Pular para o conteúdo principal

A ÚLTIMA COLUNA SOCIAL


Sábado, 31 de Maio. As portas do magnífico salão nobre do Nhambiqüira Social Club abriram-se para acolher a nata da society nhambiqüirense, ali reunida para um momento sublime: a apresentação das debutantes 2008.

Tal qual família de elegantes garças, trajando branco as meninas em flor se empoleiravam no palco, a ostentar uma inocência que em nada condizia com a fama coletiva de experientes biscates, apesar da pouca idade. Incluindo a gorda e feiosinha Tércia, filha do meio do Jão da Noca.

Das sócias do clube nesta faixa etária, só não quis debutar a Fátima Djanira Fontes. Esta sim, inocentinha de verdade. Confessou em reserva a uma vizinha que o namorado, após muita insistência, conseguiu que ela pousasse a mão entre suas pernas. Fátima relatou então sentir uma certa calosidade na região acariciada, a que ela atribuiu tratar-se de um osso, ou massa tumoral de consistência firme e em avançado estágio de crescimento. Assustada com o achado, ainda que a apalpadela se desse por cima da calça, recomendou ao namorado que procurasse auxílio médico, para investigar a anomalia na região do pipi. Vejam vocês...

Mas, voltando ao nosso baile. Após a entrada triunfal com os papaizinhos, as meninotas foram agraciadas pela patronesse Laurinda Chaves com o edificante livrinho “Virgem, por que não?”. Marido da patronesse, o coronel da reserva Igor Strovsky Chaves também achou por bem presentear as debutantes com modernos Ipods, pré-carregados com arquivos MP3 do Hino à Bandeira e de uma seleção de modinhas do grande Antonio Carlos Gomes. Em elegantes trajes, o virtuoso casal contrastava com as fotos que outro dia encontrei deles num site de swing, nus em pêlo e empunhando chicotinhos.

Às sedas, tafetás, tules e cetins da ocasião se somavam elementos ainda mais diáfanos, para não dizer invisíveis, porém de outra natureza e de efeito bem menos sutil entre os presentes. Como os gases da Sra. Odila Trojan, que mesmo em ocasiões solenes dão o ar da sua graça de forma impositiva e personalíssima. O odor nauseante virou objeto de discussão nas mesas ao redor da flatulenta matrona, com os convivas tentando adivinhar que estranha composição de carboidratos, gorduras e proteínas teria formado tão explosiva bomba de metano.

Uma explicação plausível seria a péssima qualidade dos salgadinhos ali servidos. À falta de um buffet na cidade, os mesmos foram preparados no trailler de hot-dogs “Baitakão”, e se resumiam a uns engordurados croquetes de batata e salsicha, sanduichinhos ressecados de patê de presuntada, fios de ovos gorados e uma sórdida torta de pupunha e ervilha em lata.

Abrandando a pútrida química emanada da Sra. Odila, vez por outra se sentiam os perfumes almiscarados das meninas, suas mamães, titias e amigas, misturados aos vapores do uísque 12 anos que generosamente circulava nas rodinhas dos marmanjos.

Mas onde há álcool, há imprudência e desastre. E desastre houve, ainda que não causado pelo uísque dos homens, mas sim pelo inocente ponche de sidra vagabunda e peras servido às mulheres. Sem que se atinasse o porquê, e ali mesmo ao redor da baciada de espumante, a cunhada de dona Silvaninha da quitanda agarrou-se às unhadas e puxões de cabelo à professora Anabel, tratando-a, em altos brados, por “dadeira cadeiruda” e relembrando o que há décadas é voz corrente em toda esquina – o seu intermunicipal furor uterino, que não encontrando vazão suficiente em Nhambiqüira, vem sendo aplacado com garanhões das redondezas.

Com as doze badaladas vieram as danças das debutantes com seus pais e em seguida com o famoso Flávio Júnior, um quase clone do quase homônimo ídolo e que há anos quase faz sucesso com seu violão de doze cordas no Muquifo da Filó, inferninho quase centenário estabelecido no vizinho município de Seixas.

São três e meia da manhã, e estou fechando a edição desse imparcial bissemanário. Por volta das cinco e quinze, quando os exemplares chegarem às portas dos nossos respeitados assinantes, se Deus quiser estarei bem longe daqui. Fora do alcance dos jagunços que certamente serão pagos para dar cabo deste ex-colunista social.
© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo, você é fantástico! Seu conto tem uma graça incomum! Parabens! Muito divertido mesmo!

    ResponderExcluir
  2. Mary Maia2:40 AM

    Rindo...
    Muito bom! Adorei o “dadeira cadeiruda” rsss
    Espero que fôlego e pernas não tenham faltado ao "ex-colunista"
    Abraços
    Mary

    ResponderExcluir
  3. Rosa Pena6:11 AM

    YES .. SUA IRREVERÊNCIA É ADORÁVEL, ATÉ PORQUE EU USO E ABUSO DELA.. to rindo muito dos nomes.. ponto alto é o Flávio Júnior...kkkkk..e realmente o colunista vai virar ex, aliás pó. rs.. beijos da amiga rosa

    ResponderExcluir
  4. Marcelo, o colunista pode até se escafeder e sumir no ostracismo, mas o cronista sguassábico tem que ser alçado às alturas do cronicato tapuia. Gargalhei às pencas!!!!

    ResponderExcluir
  5. João2:16 PM

    Gostei muito. Bem divertida. Beijos de seu pai.

    ResponderExcluir
  6. Ana Maria5:14 AM

    Gosto muito mais desta maneira de vc escrever!

    adorei e rí a valer!!!

    ResponderExcluir
  7. Ana Maria5:14 AM

    Gosto muito mais desta maneira de vc escrever!

    adorei e rí a valer!!!

    ResponderExcluir
  8. Sandra Nogueira8:08 AM

    Marcelo, que delícia, que texto engraçado. Poderia, inclusive, ter sido datado nos anos 60, época do auge do falso moralismo e culto ao hight society rsrsrsrs Adorei!
    beijo
    Sandra

    ResponderExcluir
  9. Regina8:30 AM

    Olá Marcelo
    A-do-rei o texto novo! Parabéns!
    Bj

    ResponderExcluir
  10. Oi, Marcelo!!
    Não há como não me deliciar com suas palavras. Você tem um humor tão fino, tão difícil de encontrar por aí.
    Adorei a foto também!
    Beijão!

    PS Obrigada mais uma vez pela visita lá no meu cais.

    ResponderExcluir
  11. Elizete Lee6:44 PM

    É pena que neste espaço não tenha uma risada bem forte e aquelas figurinhas com as bocas escancaradas!

    Amei demais!

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. núbia2:19 PM

    hahahaha...qta riqueza de detalhes.
    Apesar do espaço ser pra isso, seu humor é sem comentário....!!!
    parabéns.
    bj

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…