Pular para o conteúdo principal

RECANTO DA PAZ


Antes de mais nada, é nosso dever informar que vocês não estão num Hotel Fazenda, como o nome pode supor aos distraídos ou àqueles mais apegados às fraquezas da carne. Apurem os sentidos e perceberão que não há boi algum mugindo, nem sabiá cantando, nem cheiro de torresmo pururuca frito no fogão de lenha. Saibam os senhores e senhoras que se encontram no paraíso, passaram de onde estavam para melhor e é bom que aceitem logo isso para que seu processo de adaptação seja menos traumático. Nossos enfermeiros e assistentes sociais não agüentam mais repetir a mesma história para cada um que chega aqui. Portanto, queimemos etapas: vocês bateram as botas, isso é um fato.


Embora a população na crosta terrestre cresça exponencialmente e já esteja na casa dos 6 bilhões, no cômputo geral há muito mais mortos que vivos. E é um reconfortante consolo lembrar que os seres humanos mais interessantes são aqueles que já estão por estas bandas – os grandes gênios, os maiores heróis nacionais, ídolos de bandeiras ideológicas variadas, entes queridos, amigos e colegas que deixaram saudades. E quem ficou lá embaixo, não demora muito e vem para cá também. É só uma questão de tempo. Eternamente falando, de pouquíssimo tempo.


Aos suicidas, lamentamos o inconveniente de decepcioná-los. Existe vida após seu ato extremo, e não há nada que vocês possam fazer para reverter essa situação. O inconformismo diante de sua nova realidade não levará a nada, não adianta se jogar pela janela de seus aposentos celestiais. O máximo que pode acontecer é vocês voltarem para cá e recomeçarem a leitura deste quadro de avisos.


Tentativas de amotinamento e de retorno ao vale de lágrimas de onde vieram serão imediatamente sufocadas pelos superiores de sua ala. Amantes de sexo, drogas e rock and roll serão gentilmente forçados a se adaptarem à castidade, à abstinência e às harpas e corais de querubins, que só lhes farão bem ao espírito – lembrando que o espírito é a única coisa que lhes resta.


A enorme legião de beatlemaníacos poderá deliciar-se com shows diários de George Harrison e John Lennon em nossa praça principal. Solicitamos aos mesmos um pouquinho de paciência até que a banda se complete. O que ocorrerá em breve, pois Paul Mc Cartney está com 66 e Ringo Starr fez 68. Considerando que os dois vivam até os 100, dentro de pouco mais de 30 anos o slogan “Beatles Forever” deixará de ser uma utopia. O mesmo se aplica aos fanáticos pelos Rolling Stones, que a despeito de sua língua de fora e sua simpatia pelo coisa-ruim, farão turnê por aqui logo logo, reintegrando finalmente o Brian Jones ao conjunto – nosso hóspede desde 1969.


Orações por intenção de suas respectivas almas serão detectadas por nossas estações de captação vibratória e enviadas em tempo real para seus fones de ouvido, cujo controle de volume, graves e agudos encontra-se na parte interna da asa esquerda dos senhores. Já as orações-spam (aquelas genéricas, formuladas indistintamente para o bem de todas as almas) não serão enviadas, por serem muitas e perturbarem o descanso eterno de que são merecedores.


© Direitos Reservados



Comentários

  1. Rosa Pena2:03 PM

    Help! você é genial.Pronto estou rindo muito de novo..

    ResponderExcluir
  2. Marieta2:04 PM

    MUITO BOM, ADOREI. ÓTIMO FINAL DE SEMANA.
    BEIJOS...


    Marieta

    ResponderExcluir
  3. Nei Duclós2:05 PM

    Matou a pau, de novo. O Paraíso como um spa up-to-date é mais que hilário, é magistral. Engraçado é pouco. É roteiro de filme e dos bons.

    ResponderExcluir
  4. Evelyne2:35 PM

    Maravilha, Marcelo! Saramago com mais humor? Nunca pensei em rir ao ler um quadro de aviso do além. Encontrar o lado engraçado na morte não é apara qualquer um, meu amigo!
    Beijos e ótimo fim de semana!
    Veca

    ResponderExcluir
  5. Nelson Marchetti10:15 PM

    Espero não receber orações-spam quando estiver do lado de lá! hahahah

    muito bom!



    abs



    nelson

    ResponderExcluir
  6. Elizete Lee11:43 AM

    Que bom que não há shows de Pagodeiros, Axes e afins...kkkkkkk
    Será meu descano eterno: Beatles forever!!!!

    Abração

    ResponderExcluir
  7. Giuliano12:24 PM

    Que tal criarmos uma campanha de boas vindas ao "lar celestial" ? material de endomarketing, intranet e meios de comunição interativos ? rs , tenho certeza que os textos e slogans serão aprovados com facilidade e não haverá retrabalho dos jobs..rs, desde que o o cara do atendimento do além cumpra bem sua função e não encha muito o saco..rs

    Assim pouparemos o discursos repetitivo, rs, e os enfermeiros poderão cuidar de algo mais últi aos recém chegamos lá...

    Se cumprirmos esta missão da campanha com exito teremos um "free-pass" vip ou menos burocracia em algum procedimento ? rs

    abs e boa semana !

    ResponderExcluir
  8. Fantástico! Você fez uma verdadeira viagem no tempo e no espaço. Dizem que plasmamos do outro lado o que pensamos aqui. Se o outro lado for como você diz, realmente será muito interessante.

    ResponderExcluir
  9. Ademir (Cabelo)3:12 AM

    Muito bom.

    ResponderExcluir
  10. Valéria3:13 AM

    Meu amigo, sempre desconfiei que o céu era um lugar muito chato...rsMelhor ir ficando por aqui, apesar de toda a loucura, maldade, desonestidade, etc...etc...etc...Ótimo texto, como sempre.Abraço,Valéria

    ResponderExcluir
  11. Claudio Melo4:24 AM

    risos...muito bom!

    parabéns!

    abraços

    ResponderExcluir
  12. Milena6:02 AM

    ahahahahah MUUUUITO BOM!@!! diz uma coisa...vc começou a escrever esse texto com a sacada do "Beatles Forever", confessa!!!! beijos,Mi

    ResponderExcluir
  13. Sandra Nogueira6:03 AM

    Marcelo querido, além de poeta você também é profeta? Este texto inspirado está mais para a verdade que para suposição.
    Prepare-se, pois se acertar o obituário sua casa virará uma romaria.
    beijão
    Sandra

    ResponderExcluir
  14. Belvedere Bruno3:13 PM

    Genial...falou e disse!!!!!!!!!!!!! E o mais interssante é que falou muita coisa certa, sabe disso, né?
    Bjsssssssss

    ResponderExcluir
  15. João Proteti3:14 PM

    Marcelo,
    essa foi de cair o queixo! Ou de cair de costas?
    Que beleza!
    Obrigado,
    João Proteti

    ResponderExcluir
  16. Ana Maria2:52 AM

    Marcelo, que delícia de texto, rí a valer! abração!

    ResponderExcluir
  17. Anônimo3:30 AM

    Olá, Marcelo!
    Amo seus textos. Viajo... e de primeira classe. Sem aquele aperto da classe econômica, barrinha de cereal, criança chorando...rs
    bjs
    aline martins

    ResponderExcluir
  18. Maravilha esse aviso, hein? Podes por fé que desse jeito nem precisa de PS para lembrar aos mais desesperados que farmácias de plantão vendendo kiatrium e semelhantes só do lado de baixo...

    Luciana

    ResponderExcluir
  19. ah sguassa! o senhor...! senhor está no céu que nada, ele tá bem vivo e é meu amigo! =) Divertido! Belíssimo!

    ResponderExcluir
  20. Regina2:34 PM

    Ahhhh, Marcelo, quero um lugarzinho no "Recanto da Paz" e troco minha Susie da infância por uma cadeira cativa na praça principal. Já pensou ficar a eternidade ouvindo Eles?
    Bom demais da conta!

    ResponderExcluir
  21. Ah, você, como sempre, maravilhoso!!

    Saudades!

    Beijo,

    Ana

    ResponderExcluir
  22. Letras celestiais, caro amigo... a prece-spam é de capotar de rir... cada vez você escreve melhor... genial!!!!!!!!! do fã macaúbico.

    ResponderExcluir
  23. Mary Maia7:10 AM

    Muito legal!Adorei a queimada de etapas: "Vocês bateram as botas" rsssO "eternamente falando" também me reconfortou. Ufa!Você! Como sempre digo, Você! Você sempre adorável, com a sua maneira de escrever.As suas palavrinhas deslizam feito bailarinas. É uma delícia ler.Quero "ouvir" que você está bem. Está, né?Beijos carinhosos, bem aqui, ó ...Ihhh, não sei desenhar coração aqui...Mary

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…