Pular para o conteúdo principal

OBRIGADO, MAMÃE


A natureza sempre mostrou-se pródiga ao nos brindar com plantas para todas ou quase todas as moléstias, de quadros irreversíveis de Parkinson a furúnculos de ocasião. Assim foi durante séculos com o chá de couve-manteiga, que não obstante o nome frágil da verdura era capaz de dinamitar em minutos a mais titânica pedra no rim. O mesmo se pode dizer do alecrim, célebre por sua propriedade de deter a leucemia em estágio avançado, pelo menos entre os eunucos da Ásia Setentrional, que em número de 47 serviram como grupo de controle nos estudos levados a efeito pelo “The New England Journal of Medicine”. Há que se citar também o alívio que o reino das ervas oferecia ao masturbador contumaz, que em 97,3% dos casos relatados lograva aplacar o vício solitário com a ingestão diária de três cápsulas de semente moída de tangerina anã, até então empregada com sucesso enquanto antídoto e estancador do priapismo provocado pela catuaba.

Mas os tempos são outros, e a camomila, a hortelã, a erva-cidreira, o boldo, o sapotizinho do mato e a babosa espinhuda já não abundam nos quintais das tias velhas. Por seu turno, os congêneres de saquinho, vendidos nos supermercados, são sabidamente de efeito retardado e duvidoso. E confirmando Lavoisier em sua máxima de que “na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”, o fato é que ela hoje nos oferece substitutos tão ou mais eficazes em sua ação curativa e profilática. Como o espaço de que disponho e a paciência do leitor não me permitem citá-los todos, aí vão alguns que me acorrem de momento para ilustrar minha tese.

O chá de pneu em lascas, que para gagueira é tiro e queda – seja ela de manifestação congênita, hereditária, patológica ou psicossomática, entre as pessoas que cantam e as que mal sabem assoviar. Encontráveis facilmente às margens de qualquer banhado ou ribeirão, sua contundência terapêutica observa-se também na forma de ungüentos e emplastros, contanto que associados à ingestão intermitente de papéis de bala Juquinha. Temos ainda a infusão tríplice de tocos de cigarro, pet Bacana 2 litros e preservativos usados, largamente prescrita pelos plantonistas do SUS de Xique-Xique para as luxações de cadeirantes, sendo opcionalmente aplicada como escalda-pés. Os florais formulados com extrato concentrado de níquel-cádmio, oriundo de baterias as mais diversas, cuja seiva escorre a se perder aos pés das árvores, sem que o homem saiba aproveitá-la devidamente para a cura de “n” gêneros de enfermidades. O xarope caseiro de isopor e mercúrio, que muitos erroneamente renegam a crendice ou mera simpatia, contradizendo centenas de relatos avalizados por baluartes da ciência que indicam seu uso nos casos de astigmatismo e transtorno bi-polar. A garrafada feita com folhas de papel alumínio e cartucho de impressora, também chamada de “Levanta-Defunto”, responsável pela reabilitação de inúmeros casamentos no interior do Piauí. Enfim, é infinita a generosidade de mamãe natureza a nos presentear, em quantidades cada vez maiores, com estes e tantos outros santos remédios. Bálsamos mágicos a que todos devemos ser gratos e saber retribuir, repondo em dobro aquilo que extraímos.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Comentários

  1. Ana Lúcia4:49 AM

    Olá primo, tudo bem?
    Não tenho escrito mas tenho lido as crônicas. Sugiro a partir desta,
    que você escreva sobre a "neura"do chá verde. Tem gente tomando qualquer
    coisa que seja verde e líquida, como o suor do Hulk.
    beijos, até mais

    Ana Lucia

    ResponderExcluir
  2. Sandra Regina4:53 AM

    achei ótimo o que está escrito no Obrigado, mamãe !!!!
    Vai aí mais uma p/ fazer parte da sua tese :
    Chá de bateria de celular - indicado como suplemento vitamínico, recarrega energias !!!!!
    Gostou ???? Sendo cunhada de um escritor tão especial eu deveria ser mais criativa, né !!!

    Um grande abraço e um ótimo final de semana p/ vcs.

    ResponderExcluir
  3. Puxa, acho que depois disso, preciso de um chá de camomila...A mamãe agradece!
    Você, sempre, com o tom de humor sarcástico na medida certa!
    Beijo, amigo!

    ResponderExcluir
  4. João Batista10:26 AM

    Gostei muito de "Obrigado Mamãe". Parabéns. Beijos
    Feliz fim de semana.

    ResponderExcluir
  5. eita amigo! a natureza, sabiamente, o presenteou com infindável sensibilidade, criatividade, bom humor e ironia saudável, ingredientes que oferece para seu leitor deleitar-se com zero de contraindicação. salve!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo11:48 AM

    parabenizando-o.
    Um abraço.


    Raul Ribas

    ResponderExcluir
  7. Sonia Alcalde12:12 AM

    Oi, Marcelo:
    Excelente crônica! Parabéns!
    Abraços
    Sonia Alcalde

    ResponderExcluir
  8. Elizete Lee6:05 PM

    Vou recomendar o "xarope caseiro de isopor e mercúrio" para um amigo "BIPOLAR"...
    Será a salvação!!!! kkkkkk

    Abraços,
    Como sempre, fantástico!

    ResponderExcluir
  9. Sandra Nogueira7:45 AM

    Bom dia, amigo. Apesar da seriedade do assunto não parei de rir. Adorei saber do poder curador de certas plantas, principalmente a tangerina anã. Um abraço e ótima semana!
    Sandra

    ResponderExcluir
  10. Anônimo7:58 AM

    Grande Marcelo, que bom estar de volta à leitura das suas crônicas. Gostei dos medicamentos. Tentarei hoje preparar o chá de "lascas de pneu". O sabor deve ser algo magnífico (rs).

    abraço e boa semana!

    Tadeu

    ResponderExcluir
  11. Ana Maria9:26 AM

    muito bom, Marcelo, pobrezinha da nossa mãe, não é???

    ResponderExcluir
  12. Maria Amélia9:28 AM

    Show Marcelo!!! Um tapa na cara da galera, hein...e uma lição sobre ervas medicinais.....coisa de vó isso...rs!!!

    Bjos procê

    ResponderExcluir
  13. Anônimo10:08 AM

    Marcelo, mago da Amazônia, só agora vc vem me falar desta couve-manteiga, meu amigo? Além das escritas impressas num livretinho tipo cordel, você poderia montar uma banca na rua 13 e vender também as milagrosas "garrafadas". A macaúba eu garanto o fornecimento... abraço
    Lauro

    ResponderExcluir
  14. Rosa Pena4:28 PM

    Amigo..
    li e repassei esse seu artigo..
    ótimo..
    beijo
    rosa
    www.rosapena.com

    ResponderExcluir
  15. George Lee4:56 PM

    Fantástico a sua dissertação, mostrando de uma forma dramática - embora aparentemente brincalhona - a maneira como a humanidade se afasta daquilo que tão amorosamente a mãe natureza lhe deu, em nome de um duvidoso progresso consumista e destrutivo.
    Parabens a voce Marcelo, por esse e tantos outros artigos que tem escrito!

    ResponderExcluir
  16. Anônimo11:24 PM

    bom comeco

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…