Pular para o conteúdo principal

TESTEMUNHA CAPILAR DA HISTÓRIA


Eram confissões inconfessáveis, sobre os maridos e sobre si mesmas. Aquilo, vindo a público, seria Hiroshima e Nagasaki à enésima potência sobre o sossego respeitável do distrito de Azinhão. Podres de filhos drogados, performances vacilantes de amantes na cama, abortos de bastardinhos, desvios de verbas municipais, além, é claro, de miríades de comentários e maledicências menores sobre a vida alheia, sem força de escândalo.

Tinha deixado o gravadorzinho escondido, preso com superbonder embaixo da bancada repleta de tesouras, escovas, esmaltes e cremes. Acionou o Rec em Extended Play, o que significava no mínimo doze horas e meia de gravação digital ininterrupta. Todas as maxiperuas da city se aprontando para o casório do ano, fazendo unhas e pés, aparando as cabeleiras e disfarçando os buços. E doze horas dava bem pra várias levas de peruas, tendo-se em conta que ficavam quando muito umas três horas ali, tempo suficiente pra se botarem apresentáveis e darem lugar à leva seguinte de falastronas.

Havia detalhes, nomes e sobrenomes de praticantes de pecados a escolher, de todo porte e gravidade - veniais, capitais e mortais. A coisa era séria, material que usado em chantagem renderia bom pé de meia, daqueles de garantir o futuro dos netinhos.

Assim arquitetava enquanto varria o salão, juntando num só balaio capilar as variadas mechas do dia. Estava feita. Sairia do serviço e, hoje à noite mesmo, faria os telefonemas necessários para estragar a festa de todo mundo. Não tinha discussão: era botar o trecho comprometedor pra madame escutar e estabelecer preço pra manter a coisa inédita.

Sim, Deuzilleide enfim embarcaria na primeira classe para todos aqueles lugares que conhecia só dos calendários de quitanda ou de tanto ouvir as peruas falarem. Era direito, era justo. Pegou todas no contrapé, azar, fazer o quê. A dona Jade, por exemplo. Custava ser mais discreta, não passava pela cabeça que alguém podia espalhar a difamação que ia destilando, entre uma e outra pincelada de esmalte? Danou-se, tarde demais.

E o melhor é que a entrada de dinheiro seria vitalícia, um esparrame sem fim de dinheiro entrando na conta. Isso porque não reuniria todo o madamório pra mostrar as gravações de uma vez só, destruindo o aparelhinho mediante o pagamento. Afinal, quem garantiria que já não tinha outras cento e cinqüenta e oito cópias do conteúdo comprometedor guardadas a sete chaves em cento e cinqüenta e oito esconderijos diferentes? O plano era perfeito. Já se via ligando: “Dona Mafalda, meu sigilo pelos próximos seis meses tá vencendo hoje. É tanto. Pode fazer o depósito”. Gravadorzinho redentor, salvação da lavourinha de Deuzileide. Bastava agora descolá-lo da bancada.

- Ai que duro, acho que exagerei na cola... força, força, força... mais um pouco... agora vai...

Ploft. Deuzileide do céu, de um golpe o precioso submergiu no balde da faxina. Valha-me, Nossa Senhora. Ficou passando pano seco, mas nada do bichinho dar acesso às suas entranhas. O Power nem acendia. Quem sabe colocando debaixo do secador. Com mil penugens eriçadas, olha a cena... Deuzileide passando secador de cabelo no gravador carequinha. Se alguém entra e vê isso, é rua.

- Seca, seca, meu benzinho... seja um bom menino pra mãezinha Deuzileide, seja.

E ele foi. Virou a mais madame de todas, tem oito franquias do Bob’s, duas lojas de conveniência, Jaguar com motorista, cobertura novinha no melhor bairro da cidade e um salão de beleza. Aquele em que trabalhava.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. João5:08 AM

    Léo, boa noite. Goestei de "Testemunha Capilar".Parabéns pelo número de cidades atingidas pelosseus trabalhos. Deus lhe abençoe. Você não mefalou o nome do cachorrinho. Macho ou fêmea?Fêmea seria melhor. Não urina das paredes,etc.etc.etc.........Feliz fim de semana. Beijos de seu pai.

    ResponderExcluir
  2. Evelyne11:26 AM

    Se outras Deuzileides tiverem essa mesma idéia, o dinheiro vai trocar de mãos bem rapidinho. Delicioso texto, Marcelo.

    Beijos e uma excelente semana meu amigo.

    Evelyne

    ResponderExcluir
  3. Ana Maria8:22 AM

    garota esperta não??? imagina se resolvermos fazer o mesmo!

    ResponderExcluir
  4. Fatita8:23 AM

    Excelente!

    ResponderExcluir
  5. Bruno8:24 AM

    No domingo espero sempre este belo traçado. Depois de um café de cuia, um cigarrinho de palha e bumpt. Sento a bunda no computador veio aqui da choupana e vou me deliciar com este Marcelo arretado de baum.

    ResponderExcluir
  6. Milena10:41 AM

    Muito boom! melhor ainda o nome..... Deuzilleide, ou seria Deuzilayde?!? Gente chiq, chiq mesmo adora um uipssilom! ahahahahahaha beijos,Mi

    ResponderExcluir
  7. Clauduarte10:43 AM

    Marcelo, parabens pelo texto.Eu sou um musico brasileiro residente nos EUA ha mais de duas decadas. Gostaria de conhecer mais o seu trabalho e saber se voce escreve poesia tambem. Estou interessado em novas parcerias. Um grande abraco

    ResponderExcluir
  8. Rosa Pena11:28 AM

    Li, ri e passei o "pente fino" nessa crônica capilar. Caraca ... distrito de Azinhão com uma Deuzilleide com dois L... he he.... num tem erro não. Impecável e impagável. Me encontro demais em sua inspiração.

    ResponderExcluir
  9. Sandra Nogueira2:40 PM

    que ótimo, o máximo!!!
    beijão
    Sandra

    ResponderExcluir
  10. Regina4:23 PM

    Olá Marcelo,
    Como sempre, me delicio com seu texto,marcado pelo bom humor e pelo estranhamento (desde os sutis títulos).Parabéns, gostei muito.
    Abração e boa semana

    ResponderExcluir
  11. Marcelo, o texto é tão genial quanto à idéia. Vou sugerir ao Bartazá, o barbeiro-político, que arme a geringonça gravante sob a sua velha cadeira. Pela frequência da plebe, acho que ele levanta o suficiente para uma pamonha em Águas da Prata. Ótimo, pra variar!!!!

    ResponderExcluir
  12. Elizete Lee7:26 PM

    Meu computador deu pane e só agora pude ler o seu texto. Como sempre, me diverti muito com o seu humor.
    Realmente salão de beleza é um "porre", não dá prá aguentar dia de casamento e afins.
    abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…