Pular para o conteúdo principal

LA GRAN MANSIÓN DE LOS ASOMBROS


- Baita sustos, brasileños, entrem cá. Garantizo baita sustos e también leio sus manos... dos servicios en una sola casa... la gran mansión de los asombros, entrem cá! Grupos ganham empanadas al final de la sesión, aproveitem.

Valha-me Dios, como está fraco o movimiento hoy.
Es triste ninguém querer ser assustado ou tener las manos lidas, antes las personas deixavam-se seducir fácil por atraciones así. E mira que cobro um pesito de nada, valha-me Dios. Mas pensando bien, Gersina, se estivesse aqui a passeo ia gastar su plata nesse programa estúpido? Dicem que en Brasil são más comuns os trens fantasmas e La Monga, um juego de espelhos que cambia mulher em gorila. Se um desses brasileños me levasse embora, ia vivir virando Monga de quermesse em quermesse, en la provincia de San Pablo, Minas Generales, quien sabe Marañon. Dá para entrar trinta de una vez para testemunhar la espectacular transformación. A cinqüenta centavos por persona, quanto dinero iria juntar no fim do mês?

Ih, lá vem a vagabunda dançarina del tango a encojar otro hombre acompanhado e tirar foto de recuerdo de Caminito. Está é deseosa de levar unos tabefes da esposa del bofe, com essas piernas e más alguna cosa de fora. A encoxada é certa, incerto es la plata pela dançadinha con el turista e pelo retrato. Entre não ganar nada lá e aqui, prefiro ficar aqui mismo. Mira, que tonto esse hombre agora. Parece borracho. Dejó cair metade do alfajor com o encontrón que o Rey de los Cueros deu nele, já empurrando o coitadito adentro da loja. Cuero, ainda vá lá. Mas salir carregado de traquitanas de Gardel y postales del Obelisco, ora por favor. Tonterias...

Que venga um hombre rico, em terno verde de dólares, querer um susto caprichado o um destino encantado en las cartas dessa vieja decadente. Venga, brasileño abonado, com sus niños, sentir o frio en la espinha com los objetos que se movem misteriosamente, os ojos de los retratos que acompanham los visitantes. Es la última mansión de los asombros que se preza, em toda a Capital Federal. Temos aqui la exclusiva Evita que se levanta del ataúd e faz um playback bonito de “Don’t cry for me, Argentina”. Está frío e o aluguel es caro, el gobierno manipula a inflación, há desvalidos de Mendoza dormindo debajo das colunas do Banco de la Nación, vivendo de vino barato e pão amanhecido. Donde está la gloriosa Argentina? Solamente en los antiquários de Santelmo? No, no, soy contra esse estado de cosas.

Precisam de balconista em una libreria na Corrientes, vi num clasificado del Clarin de ontem. Em meio a libros, mejor que manos lidas e sustos que no atemorizam nem perros desmamados. Bastam los sustos reales de la vida, quem há de querer más, sustos forjados no tienen efecto.

Si, puedo vê-la agora, Evita, não chorando por la pátria, mas por mi miséria, compadecida. Evita de verdad, musa del pueblo. No la falsa Evita, essa do ataúd de la mansión de los asombros, pero la redentora, la verdadera. E te levaria à Recoleta de hoy, donde dormes há décadas. E después te entregaria a Perón, defunto ressurgido, en la catedral metropolitana, para nuevas e eternas núpcias. Perdona mi portuñol casi incompreensível, é de tanto hablar con brasileños, são casi tantos quantos los argentinos por Montserrat y Palermo, batendo piernas por Cale Florida, os más espertos e os que são ludibriados, comprando casacos y carnes do Rio Grande del Sur pensando serem de cá. Valha-me Dios! Entonces la gran mansión de los asombros resistirá, como resistem las madres de mayo. Como resiste tu e tus encantos, na gloriosa Argentina, que chora até hoy por ti.

© Direitos Reservados


Comentários

  1. Gostei

    muito de “La gran mansiône de los

    asombros”. Feliz fim de semana.

    Beijos de seu pai.

    ResponderExcluir
  2. Evelyne9:15 AM

    Surpreendente! Delicioso retrato de Buenos Aires atual (antes da crise que assombrou nós brasileños) , com a criatividade literária e um portunhol ótimo! ADOREI , amigo Marcelo!
    Beijos
    Veca

    ResponderExcluir
  3. Na Bombonera disseram algo parecido sobre Dieguito Maradona, que eu adapto com justiça para Dom Marcelito de los Crepúsculos:
    “Genio! Genio! Genio! Escritor cósmico, de que planeta viniste? Gracias Dios! ...por la literatura sguassabiana ...por Dom Marcelito de los Crepúsculos ...por estas poesias...!”

    ResponderExcluir
  4. Milena7:04 AM

    Mui bueno!rs

    Como conseguistes recuerdar la "Monga"!?! ahahaha

    ResponderExcluir
  5. Sandra Nogueira7:05 AM

    Marcelo querido, já não posso dizer que é um mestre na língua pátria. Seu talento vai além, muito além. Parabéns pelo ótimo texto.
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  6. E o seu portuñol está muito bom...heheMas que deve ser mesmo um baita de um susto Evita se levantar do ataúde e fazer um playback de “Don’t cry for me, Argentina”, isso deve...rsBeijo grande.Mary

    ResponderExcluir
  7. mui bueno!!!!
    manda pro Juan, acho que le vai gostar.
    um beijo!


    Ana Maria

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…