Pular para o conteúdo principal

ENQUANTO ISSO


Secos & Molhados, utensílios domésticos, gêneros de primeira necessidade: bacalhau salgado com alhos em réstia, cereja ao licor na tina a granel, queijo curado de casca suja e muito grossa, fumo de corda e querosene. George Bush, no fim do mandato e há 3 dias sem dormir, quer reunir os líderes mundiais para criar nova ordem econômica. As dezoito luas de Saturno seguem em silente e imperturbável órbita, nem aí para a irmã menorzinha do sistema solar. O dono da venda faz com o dedo garranchos no nada, farto da lida, da vida e da Cida, a patroa. O cão malhado e sem raça, na porta do armazém, gira em círculos tentando pegar o rabo. No autódromo, o escudo da Ferrari está pelando ao sol do meio dia e meia. Na mansão da Galícia o casal fogoso parte para a segunda, após vinte e cinco minutos de descanso do embate inicial. Nada azucrina a paz do pombal na Quinta das Sequóias, em Sintra. O cão dá trégua ao próprio rabo com o ploft da viúva Ângela ao pisar na poça. O relógio de Bush pára, ser insone no salão oval. Pensa que o antecessor, ali, se divertia muito mais. Sem atentados, sem Osama e sem Obama. “Vende-se esta venda”, vou pregar cartaz na porta, não há viva alma a precisar de nada. Saturno e suas luas prosseguem, sem noção da sua parte no equilíbrio do universo. Alguém da criadagem abre o trinco do pombal. Alguém da escuderia dá partida ao F1 para a volta de qualificação. Alguém será gestado na cópula da Galícia. Alguém alisará o pêlo castigado do cãozinho. Alguém tirará Bush de seu sinistro devaneio, com más novas. Alguém pedirá uma pinga no balcão, fiando como de hábito. Ninguém poderá fazer nada para que as luas de Saturno ensaiem um bailado novo.


© Direitos Reservados

Foto: Nasa


Comentários

  1. Willian - RAC1:41 PM

    Maravilha Sguassabia.

    ResponderExcluir
  2. João1:43 PM

    Filho, gostei de “Enquanto Isso”. Divertida.

    Feliz fim de semana. Fiquem com Deus.

    Seu pai.

    ResponderExcluir
  3. Fabio Biagini4:11 AM

    Caro Sguassabia


    voce é muito televisivo , escreve com inspiração nos programas do dia anterior ,

    gostei muito também do, Ó pai ó, aquilo é a cara do brasil e apesar de nunca ter ido a Salvador me senti lá

    essa mistura de informações e acontecimentos constroem a gente

    as coisas do programa global são muito abrangentes e profundas , fazemos nossas traduções automáticamente e
    subconcientemente, é impossivel não faze-las e com seus textos isto também ocorre

    quando penso no sistema solar e no tamanho do nosso planeta , tento me sentir como uma lua de saturno pro
    exemplo , vendo como é insignificante aquele planetinha azul ,logo volto para meu envólucro e nesta referencia
    vejo todo o universo rodando a minha volta e quanto ele é importante para mim


    um tempo atráz , não gostava de fiado , discutia , mandava cobrar quando não compareciam na data combinada e
    era muito estridente
    hoje , acho que assistiria a garrafa inteira se esvaziar curtindo as palavras enrroladas que o bom cliente
    pronunciaría

    a eleição aqui foi um desastre

    de tudo que voce escreveu , fico com a bacalhoada , estou muito afim de saborear uma, mas ten de ser igual
    aquela que comi com meu tio Pippo lá no sítio em São Roque, ele não está por aqui , mas quem a fez está.

    enquanto isso
    um grande abraço
    Fabio Biagini

    ResponderExcluir
  4. Claudinho4:13 AM

    muito bom! parabéns! tenho lido todos e-mails, os textos são excelentes. grande abraço Claudio Melo

    ResponderExcluir
  5. Evelyne6:33 AM

    ... estou aqui dançando (apesar do pé quebrado) ao rítmo de suas palavras que me deixam sempre encantada. Hoje elas trazem melodia além de reflexão. É o universo em "harmonia" em seu texto no breve período histórico que vivemos. Que Obama (será ele, o vencedor?) seja mais flexível e menos belicoso que o tonto do Bush. Já é um avanço não ser ele um wasp.Bravo!Beijos e boa semana, Marcelo!
    Evelyne.

    ResponderExcluir
  6. amigo, cá estou novamente no nosso delicioso ping-pong de reverências! tem tempo: mais uma hábil e imaginativa construção de tempo em texto! bravo!

    ResponderExcluir
  7. Ana Maria3:16 AM

    é isso, a vida continua! super beijo!

    ResponderExcluir
  8. Sandra Nogueira6:22 AM

    Marcelo, querido quântico, posso abrir um fã clube para você, começando com os que fazem comentários no blog? O mínimo é que posso é aplaudir tanta competência.... e penso: já que não pretende escrever livros por que não se aventurar numa comédia de costumes? Seria um sucesso, tenho certeza!!!!!
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  9. E no fundo do quintal da Rua Profa. Alcides Martins, estava Elizete a cuidar de seu manjericão, em plena onze horas, sem protetor solar...

    Abraços da amiga de sempre!

    ResponderExcluir
  10. Valéria2:34 PM

    poxa muito bacana os seustextos!!!

    ResponderExcluir
  11. A fã Sandra propõe uma confraria dos admiradores da tua pena. Quero dizer que a sucursal macaúbica dos teus devotos já tem presidente e será instalada na Tereziano Sânjica dos Crepúsculos.
    Fantástico o texto!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…