Pular para o conteúdo principal

MIM TARZAN, YOU TUBE


Definitivamente, Tarzan não estava em seus melhores dias. Chegou à repartição meia hora depois do cacique, derrubou pó de guaraná na camisa branca e, como se não bastasse, o programa travou no meio da planilha. O relatório precisava estar pronto dali a duas luas, no máximo.

Ficou olhando impotente para o mico computador, contando até 10 para não esmurrá-lo. Era todo de jacarandá, com uns detalhes em peroba rosa. Talvez por isso desse pau o tempo todo. Comprado de contrabando, veio escondido debaixo de um carregamento de mogno vindo do Amapá.
O gabinete de Tarzan era no décimo oitavo andar da palmeira imperial 15, Asa Sul de Bem-Te-Vi.

Lá vem ela: Jane. Aquilo não era uma mulher, era uma reserva natural paradisíaca. Assim ficava difícil se concentrar no trabalho. Funcionária nova, chegara ali transferida da Funai, depois de ter servido oito anos na Sudam. Se aproxima insinuante e pergunta qual o melhor caminho pra voltar pra casa.

Meu Santo, Daime forças pra resistir à tentação. Seria uma inesquecível transa amazônica...

Tarzan explica que o caminho mais fácil é pegar o cipó 12, passar três estações, fazer conexão com o cipó 35, saltar na Avenida Vitória Régia e dali ir de canoa até sua oca.

Com vestido de chita essa Jane fica um arraso, ele pensa. Mas, se abatesse a presa, teria que ser mais cauteloso do que com aquela gata vestida de oncinha, que levou para o meio do mato na semana passada. Por um descuido a conta do Moita’s Hot Night foi parar na fatura do cartão de crédito. Pra explicar em casa não foi nada fácil, o couro de jacaré comeu solto quando chegou na cabana.

A reunião com a diretoria foi demorada. Pauta do dia: Alternativas para livrar a selva de pedra da extinção, detendo a devastação da cidade pela floresta e preservando os mananciais de CO2. "O crescimento desordenado da mata nativa vem engolindo impiedosamente as chaminés das fábricas. Se não fizermos alguma coisa agora, não vai sobrar uma fumacinha para as próximas gerações", argumentava colérico o gerente de assuntos institucionais. E aí a discussão se estendeu com todo aquele papo de sustentabilidade, de responsabilidade ambiental, que a empresa precisa se mobilizar pra calar a imprensa e aplacar os ânimos da opinião pública, etc. Ao final, tudo combinado e nada resolvido. Saiu esgotado do blá-blá-blá e parou no bar para um Gin das selvas. Duplo.

De volta à cabana, acessou amazon.com e encomendou o último lançamento do Ramos de Carvalho, que o Campos Nogueira havia recomendado para seu primo, Pinheiro da Serra. Aproveitou e comprou também um ensaio do Florestan Fernandes e um CD da Vanessa da Mata.

Já na rede, pegando no sono, o celular toca. Era o Aníbal pedindo que lhe quebrasse um galho. E toca o tonto do Tarzan a se embrenhar floresta adentro, com a moto-serra nas costas, pra resolver o problema do amigo.

Nisso já clareava o dia. Parou na banca de jornais, comprou a “A Voz Nativa” e leu a reportagem sobre um projeto voluntário de crianças que derrubavam árvores para transformar em roçados de arroz e soja. A matéria também falava de um grupo de adolescentes que drenou um rio e seus peixes para enchê-lo de asfalto. As fotos mostravam as mães dos meninos chorando de emoção, o jornal elogiava o exemplo de cidadania, um representante da ONU veio condecorar a escola e os alunos pelo feito inédito e inspirador.

Com os olhos marejados, dobrou o jornal e seguiu direto para a repartição, exausto e sem banho tomado, mas com o gratificante sentimento de que nem tudo estava perdido nesse mundo.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Comentários

  1. João Batista10:33 PM

    Acabei de ler sua crônica s/ o Tarzan.Gostei,
    bem divertida. Amanhã de manhã iremos para a terrinha
    querida, após resfriados pesados. Daremos notícia de lá.

    ResponderExcluir
  2. Um bravo verde das selvas para você, Marcelo!
    Amazonicamente genial!
    Beijo, amigo.
    Ana

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, essa sua brincadeira selvagem será objeto de tese dos irmãos Villas Boas e do LF Veríssimo. vc foi florestalmente engraçado.
    abraço

    ResponderExcluir
  4. Állan Toledo7:20 AM

    Fala Marcelão, parabéns! muito bom este texto.

    Está agora no Caderno C também?

    Log sai o livro, se prepara.

    grande abraço,
    Állan

    ResponderExcluir
  5. Anônimo10:20 AM

    MUITO BOA, MARCELO!!!!
    PS: Mas e aí? Que fim deu a história com a nova funcionária, a Jane????? Quem sabe, um próximo capítulo...

    Malu

    ResponderExcluir
  6. Giuliano1:00 PM

    muito boa ! hahaha

    ResponderExcluir
  7. Regina3:30 PM

    Adorei o texto, o título, então, super criativo.Parabéns!
    Bj

    ResponderExcluir
  8. Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the TV Digital, I hope you enjoy. The address is http://tv-digital-brasil.blogspot.com. A hug.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo11:13 AM

    MUITOOOOO BOM MANO ADOREI.... BEIJOS



    Marieta

    ResponderExcluir
  10. Milena5:59 AM

    AAAAAADOOOOOOOREI!!!!!

    MUUUUUITO ENGRAÇADO!RS

    ResponderExcluir
  11. Tadeu8:02 AM

    Marcelo, adorei a crônica, uma fina ironia sobre o mundo em que vivemos. Muito interessante a história da ameaça que as chaminés sofrem com a "invasão da mata". Mas impagável mesmo é a descrição da Jane. "Reserva natural" é ótimo. Valeu!

    Tadeu

    ResponderExcluir
  12. Marlão8:03 AM

    Do carilho!

    ResponderExcluir
  13. Anônimo8:05 AM

    muito nostálgico, legal pa aramba!

    Ana Maria

    ResponderExcluir
  14. Maria Amélia8:31 AM

    Hahahahahahahahahahahahaha

    Muito bommmmmmmmmmmmmmm Marcelo. To rindo demais por aqui.....

    ResponderExcluir
  15. Filipe Moretzsohn8:45 AM

    Se a gente não se RAONI AGENTE SE ESTINGUI!!!!
    Muito bom, parabéns!
    Sgrilóide

    ResponderExcluir
  16. Sandra Nogueira4:32 PM

    aplausos, Marcelo, muito bom, adorei!
    abraço
    Sandra

    ResponderExcluir
  17. Elizete Lee4:44 PM

    Marcelo,

    Agora estou com tempo para deliciar-me com seu artigo.
    Muito bem colocado o "Santo" Daime... kkkkk e o Moita´s Hot night...

    ResponderExcluir
  18. Anônimo3:14 AM

    Muito bom o seu texto.
    You é que é tube mesmo..quer dizer, Tarzan...hehe
    Abraços
    Mary Maia
    (Ribeirão Preto-SP)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…