obrigado pelo toque .

    ResponderExcluir
  6. cinthia3:42 AM

    ahhahaahhaaha mto boa Marcelão ..

    saudades...

    bjss

    ResponderExcluir
  7. Lu Patinadora3:46 AM

    ótimo!!!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  8. com um celite escamoteado por debaixo do ditoso sólio natalino, tava na cara que essa história ia acabar fedendo! =) belo texto, amigo! e viva os natais dos poetas!

    ResponderExcluir
  9. Ana Maria3:02 AM

    muito bom marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Heloisa4:21 AM

    ADOREI, MARCELO!!!
    BJOS

    ResponderExcluir
  11. Anônimo6:38 AM

    Prezado Marcelo,

    Tão rápido quanto os “shoppings centers” se prepararam, nas vitrines das lojas, para o Natal, você fotografa uma infeliz realidade sobre a figura do “papai noel” de aluguel. Em tempos de pedofilia generalizada, torna-se temerário deixar um filho, recém saído do berço, sentar-se no colo do antigo e bom velhinho.
    O lado bom da coisa é que hoje as crianças com mais de três anos estão muito mais espertas do que fomos nós, com a mesma idade e, que já passamos dos 50, embora, em minha época o “papai noel” andava solto pelas ruas, preferencialmente em pontos comerciais dos bairros, porque, não haviam “shoppings” onde o velhinho pudesse se sentar confortavelmente, com ar condicionado e tudo, a espera dos pequenos, para colocar-lhes nos envelopes sugestão das lojas onde seus pais poderiam encontrar o presente pedido, obviamente que sempre em promoção no cartão de crédito em seis vezes sem juros.
    Também, é bem verdade, que não ouvíamos falar em papai noel cheirando a “cachaça”, tatuado e com olhos fundos marcados pela fome, razão maior do uso da fantasia de trabalho temporário nessa época de natal, sem esboçar a menor satisfação em ouvir as respostas da gurizada meladas por balas doces, chicletes e sorvetes, parte da farra delas ao passear pelo shopping acompanhando o pai ou a mãe, ou ainda, a ambos, disputando espaço em estreitos corredores em lojas de brinquedos.
    Nesse clima de fingimento, dos pais, muitos dos quais tendo que contar as moedas economizadas para ver se o dinheiro é suficiente, de que estão envolvidos pelo verdadeiro espírito de Natal não tem mais importância se o filho ou a filha de seis ou sete anos acredita ou não na fantasia de um palhaço vestido de vermelho e branco, com a fita do senhor do Bonfim pendurada no pulso e grunhindo ho ho ho ho.
    Longe vai, a ingenuidade das crianças e a verdadeira emoção delas diante da figura daquele que foi representante de uma das mais antigas tradições do cristianismo, hoje completamente descaracterizado dos sonhos e ilusões infantis.
    Muitos psicólogos nos últimos anos defendem a tese de que se deve acabar com a antiga ilusão da existência do papai noel, muitos deles, embasando suas teorias exatamente na questão de não incutir na formação da criança o conceito de que uma “mentirinha” dessas não faria mal algum, o que, evidentemente, deturparia de certo modo o valor da verdade sob todos os aspectos.
    Por ter vivido saudavelmente a ilusão do papai noel, ainda que, na primeira infância em família pobre, coloco em dúvida até que ponto a perda dessa ilusão é realmente benéfica a formação das crianças.
    Lembro-me, muito bem com sete anos, que a saída da ilusão na figura concreta do bom velhinho não foi frustrante nem traumática, porque, me foi dito que ele migrara para dentro do meu coração e, desde então, é onde sempre o encontro e de onde os apresentei aos meus filhos e agora as minhas netas. De fato, papai noel existe!
    Um forte abraço.
    Carlos Alberto

    ResponderExcluir
  12. Ah esse Gui, espertinho demais, sabe até figuras de direito penal. Quero que meu neto acredite em Papai Noel, como eu, que ele viva em nossos corações. Então, as tatuagens serão sujeirinhas das chaminés, assim como o cheiro do álcool será para a limpeza -- as chaminés são muito sujas -- e as fitinhas, ah, as fitinhas, essas são para que o Senhor do Bonfim dê um jeito neste país, porque já não está dando para depender dos homens, lamentavelmente. Feliz Natal!!!

    ResponderExcluir
  13. Vai dar mole pra essa molecada fdp....
    Feliz natal

    ResponderExcluir
  14. Santos Anjos do Senhor, conservai estas pestinhas espertas, tão importantes ou mais eficientes que a Polícia Federal- cadê o japonês da Polícia, Marcelo???

    ResponderExcluir
  15. Todos os fatos narrados me fizeram lembrar da juventude, e, não sei a causa, dos programas de televisão do palhaço Carequinha. Talvez foi a pergunta "você foi um bom menino?", muito usada por ele. Feliz Natal, Marcelo.

    ResponderExcluir
  16. Já não se fazem mais Papai Noel como antigamente. :(
    Feliz Natal para você e sua família, Marcelo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…