Pular para o conteúdo principal

VOU-ME EMBORA PRA MIM MESMO


Ou é agora ou nunca mais, pensei.
Rumei decidido à cata das tardes de esteio firme, aquelas que eram substancialmente tardes de rachar o liso das calçadas, em horas e horas de ócio pra muito além do boulevard. Fui chegando e pus-me à vista das cercas mesmas das casas todas. Cercas feitas de igualdade, talhadas no esquadro do artesão, cercando as sinas semelhantes de homens parecidos no vagar e na fisionomia, no jeito de olhar a serra e de ir tocando a vida em meio a assovios e nomes-do-pai.

Eu voltando, voltava no ventre do retorno eterno, o volver infante, espesso de leite e cheiroso de talco. Entrei de fininho naqueles dias findos, sabendo do risco do reboco desprendendo, das heras há muito não aparadas e das calhas entupidas. O uísque com gelo era um guizo nas mãos trêmulas com as dez vistas que assomaram com cantoneiras nas bordas. Via em cores e confrontava ao branco e preto que ficou e que me impulsionava a cavar naqueles sítios a parte faltante de mim. E dizia, pra encorajar-me, que vinha pra cumprir o que tinha de ser e ficou no intento, por teimosia de seguir caminho outro e não o adjacente, o já disposto em espólio antepassado, o que era a fortuna ou o infortúnio de todos os outros filhos das casas de cercas baixas. Quis-me assim, fora dos médios.

A porta da frente rangeu alto quando ela entrou. Tão pouco mudada, tão secularmente ela, musa do feudo revisitado.

- Eu te disse que ninguém sai impune daqui.
- Isso eu sabia e paguei o preço, essa certeza era o peso que vergava a mala na estação, o andar indeciso renegando a ida, a vontade um milhão de vezes frouxa. Por que veio até aqui, me diga? Mórbida. Parece nome de gente, Mórbida lhe cai tão bem. Trago nas solas o barro do mundo, caríssima, de terra estranha que teimei pisar e amaldiçoei chorando muito, fique ciente.
- Por aqui ficou o que sempre esteve, mais ou menos do jeito que Deus dispôs nos seis dias de trabalho. Não te digo que seja o mesmo o sineiro na matriz, nem o bedel, muito menos as meninas que a medo te ofereceram a carne antes de mim. Mas você também não é o você que esse lugar pariu.
- Hoje sei. Mas eu nunca saberia, se ficasse.
- Ali estão as ferramentas descansadas na bancada do seu velho. Com o olhar de agora talvez veja serventia nelas. Não há mais tua mãe varrendo, nem quem quer que seja cuidando do que foi. Tudo meio triste, aquarela muito aguada. Sabe que não imaginei revê-lo assim, com esse copo na mão, cedendo como as vigas do terraço?
- Desaponta ver essas paredes pelo meio, eu que vi cada fiada de tijolo se erguendo, os beirais se levantando... devia era não voltar e não ter que ver essa escada, que já não leva a parte alguma.
- Me lembro dela com corrimão de bronze e feltro vermelho nos degraus largos. Lá em cima, o tempo bom da gente olhando da janela do seu quarto.
- A gente só não podia com o vento batendo forte.
- O vento leva e traz as coisas. O vento ensina.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo,
    o vento também trouxe toda poesia de suas palavras.
    Belo texto!
    A coincidência é ter acabado de ler um livro que se encerra quase como o seu texto. O livro é "Até o fim do dia" de Thomé de Oliveira. Não conheço o escritor, mas li o livro por indicação de um amigo e gostei bastante.
    Bom final de semana!
    Beijo!
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Tadeu9:47 AM

    Marcelo, como sempre um show, adorei o título. abraço

    ResponderExcluir
  3. Rosa Pena11:22 AM

    Amigo ... Tenho estado sem ler por estar num curso. Espetacular e tenho uma bem similar onde recomeço tudo, mas com diferenças. Recomeço a viver, vontade de todos nós de termos uma segunda chance, né? Somos muito parecidos.Estou colocando a leitura em dia.Um beijo carinhosorosa

    ResponderExcluir
  4. Clineida11:24 AM

    mas faz um tempao q eu quero ir-me embora!!!enfins...como dizia o bi vou ficando, ficando e ca--tou eu! mas vc esta realmente famoso, heim? so pl rol de endereços p o qs acho q vc manda suas cronicas vi q vc ta q ta! ate p a internacional vinhedo vc manda!!! abracos saudosos. ate por... ca.

    ResponderExcluir
  5. Marcelão, há trechos nas suas lavras que tocam mais fundo, extrapolam!!!! Exemplo?
    "Eu voltando, voltava no ventre do retorno eterno, o volver infante, espesso de leite e cheiroso de talco. Entrei de fininho naqueles dias findos, sabendo do risco do reboco desprendendo, das heras há muito não aparadas..."
    Rapá!!!! Show!!!

    ResponderExcluir
  6. Regina6:02 AM

    Olá Marcelo
    Ir embora prá si mesmo. Pausa tão necessária na vida de todos nós. Obrigado por me dar a dica tão importante.
    Bom domingo e boa semana.
    Abração

    ResponderExcluir
  7. Evelyne10:31 AM

    Oi, Marcelo! "Hoje sei. Mas eu nunca saberia, se ficasse."Simplesmente adorei essa frase e a viagem toda me fez refletir. São lindas as suas palavras reunidas. Que o vento traga muito mais.Beijos e boa tarde de domingo!Evelyne

    ResponderExcluir
  8. Clauduarte Sá12:11 PM

    PARABENS! PARABENS! PARABENS MARCELO!Que bela cronica!

    ResponderExcluir
  9. Ana Maria5:28 AM

    muito saudoso, Marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Willian - RAC5:29 AM

    Magnifico, Srº Sguassabia.Bela semana

    ResponderExcluir
  11. Leo Gonzaga6:17 AM

    VOU-ME EMBORA PRA CASA DO IRMÃO!

    LÁ ELE É AMIGO DO PIZZAIOLO!



    Abç!



    léo

    ResponderExcluir
  12. Sandra2:07 PM

    Marcelo, que beleza!!!! Talhado no esquadro do artesão divino é você, um sábio das palavras.
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  13. pô, bixo! preciosidade!

    ResponderExcluir
  14. Legal Pirajá!!É tocante seu texto embora pra mim acho de melhor reflexão,voltando para o ventre espesso de leite revelando-se á verdade de nós próprios no geito de olhar e de ir tocando a vida.
    Godoy

    ResponderExcluir
  15. Valéria9:34 AM

    Oi Marcelo, O texto é bárbaro...adorei! Obrigada.Beijos,

    ResponderExcluir
  16. Elizete Lee3:34 PM

    Prezado Marcelo, como sempre a sua sensibilidade me fascina.

    Você diz o vento ensina, e eu concordo e afirmo: que ele também é um elemento de magia, onde pode ser evocado uma suave brisa como pode ser desconjurado uma tormenta da alma.

    Abraços sinceros

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…