Pular para o conteúdo principal

DA SÉRIE "REENCONTROS"


Adolescente come tudo o que vê pela frente. E entenda-se no caso o verbo “comer” em acepções variadas, como se pode supor em sendo o adolescente macho e naquele cafundó onde nada faltava, menos o que fazer. Não tendo o que degustar em carne e osso de imediato, ele ligou o aparelho com o bico do bamba branco. Aliás, bamba só tinha branco, pelo menos nas melhores casas do ramo por ali, num ano perdido que é preferível nem mencionar por estar perdido mesmo.

“Vamos passar a noite juntos”, convida Mr. Michael Philip Jagger a quem interessar possa na fita cassete Basf 60 minutos. Aquilo era o rock no cio. Entre uma faixa e outra, o ruído gravado da agulha sulcando o long-play high fidelity parecia um campo de batalha, Vietnam fonográfico a detonar a paz doméstica que ainda restasse. Pra contrabalançar o ”Let’s spend the night together” ia muitíssimo bem o “As tears go by” que vinha na seqüência - presença obrigatória nos bate-coxas à média luz, que os cinco rebeldes gravaram em resposta a “Yesterday” no interminável toma-lá-dá-cá Beatles/Stones. Havia ali um quê angelical que traía a simpatia pelo demônio, coisa que os autores não faziam questão nenhuma de esconder. O arranjo de cordas era quase um anti-Stones, a negação da língua de fora, a versão “música de casamento” dos ícones da irreverência mais contraventora que o mundo já conheceu.

Numa pilha de discos ao lado do Sharp com sistema belt-drive, o “Cores, Nomes” do Caetano fala da franja da encosta cor de laranja, do capim rosa-chá, do mel de olhos luz e de átomos que dançam. Linda, mais que demais, porém a taxa hormonal no pico pedia pedras rolando, de preferência com a presa da vez na cama de solteiro e já nuinha pra não se perder tempo desembrulhando. Ela diz que ouviu falar que cinza de cigarro na cerveja dá barato. Fiapo de casca de banana torrado no forno também. O melhor pra se fazer na vida acontecia no quarto quando não havia ninguém em casa, com incenso aceso pra disfarçar outros cheiros, ou no maverick emprestado, sempre com gasolina na reserva e o tape com o ajuste de graves defeituoso. Não se cogitava o boato de que o Keith havia trocado todo o sangue do corpo, na tentativa de se purificar das drogas. Charlie Watts, o mais velho, devia andar por volta dos quarenta, se tanto, e sem sinal de câncer na garganta. As aulas eram matadas impiedosamente porque não havia mesmo recuperação que evitasse a repetência, nem nada que fizesse o Zé Vicente tomar jeito.

Na sala ampla de pé direito alto, José Vicente Lagoa Altenfelder, CEO de poderosa multinacional coreana do ramo químico, lê que o desenho original da lendária língua vermelha e branca foi vendido por 51 mil libras para o Victoria and Albert Museum, de Londres. Dobra o jornal, se espreguiça na long chaise e aciona o home theater para o “Shine a light”, do Scorsese. Aqueles senhores sexagenários mandando ver “As tears go by”, mais de 40 anos depois do raro surto de inspiração, canalizaram nele as lágrimas do título. Talvez mais que todas as vertidas desde os tempos da rainha Lady Jane.


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Meu caro quase veggie, Marcelo, o seu caldo britânico-roqueiro-cultural mixado com a sua pena inconfundível vai obrigar que Bethinha Segunda lhe outorgue o título de Sir. A BASF 60 foi um grande reencontro. Caramba!!! tamo velho, véio!!!!

    ResponderExcluir
  2. Nelson7:24 AM

    Bom demais Marcelo!!!! Mandou muito bem!!!


    Abração



    Nelson

    ResponderExcluir
  3. Uma viagem e tanto. Com todas as sensações do passado no presente. Adoro ler você, Marcelo! Bjs e ótima semana.Evelyne

    ResponderExcluir
  4. Paulinho5:25 AM

    Creio que quando se lê algo seu a gente sempre fica a esperar algo diferente e vc mostra algo inovador. Aquela coisa que eu te disse uma vez, do locutor de rádio à moda antiga ( o finado Mário Garófalo em seu "Um piano ao cair da noite" ), do cronista que é um observador de situações ( Pirassununga, 3 horas da tarde de um domingo, êta vidinha... ), e de um poeta talentoso ( como é difícil expressar-se assim ), estão presentes em você e são suas marcas detectáveis. Obras-primas tal como aquele texto baseado em José Saramago e citações de uma Fita K7 Basf anos 60/70 ( com adesivo laranja! ) são um presente impagável

    ResponderExcluir
  5. Sandra Nogueira6:46 AM

    Marcelo, você é o máximo mesmo. Além das suas lembranças e conhecimentos deve assimilar as memórias dos amigos mais velhos rsrsrsrsrs muito bom, divertidissimo!
    abraço
    Sandra

    ResponderExcluir
  6. Filipe Moretzsohn9:41 AM

    Muito bom garoto, parabéns!Sgrilóide

    ResponderExcluir
  7. Regina6:09 PM

    Olá , Marcelo
    Bons tempos aqueles quando a única dúvida era ser Beatles ou Rolling Stones, dar ou não dar, militante ou alienado, Brigitte Bardot ou Sandra Dee. Me fez ficar com saudades!
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. nice job, man! well done! =)

    ResponderExcluir
  9. Willian7:57 AM

    espetacular!!!!!!!! maravilhaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  10. Ricardo Dutra8:00 AM

    Fala escriba, por falar em reencontros como vão as coisas? Me conta tudo.

    ResponderExcluir
  11. Mestre Marcelo... que texto mais trilha sonora! Me deu vontade de aumentar o som... rs

    Mandou muito bem, como sempre.

    beijos mil, da Sil

    ResponderExcluir
  12. Elizete Lee6:18 AM

    Marcelo, você nos faz voltar a todo instante ao passado e revivê-lo com um gostinho de quero mais.

    Sua maneira de escrever é fantástica, você é o "Poeta".
    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Evelyne3:20 PM

    Não pense que me repito só para agradá-lo. Gosto de elogiar com sinceridade. Taí uma coisa que me faz bem... Amei seu carnaval de suor, cerveja e sonhos, Marcelo! Todos passamos por isso, mas poucos escrevem tão bem assim.Beijos e ótima semana.Evelyne

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…