Pular para o conteúdo principal

RELATO DE PRISCAS ERAS


A José Saramago, pela inspiração

Por um decreto natural, sem prévio aviso, abriu-se uma fenda de fora a fora do mundo, que engoliu aquele tempo e aquelas coisas do jeito que eram para continuarem indefinidamente sendo daquela forma. Das duas margens do grande racho foram tragados homens, mulheres e crianças, abajures, carros, telefones, estantes de livros e mesas de variados feitios e estilos. Essas coisas e seres, eleitas ao acaso pelo capricho do vale que se abria, permaneceram imunes ao estrago e à velhice. O tempo deixou de exercer sua ação sobre eles e instaurou-se o caos, embora seja sabido que chegou a existir uma constituição, um hino e até uma bandeira da pátria atemporal - ainda que ninguém tenha efetivamente testemunhado o hasteamento da mesma.

Multiplicavam-se os humanos entre as dois blocos rochosos, por não terem muito o que fazer exceto procriar e observar a fenda abrir-se mais e mais, tanto em largura quanto em profundidade. E os bebês uma vez nascidos perpetuavam-se bebês, com a idade de um dia, já que o passar das semanas, meses e anos havia se interrompido. Assim, os copuladores que ali estavam não mudavam de feição nem enrugavam, não perdiam cabelos nem a virilidade, se entretinham somente em mais e mais copular e cuidar dos eternos bebezinhos.

Além dos limites da fenda mágica, a vida corria e as gerações se sucediam normalmente, com a passagem do tempo seguindo seu curso inalterado. Não demorou para que o estranho Grand Canyon virasse atração turística, com hordas de visitantes acompanhados de seus guias a espreitarem de binóculos e lunetas os eternamente jovens que acenavam lá de baixo, tendo em seus colos três, quatro ou mais bebês de um dia.

Tal quadro era a glória para as mulheres de natureza promíscua, o alívio para aqueles que contraíram dívidas antes de serem tragados e o refúgio perfeito para os procurados pela polícia. Mas havia os alcoólatras que lá de baixo gritavam desesperadamente por uma garrafa de bebida, os fumantes que clamavam por uma bituca que fosse de cigarro, os saudosos aflitos por tornarem às suas casas e afazeres.

Organismos internacionais e ONGs envidavam todos os esforços para manter a situação no fosso dantesco sob controle, despejando diariamente no sulco basculantes de comida, galões de água, remédios e carregamentos colossais de leite em pó para os bebês de um dia, que se aglomeravam e formavam em poucos meses uma população centenas de vezes maior que a dos seus genitores.

Até que a fenda deixou de alastrar-se, iniciando um inédito movimento geológico de contração, que, inversamente ao fenômeno inicial, ia expelindo os humanos de volta à terra firme. Não é difícil supor que muitos foram os bebês de um dia e os adultos procriadores esmagados pelo efeito morsa, formando um mar de sangue e vísceras em torno daqueles que a custo se debatiam para alcançar a superfície e sobreviver.

Por serem em muito maior número, foi no grupo dos bebês de um dia que se computou a quase totalidade dos sobreviventes. E uma vez fora do fosso passaram a sofrer os efeitos normais do tempo e se tornaram adultos, habitando as cidades, os países e os continentes da forma como os conhecemos hoje. Por ser verdade, eu, escrivão autorizado, firmo o presente relato como documento fidedigno para estudos futuros.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Evelyne3:08 AM

    Senhor escrivão que texto é esse? Marcelo li e reli essa fantasia, me impressionei demais com os bebês de um dia em quantidade absurda e com a terra espremendo gente. Aliás tudo em seu texto me deixou de boca aberta. Mas confio em vc. Deve ter sido assim em Priscas Eras.
    Parabéns, amigo!
    Beijos
    Evelyne

    ResponderExcluir
  2. Marcelouco, que doideira é essa, caro lisérgico. Reli umas três vezes para digerir e entender. Vou tomar o daime-macaúbico e consultar mestre Duña para botar de novo os pés no chão.

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcelo

    Gostei muito dos dois. Só não gostei das bonequinhas da ilustração. Parecem os bonecos que a Igreja Católica anda
    mostrando nas missas contra o aborto. Afff....

    ResponderExcluir
  4. Wallace2:08 PM

    Gosto do modo como escreve e esse texto agora foi sensacional.

    Um abraço,

    Wallace Fauth

    ResponderExcluir
  5. Ana Maria5:10 AM

    que viagem!!!

    ResponderExcluir
  6. Sandra Nogueira8:24 AM

    Marcelo, já nem sei mais o que dizer, tão bons são seus textos, você deve ser uma pessoa bárbara, inspirador e inspirado. Pirado também, se não, não há a menor graça. Um pouco de doçura, um pouco de paixão, um pouco de loucura, muita inteligência e perspicácia..... dessa caldeirada vem um escritor genial que não quer ser engolido pelo sistema editorial.

    ResponderExcluir
  7. Marcelo,

    Seus textos para mim são tão essenciais...
    Escreve com uma exatidão, nada fora do lugar, parece que as expressões são colocadas com uma certeza e no lugar tão certo, tornando-se tão pertinentes que, se fôssemos trocá-las, o resultado jamais seria satisfório.
    Gosto muitíssimo do seu jeito de escrever.
    Beijo, amigo!
    Ana

    ResponderExcluir
  8. Belvedere Bruno2:52 PM

    Que fértil imaginação! Parabéns!Saramago gostaria de ler.
    Abs
    Bel

    ResponderExcluir
  9. Belvedere Bruno2:52 PM

    Que fértil imaginação! Parabéns!Saramago gostaria de ler.
    Abs
    Bel

    ResponderExcluir
  10. Navegando pela web, atrás de "circuitos de reverberação", acabei caindo no seu blog anterior.
    Comecei a ler e não consegui parar, que textos são essses? Loucos, engraçados, líricos. Simplesmente tudo. Bom demais.
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Paulo Marsiglio5:18 AM

    Desculpe a demora em ler.
    Brilhante!
    Paulinho Marsiglio

    ResponderExcluir
  12. Elizete Lee12:24 PM

    Como no filme Matrix:

    Devo tomar a pílula Azul ou Vermelha, para entender os caminhos de sua realidade.

    Abraço fraternal

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…