Pular para o conteúdo principal

O CHAPÉU RESISTIRÁ!

Tudo pode cair de moda na indumentária, até mesmo as recém-inventadas ceroulas e os modernos espartilhos, mas os chapéus hão de resistir bravamente. Isto é tão certo quanto a eleição de Prudente de Moraes no próximo pleito.

Admito que a procura pelo artigo vem caindo nos últimos meses, fato desolador mas inegável, na qualidade de proprietário de uma casa do ramo. Atribuo, contudo – e o tempo me dará razão, que esta debandada da freguesia é fenômeno isolado e momentâneo.

Não se lançam assim, no fosso do esquecimento, três gerações dedicadas à arte e ao ofício da chapelaria. Uma dinastia que começou com meu avô Ariovaldo, no “Palácio dos Chapéos”, continuou com o glorioso “Ao Chapéu Elegante”, casa que marcou época sob o comando do meu pai, Jabur, e prossegue comigo, com a afamada “Chapelândia”.

Afirmar que os chapéus cairão em desuso é o mesmo que dizer que deixarão de ser usados os leques, as abotoaduras, os cueiros, as anáguas e as galochas. Trata-se de sandice a que não se deve dar crédito. Um cocuruto desprovido de chapéu é uma afronta aos bons costumes, quase uma incivilidade no passeio público e nos compromissos sociais. Além de ser também uma descortesia para com as damas, que aguardam que o tirem da cabeça à sua passagem, em sinal de respeito e galanteio.

Em suas variadas formas, eles têm lugar cativo nas ruas e na história. Os panamá, os coco, os de abas largas e os nem tanto, os de feltro, os de couro, os de lã e, porque não dizer, os de palhinha. Sim, os de palhinha branca, que tanto alvoroço fazem nas quermesses, festas do Divino e páreos do Jockey Club, engalanando os janotas.

Mais que objeto de adorno, o chapéu tem serventia. É isolante térmico sob o sol inclemente, protege do vento as madeixas das melindrosas e os cachos do maganões e serve até de guarda-chuva, em pés-d’água de menor intensidade.

Sejamos realistas, meus leitores. Com o fim do chapéu estaria extinta toda uma cadeia produtiva que gira em torno dele, sacrificando milhares de empregos diretos e indiretos. Seria um desastre na pujante indústria de porta-chapéus, também chamados de “fradinhos”, peças indispensáveis nos vestíbulos das residências e cuja manufatura segue em franca expansão, tanto de um lado quanto de outro do Tratado de Tordesilhas. E que dizer dos mendigos, que não teriam onde colocar os parcos caraminguás que lhes são lançados nas portas das igrejas? Até eles estariam em maus lençóis com a extinção do chapéu.

Outros abalos irreparáveis, na falta desse item indispensável do vestuário, se fariam sentir nas comissões de frente de escolas de samba, nas festas de peão e nas romarias montadas rumo a Aparecida do Norte e a outros santuários. Sem falar naquele famoso quadro do Raul Gil, que obviamente deixaria de existir.

Nem todos, entretanto, têm a mesma perseverança e obstinação que eu nos negócios. Já vejo fraquejarem alguns concorrentes de peso, o que para mim é motivo de regozijo. É o caso do “Chapelão de Ouro”, que desde a semana passada ostenta em sua vitirne uma faixa com os dizeres: “Passo o ponto a quem interessar possa, com farto sortimento de chapéus incluso. Tratar comigo no horário da sesta”.

É também do “Chapelão de Ouro” essa promoção, que consta de um panfleto distribuído nas ruas: Na aquisição de qualquer modelo de chapéu das afamadas marcas Ramenzoni e Cury, V.Sa. ganha um boné para seu menino e um véu de missa para sua patroa.

Duvido que dê retorno. Há de fechar as portas, brevemente. Aí então reinarei sozinho no mercado.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Evelyne10:22 AM

    Marcelo

    Você é um excelente escritor. Isso eu já sabia, mas esse texto está maravilhoso! Para mim foi como uma viagem sem lugar ou tempo definido.Num balão ( sem ser o do coitado do padre) . Onde tudo poderia acontecer em torno de um objeto como um chapéu ( que particularemete gostaria que voltasse por aqui,rs) . Sinceramente, amei!
    Bom fim de semana!
    Abraços;
    Evelyne

    ResponderExcluir
  2. Anônimo10:35 AM

    Olá Marcelo, tudo bem com vc ?? E a Tininha e a Marcela, tudo tranquilo ?
    Acabei de ler O CHAPÉU RESISTIRÁ e achei ótimo, muito engraçado !!! Aliás, vai ser otimista lá longe, hein !!!!
    Acreditar que o chapéu não cairá de moda é o mesmo que acreditar que o Márcio está fazendo dieta !!!!!
    Ninguém merece, né !

    Um grande abraço e um ótimo final de semana.


    Sandra

    ResponderExcluir
  3. Maria Amélia12:24 PM

    ADOREI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. De tirar o chapéu, Marcelo!
    Beijo, amigo!

    ResponderExcluir
  5. Elizete Lee4:33 PM

    Marcelo, você sempre nos remete a refletir sobre os valores das coisas ao longo do tão insólido "tempo".

    Parabéns.

    PS: Que reflexão terá nossa sociedade futura sobre os "bonés" tão romanticos de hoje?

    ResponderExcluir
  6. Marcelo, um clichê chapelético: essa sua crônica remissiva às eras de formalismo na indumentária é de tirar o chapéu.
    Abraços chapeleiros-crepusculares

    ResponderExcluir
  7. Tadeu5:18 AM

    Valeu Marcelo, pela defesa do chapéu. Eu como um "cavalo sem crina", diria a Cida, me alegro. Aliás, tenho três deles, que uso em épocas mais apropriadas. Nos dias quentes, vou de boné mesmo. Que aliás é uma espécie de "casual hat".

    abraço!

    Tadeu

    ResponderExcluir
  8. Ana Maria5:22 AM

    meu pai sempre usou até o fim de seu doentes dias....

    ResponderExcluir
  9. Marcelo

    Favor me passar o endereço da Chapelândia, pois fui para Santo Domingo (República Dominicana), via Panamá. Todos desceram do avião, aos empurrões pra adquirirem um exemplar no Free Shop, antes de prosseguirem a viagem. Chapeú de Panamá???? Nem pensar....

    Beijos
    Malu

    ResponderExcluir
  10. Filipe Moretzsohn8:14 AM

    Tirei o chapeu pra você nego, até mais.

    ResponderExcluir
  11. Sandra Nogueira8:37 AM

    Marcelo, você não só escreve bem como é um bom pesquisador. Aliás, quero fazer uma encomenda: reserve-me dois chapéus, um rosa e um azul clarinho, estilo côco, preciso estar bonita na missa de domingo. rsrsrsrsrs
    abraços
    Sandra

    ResponderExcluir
  12. Regina8:47 AM

    Olá Marcelo,
    A-do-ro ler seus textos, sempre criativos e emocionantes! Olha só, fico estupefacta com a sua produção...é um texto atrás do outro, hein!? e cada dia melhor.
    Boa semana, bj

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…