Pular para o conteúdo principal

BOM PRINCÍPIO


Sou o seu leiturista de água. Você não me vê nunca eu nem bato na porta nem nada, mas eu leio direitinho o seu relójo uma vez por mês e sou amigão dos cachorro, trato tudo eles que nem gente. A caixinha de natal é o momento cristão e bem-vinda de coração e alem do mais ajuda na leitura certa o resto do ano. Data da próxima leitura e entrega do ano bom: dezessete do corrente, tenho o crachá pessa que eu mostro. Agradecido Zezão em ritimo de gingobel

********

Não se confunda com outros que fazem passar-se por nós, os seus lixeiros de todos os dias inclusive feriado e finado. Por isso pedimos e meressemos o bom princípio. Somos os lejítimos Janelson, Totonho, Rudisson e Rixacleiderman (o popular Rixa). Se outros baterem, faça que não escuta e espere nós passar (lembramos que passaremos dia 23 de manhã como costume).

********

Desejamos um feliz natal
E um ano novo muito agradável
São estes os sinceros votos

dos seus coletores de lixo reciclável


Não se esqueça do nosso bom princípio. Faremos a coleta amanhã.


********

O senhor ja parou pra pensar, bem como sua(s) dignissima(s) família(s), como seria sua vida sem ver as oferta do supermercado e do varejão, pois é muito sem graça que seria sem os folheto que eu deixo na caixa de correspondença. Fico feliz com o presente vosso pode ser moeda.


********

A boa notícia pra mim vai ser receber uma caixinha bem gorda. Conto com você do mesmo jeito que você conta comigo pra receber o seu jornal de todos dia.

Ari, o entregador

********

Fui eu que cubri as féria do Ari, no mês 6 do corrente. Espero ganhar pelo menos o valor de um doze avo do tanto que você vai dar pra ele.
Esse é o desejo do Jonas, o entregador que vem no lugar do Ari nas féria e tamem quando ele bebe muito e não concegue levantar cedo.

********

Sou o dono da gráfica rápida que fez os cartões. Espero que o ano que se inicia comece magnífico e termine espetacular e aproveitamos o ensejo para divulgar que o milheiro de cartão de visita está em promoção especial de 49,90 obrigado.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Só você mesmo, Marcelo!!
    Adorei o texto.
    Ótimo Natal para você e sua família!
    Abração!
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Filipe Moretzsohn10:34 AM

    Este tá bão tambem. Compra pra ajuda! Tem boas festas?...
    Essa época enche o saco demais, né?
    Grande abraço,
    E, boas festas pra você e família.
    Filipe

    ResponderExcluir
  3. Willian - RAC11:39 AM

    Boa tarde.Bacana o bom princípio
    Mrs. Sguassábia.

    Belo final de semana.

    ResponderExcluir
  4. Marieta3:28 AM

    MUITO BOM MESMO.
    NÃO SE ESQUEÇA DO BOM PRINCÍPIO DE SUA MANA QUE Lê SEMPRE AS SUAS CRÔNICAS, E LHE ENCAMINHA CORRENTES DE E-MAILS O ANO TODO.
    PODE SER POR TRANSFERENCIA BANCÁRIA PELO BANKLINE.BEIJOS E ATÉ O PRÓXIMO E-MAIL.


    Marieta

    ResponderExcluir
  5. João3:29 AM

    Muito boa sua crônica “Bom Princípio”. Gostei mesmo. Beijos de seu pai.

    ResponderExcluir
  6. Evelyne2:14 PM

    Bom Príncipio de semana de Natal é ler você e sua vasta criatividade, Marcelo! Adoro seus textos, amigo. Beijos e Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  7. Belvedere Bruno2:15 PM

    Vc alegra meus dias...rsssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  8. Olá!!
    Muito legal o seu blog!!

    ResponderExcluir
  9. Caro amigo, cá na ante-sala da noite natalina, por vezes, bate uma certa melancolia que vem com lembranças de próximos já nem tão próximos. Ler a tua lavra traz lufadas de alegria. Feliz Natal!!!!

    ResponderExcluir
  10. Angelik2:47 PM

    MUITO BOM .... MUITO..MUITO BOM....!!!!!!!!!!!!..rsrsrsrrs AHHHHHHHHHH.............. FELIZ NATAL ....E FELIZ ANO NOVO..

    ResponderExcluir
  11. Nelson2:58 PM

    Muito bom! hahahaha

    Marcelo, ótimo Natal pra vc e sua família!!!!

    E que 2009 seja melhor ainda e BOM PRINCÍPIO!

    rs

    abração!

    Nelson

    ResponderExcluir
  12. Anônimo3:16 PM

    As cartas estão dadas. Um feliz 2009 pra você.



    Ricardo Paoliello

    ResponderExcluir
  13. Sandra Nogueira6:24 AM

    Marcelo querido, que delícia ler seus textos. Olha, não quer caixinha de Natal, nem mesmo moeda, mas quero que você recebe muitas bença e bastantes presente. Ah! e que seu chefe te dê aumentu e cesta base todo mes.
    beijaum da amiga de sempe
    Çandra

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…