Pular para o conteúdo principal

A QUEM INTERESSAR POSSA


O plano de saúde Uniduni faz saber a todos os seus associados que suspendeu a cobertura a transtornos digestivos de usuários que praticam regularmente a caça ao pato de pena rajadinha, e que porventura venham a digeri-la como refeição – seja o seu preparo frito, cozido ou assado, ao molho pardo e a passarinho. É por demais sabido que a carne do referido animal, arroxeada e de odor próximo ao da lontra nórdica, costuma atacar enzimas pancreáticas vitais ao processo de síntese proteica, acarretando cólicas incontroláveis. Além disso, a assessoria de imprensa da empresa argumenta que os adeptos dessa prática incorrem em ato ambientalmente condenável, portanto passível de julgamento e punição pelas esferas competentes, salvo nos meses em que a caça ao pato de pena rajadinha é permitida e regulamentada pelas normas dos nossos bosques e parques florestais. Na ocasião, o plano Uniduni comunicou oficialmente o lançamento do produto Salamê Mingüê, modalidade de assistência médica criada especialmente para a faixa etária de 0 a 4,8 anos.

********

A fábrica de encordoamentos de nylon para bandolim “Irmão & Irmão” esclarece que o recall a que procedeu recentemente teve sua validade estendida até junho do próximo ano, devido ao fato de apenas 37,6% dos compradores dos lotes danificados terem procurado o Serviço de Atendimento ao Cliente para efetuar a troca do produto. O recall se deu após os laboratórios da empresa detectarem, em testes de resistência e fadiga de matéria-prima, um defeito de fabricação na corda Mi, que poderia provocar calejamento precoce nos dedos indicadores esquerdos dos bandolinistas. Em sendo o bandolinista também médico urologista, o defeito apontado causaria ainda perda de sensibilidade do dedo na execução de exames de toque, gerando falsos resultados positivos e negativos nas investigações de anomalias malignas na próstata de seus respectivos pacientes.

********

“Não há motivo para pânico”. Assim reagiu o diretor para assuntos comunitários da Prefeitura ao ser indagado sobre as manifestações populares decorrentes da súbita mudança do fornecedor de saquinhos de balas da bombonière do nosso glorioso Teatro Municipal. O alvoroço se deu após um grupo de freqüentadores daquela casa de cultura se dirigir até a redação do nosso jornal para um protesto, onde em uníssono alegavam que a troca de fornecedor – ocorrida sem concorrência pública – ocasionou um nível de decibéis acima do costumeiro, quando da manipulação dos saquinhos de guloseimas pelos espectadores, o que prejudicaria seriamente o entendimento dos diálogos travados pelos atores no palco. Um dos cidadãos presentes acrescentou que o problema não se restringia aos diálogos, mas também – e sobretudo – aos monólogos. Após a denúncia à imprensa, o grupo, munido de faixas, partiu para um amassamento coletivo de saquinhos à frente da residência do secretário municipal de cultura, que com o barulho ensurdecedor não conseguiu mais conciliar sono. “A um bom administrador não pode faltar a coragem de admitir o erro e voltar atrás”, concluiu a insone autoridade, prometendo à reportagem d’A Notícia firmar novo contrato de fornecimento com o antigo fornecedor, denominado Papelucho Artigos de Papel e Papelão ME.

© Direitos Reservados



Comentários

  1. Shirlei Rocha4:14 PM

    Adorei,
    Obrigada pelos momentos de descontração.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. João Proteti4:47 PM

    Marcelo, vai bem? Eu sou amigo da Marília Cotomacci e foi ela que me indicou para tua lista de privilegiados que te leêm antes de sair no jornal.Que bom! Baita alegria receber teus textos!E esses de hoje... Obrigado, Abraço do João Proteti

    ResponderExcluir
  3. Marcelo, eu dei a gargalhada do dia com seu texto. Eu aqui refletindo em quem votar amanhã e já preocupada por não ter me decidido entre candidatos em quem não confio, descontrai com sua genial criatividade. Será que vai haver racall se a candidata eleita (aqui duas mulheres concorrem e não gosto de nenhuma, que pena!) não cumprir ou não funcionar na prefeitura? Não como pato de asa rajadinhas, não toco bandolim e hoje não vou ao teatro, mas ri demais, amigo.

    Bjs e bom domingo.

    Veca

    ResponderExcluir
  4. Willian - RAC10:46 AM

    Maravilha, este assunto sobre o pato alimentação é verdade mesmo?Belo texto

    ResponderExcluir
  5. Anônimo1:42 PM

    Muito muito bom Marcelo!!!! risos.....

    abraçooooo!!!

    Nelson

    ResponderExcluir
  6. Caio Rothje3:59 PM

    rararara !!! boas risadas aqui meu!

    Sugestao: Woody Allen, "Fora de Órbita", acho q vai curtir se ja nao leu!! é mto bom! abraço e boa semana!

    ResponderExcluir
  7. Ana Maria5:17 AM

    muito bom, Marcelo! da bala, do médico e do saquinho de papel, um show de inteligência

    ResponderExcluir
  8. ahahahah! versatilidade! mesmo quando nos textos não há verso algum! show de bola!

    ResponderExcluir
  9. Hilário, muito humor... o amassamento coletivo de saquinhos é forma de protesto que vai pegar... mas deixa eu te contar uma aqui mesmo: eleições 2008 na província macaúbica e um escriba em recesso preside a 107a. seção. faltando poucos minutos para o encerramento da votação, um sujeito calmo pergunta se a seção em que ele vota é ali pq ele estava sem o título. olhamos na listagem e era ali. o relógio correndo e ele pede pra ver a lista de candidatos para confirmar o nro. do seu candidato. sai da sala, olha a lista e entra calmíssimo de novo agora pra votar. conclui o voto 16:58:50 pelo relógio da urna. Marcelo, quem é o cara?????

    ResponderExcluir
  10. Marcelo9:31 AM

    Meu estimado e conterrâneo escriba, tenho sentido a falta dos seus textos - no jornal, evidentemente, mas também no blog. Você não pode parar. Nós, fãs da sua veia ácida, irônica e prenhe de humor, não lhe daremos esse direito.
    Quanto ao moroso doidivanas, não adivinho quem seja. Preciso de mais pistas do insigne mesário.
    Abraços macaúbicos

    ResponderExcluir
  11. Aqui, o melhor do bom humor, irônico e requintado!!
    Muito bom, amigo!
    Beijo,
    Ana

    ResponderExcluir
  12. Sandra Nogueira5:18 AM

    ora, amigo Marcelo, quem não irá se interessar por tais assuntos? Ou é gente ruim da cabeça ou doente do pé, ou não teve infância ou não tem humor rsrsrsrs
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…