Pular para o conteúdo principal

DE VOLTA PARA O FUTURO - VERSÃO BRASILEIRA


- Pronto.
- Gilberto?
- Sim.
- Não discuta comigo porque a gente não tem muito tempo. Aqui é você falando com você, aceite isso pra encurtar a história.
- Quem é o engraçadinho, heim?
- Eu sou o você do passado. Eu sou você aos 17. Deixa eu te explicar direitinho o que acontece: o nosso eu de 2062, ou seja, o Gilberto do futuro, tem uma mensagem urgente pra você. Ou pra nós, se preferir. Não desliga que o assunto é sério...
- Tudo bem, vou entrar na brincadeira. O que você quer comigo? Ou melhor, o que eu quero comigo?
- A gente está numa bela de uma enrascada, meu velho. Permita-me chamá-lo de velho, já que você, ou o eu que está aí, tem idade pra ser pai deste que vos fala. O sr. concorda?
- Mande o senhor para aquele lugar, seu pirralho.
- Eu não faria isso comigo. Afinal, eu somos nós, de forma que tenho que zelar por você o tempo todo, pelo meu próprio bem.
- Bom, pra encurtar o assunto...
- Ok, vamos lá.


- Nós temos 98 anos e estamos numa pior, lá em 2062.
- Nossa, que judiação...
- Deixa de ironia, Gilberto. Fomos parar num asilo em Belford Roxo, ganhamos uma aposentadoria que não dá pra nada e comemos moela com quiabo todo dia.
- Credo, eu odeio moela com quiabo.
- Então, imagina como nós devemos estar sofrendo.
- Faço uma idéia.
- O negócio é o seguinte: se você consertar um fato que vai acontecer daqui a pouco, podemos mudar esse destininho medíocre.
- Sei, sei. Mas por que o Gilberto do futuro falou com você, e não direto comigo?
- Seria impossível. Nosso eu de 2062 descobriu que existem brechas na equação tempo/espaço, que permite que pessoas em períodos diversos se comuniquem. O que inclui o sujeito falar consigo mesmo em diferentes épocas. Uma dessas brechas ocorre justamente no dia de hoje, mas possibilita contato só com o ano de 1981, que é onde eu estou. E a minha brecha tempo/espaço pode fazer contato com 2008, que é onde você está. A solução seria fazer uma triangulação entre a gente. Ele se comunicando comigo e eu passando o recado pra você. Ficou claro? Olha, eu também achei tudo muito estranho...
- Ok, mas eu quero uma prova de que isso não é trote.
- Ah, o Gilberto de 2062 pensou nessa hipótese e mandou logo três. Eu até anotei aqui pra não esquecer...
- Diga.
- Ontem você foi assistir “Juno” no cinema e ficou incomodado com um cabeção na sua frente.
- Certo...
- Dentro da geladeira tem um yakult pela metade, que vence daqui a dois dias.
- Meu Deus... é verdade.
- E você está planejando viajar pra Santa Cruz das Palmeiras na semana que vem, mas ainda não comentou isso com ninguém. Confere?
...
- Tá me ouvindo?
- Ah, sim. Claro.


- Tá convencido agora, né?
- Tudo bem, mas o que eu tenho que fazer?
- Daqui a exatamente 34 segundos vão tocar a campainha aí da sua casa. Um sujeito de camiseta vermelha e cavanhaque. Esse cara vai estar com caneta e papel na mão, colhendo umas assinaturas. Não assine! Preste bem atenção: Não assine!!! Se você assinar, vai virar comedor de quiabo e moela aos 98. Seja firme, não caia na conversa dele. O melhor mesmo é nem abrir a porta, Gilberto. Olha aí, a campainha já tá tocando...
- É, estou vendo o cara aqui da minha janela. Olha, não estou entendendo nada...
- Leia o que tá escrito na camiseta dele.
“É LULA DE NOVO, COM A FORÇA DO POVO – PLEBISCITO PELO TERCEIRO MANDATO”
- Entendeu agora?
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Comentários

  1. Paulinho1:18 PM

    Excelente!
    Acho melhor já ir programando mudar de país...
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Giuliano1:00 AM

    Para se criar o "Come back to the Future", não teria que haver um filme inicial com o título, "Going to the past ??????" hehe

    Gostei do texto, abs !

    ResponderExcluir
  3. Anônimo5:38 AM

    achei ótimo, muito engraçado !!!
    O nome poderia ser CONVERSA DE LOUCOS, o que vc acha ???

    Um abração p/ vcs e um ótimo final de semana !

    Sandra

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! E realmente... moela com quiabo... ARGH!

    HUAHSUHuhasuh

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Sandra Nogueira6:28 AM

    genial, amigo, essa vou ter que passar para uma dúzia de amigos, que vão amar também.
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  6. Ana Maria7:02 AM

    muito bom, marcelo eu rí até!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. brasileiraf e brasileirof: vou trazer o companheiro marfelo pro miniftério da cultura!

    ResponderExcluir
  8. Marcelo J. Fox, se os irmãos Weinstein lerem este texto, é caixa. Imagina você no red carpet, vestindo um terno do Sibila, um sapato da Nenê Pirassol e atribuindo a inspiração à infância no pé de Mantiqueira.

    ResponderExcluir
  9. Meu caro...
    Impressionante... realmente é a pura verdade... Muito boa a "sacada" do texto...






    http://tharcisiocaldeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Marcelo,
    Divertidíssimo o texto!Gostei muito, embora não partilhe da mesma visão política...Mas esse assunto carece tanto de poesia que nem vale a pena entrar no mérito da questão.
    Adorei o texto!
    Beijo, amigo!

    ResponderExcluir
  11. Katia Pizarro3:15 AM

    Bárbaro como sempre, Marcelo.
    Obrigada!
    bjs
    Katia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…