Pular para o conteúdo principal

MUNDO CÃO


I
Foi uma alegria quando o Seu Totó apareceu com o humaninho em casa. Uma graça - de terninho, gravata e sapato preto de bico fino.
- Qual a raça dele, pai?
- Não sei direito, Lassie, mas parece que é lavrador. Estava abandonado num caminhão de boia-fria. Que judiação, deu uma pena. Não resisti e resolvi adotar. Não era você que ficava me infernizando, pedindo uma humaninho? Pois então.


II

- Vamos ter que passar no human-shop pra comprar arroz e feijão pra ele, disse Dona Lulu.
- Não precisa ser no human-shop, querida. Hoje em dia tem seção de produtos pra ser humano em tudo que é supermercado. Podemos dar uma olhada no Cãorrefour, no Rextra ou no Cão de Açúcar.
- Nada disso, papito, melhor uma loja especializada. Aí a gente já aproveita e compra escova de dente, desodorante, talco de chulé, uns maços de cigarro e uma garrafa de pinga.
- É, e também não pode demorar muito pra vacinar, disse o Tobi. Paralisia infantil, sarampo, catapora, tétano...
- Pera aí, cachorrada, assim não é possível. Se for comprar tudo o que inventam pra criação de gente o meu salário na Purina não vai dar. Tem até psicólogo e academia de ginástica pra esses bípedes sem rabo. Não há dinheiro que chegue.


III

- Mami, olha só, o humaninho não para de falar. O que será que ele quer latir com isso?
- Eu sei lá, o que eu sei mesmo é que não quero saber de bagunça aqui dentro de casa.
- E alguém pode me dizer se os humaninhos mordem?
- Ouvi falar que não, mas ficam mordidos quando estão sem dinheiro. Grana pra eles é a mesma coisa que osso pra nós, Lassie.
- Ah, isso é verdade, ô se é. Outro dia lá na escola o Pedro Pintcher apareceu com um saquinho de dinheiro. Aí a gente ficava jogando notas e moedas pro humano de estimação do Diretor. Ele saía correndo que nem louco atrás, precisava ver! E nem era adestrado, o danadinho.


IV

- Humanos também adoram televisão.
- Igual a que a gente tem aqui, com os franguinhos girando?
- Claro que não, eles não raciocinam. Gostam de novela, grupos de pagode, programas idiotas de auditório e outras atrações onde as fêmeas humanas abanam os rabos e os machos ficam arfando, com as línguas de fora. Isso é o máximo que o QI deles alcança.
- Tobi, meu filhote, já colocou o jornal lá fora pra ele fazer xixi?
- Já coloquei agorinha, mas ele pegou o jornal e começou a ler. Vê se pode.
- Ué, tá negando a raça? Menos mal, enfim um humano se instruindo. Só espero que a leitura não se reduza ao horóscopo.
- E que nome vamos dar pra ele, heim? João, José, Antonio, Daniel, Orozimbo...
- Que tal Praxedes?
- Lindo.
- É, Praxedes tá legal.


V

Exausto com o alvoroço do primeiro dia, Praxedes se espreguiçou na casinha e tentou dormir, mas o sono não vinha. Ligou a TV que instalaram pra ele, no cercadinho. Como sempre, só havia pastor em todos os canais. Pastor alemão, pastor belga, pastor capa preta, pastor com pedigree, sem pedigree, filhotes, adultos. Zapeando pela programação, pôs-se a imaginar um mundo menos cão e mais humano, onde os animais domésticos fossem os cães e não as pessoas. E viu-se dono de uma próspera rede de pet-shops, morando numa casa de três andares e cheia de cachorros no quintal.


© Direitos Reservados





Comentários

  1. Giuliano1:14 AM

    Muito bom essa do mundo cão ! Humano dá a "pata"; humano finja de morto, role, agora vá buscar a bolinha......hahaha abração e eliz dias dos pais !

    ResponderExcluir
  2. Ana Elisa7:52 AM

    Marcelo!!

    Adorei o texto!

    Você sempre com essas "sacadas" genias.

    Estou meio sumida, não estou mais no orkut e desativei o blog. Precisava dar um tempo...

    No entanto não parei de escrever... Depois mando por e-mail alguns poemas... Caso queira...

    Saudades!

    Beijo,

    Ana

    ResponderExcluir
  3. Sandra7:54 AM

    Adorei o MUNDO CÃO, achei engraçado, inteligente e super criativo !

    ResponderExcluir
  4. Marcelo, o que eu posso dizer?! Eu simplesmente adorei. Sátira e reflexão em um texto delicioso.
    Beijão para você!
    Evelyne

    ResponderExcluir
  5. Maria Amélia11:25 AM

    Muito bommm!!

    Adorei os supermercados....


    bjão marcelo

    ResponderExcluir
  6. Milena5:15 AM

    hahahahahahahahah muito cão!

    ResponderExcluir
  7. Ana Maria5:16 AM

    muito bom, Marcelo!

    ResponderExcluir
  8. Paulo Braga5:18 AM

    Espirituoso como sempre... rsrsrsrs
    Ficou ótimo, Marcelo!!! E confesso que estou procurando um destes que me adote!! he he...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Noraci5:21 AM

    Olá Marcelo tem sido um prazer ler seus escritos...

    ResponderExcluir
  10. Patrícia8:06 AM

    adorei, Marcelo!!! Como fã de cachorros que sou (e trato a minha assim, meio como a criança da casa...), vesti a carapuça!!! bjs, Paty

    ResponderExcluir
  11. Sandra Nogueira8:07 AM

    adorei, uma crítica tão recheada de humor alegra bem o dia. Ótima!!!! E os olhos humanos no cachorro foram a maior sacada. Você acredita que uma amiga minha tem uma poodle chamada Chanel que tem um vasto guarda-roupa? Tem uma arara no quarto dela, fica boba com os ítens que têm lá: sandálias, botinhas, chinelo de praia, biquine, maiô, touca, sapida de banho, saia, bustiê, vestido, camisetas, etc.... Não é uma loucura?????
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  12. Anônimo8:10 AM

    Marcelão, tudo bem?

    Adorei essa...muito boa.

    Mande notícias.

    Abração

    Wagner

    ResponderExcluir
  13. Clauduarte Sá8:12 AM

    Parabens marcelo! Excelente cronica.Um grande abraco, saude, felicidade, sucessoClauduArte Sa

    ResponderExcluir
  14. Marcelo, cara, de onde vc tira tanta sacada? um dos mais engraçados da sua pena, uma cachorrada de risos. abç

    ResponderExcluir
  15. Regina8:19 AM

    Ahhh, Marcelo "Mundo Cão" é excelente! Fico sempre, antes de ler, tentando adivinhar pelo título a surpresa que vc nos dará com o texto. Nunca consigo! Mas adorei, muito bom!
    Abração e boa semana.

    ResponderExcluir
  16. Belvedere Bruno4:19 PM

    Sua imaginação é imbatível!
    Abs

    ResponderExcluir
  17. Elizete Lee2:02 PM

    Au..Au..Auuuuu!

    Adorei, não AMEI!!!

    Ainda bem que foi proibido recentemente cortar o rabinho dos filhotes ao nascerem, já pensou se o humaninho ficasse "cotozinho".

    Beijo

    ResponderExcluir
  18. Problema mesmo é quando vira-latas entra para a política. Não acreditam? "Vocês não sabem do que somos capazes para reeleger a Lulilma".

    ResponderExcluir
  19. hahahahah essa ainda não tinha lido, apesar de ser de agosto.
    Maravilha! Adorei tudo, mas me deliciei com o "cãorrefour", o "cão de açúcar" e os pastores da tv.
    Muito bom mesmo, dei muita risada imaginando as cenas... Abraços Marcelo e bom domingo.☼

    ResponderExcluir
  20. Mundo cão nada a ver com mundo de cão. O que será que eles latem quando querem falas...sabendo, me avise

    ResponderExcluir
  21. Claudete Amaral Bueno5:41 AM

    Bem original, como sempre!
    ADOREI a cara do humaninho!
    Estamos....quase chegando lá!
    Uma boa semana!
    Claudete

    ResponderExcluir
  22. Marco Antonio Rossi10:45 AM

    boa tarde.
    para quem tem cachorro em casa, é uma crônica fantástica. Parabéns por refletir em palavras o que na grande maioria das vezes, os olhos deles refletem.
    Grande abraço
    Rossi

    ResponderExcluir
  23. KKK- lendo e relendo a gente vai vendo que pioramos enquanto humanos.
    Chega a ser maldade comparar o animal a um homem. Nada fizeram de mal...mas, enfim, precisamos rir um pouco. Quero aprender a fazer essas montagens com a imagem. Ficou ótima!

    ResponderExcluir
  24. Duas visőes distintas do mesmo mundo; uma tirando sarro e outra visando lucro. Kkkkki Adorei!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…