Pular para o conteúdo principal

"FELIZES PARA SEMPRE" UMA OVA!


O sujeito dá vida à gente, cria aquela história maravilhosa, diz que todos viveram felizes para sempre, põe um ponto final e se arranca. Nunca mais volta para ver o que aconteceu depois às suas indefesas criaturas, no mundo do faz-de-conta. Ora, quem põe filho no mundo tem responsabilidades a honrar. Como é que pode um autor se comprometer com a posteridade e colocar sua credibilidade em jogo, fadando seus personagens a um destino cor-de-rosa sem dar a eles meios para isso? Felizes para sempre, essa é boa...


Vejamos o drama do Prático, o porquinho precavido que construiu a casa de tijolos. Como o conto de fadas tinha que terminar logo, o suíno se viu forçado a correr com a obra e uma semana depois a casinha tinha infiltração, três grandes rachaduras que iam do chão ao teto e um fiscal da prefeitura todo dia batendo na porta, atormentando o proprietário por causa do Habite-se. Tão logo tomou conhecimento do infortúnio, o lobo voltou à casa e nem precisou soprar para que viesse abaixo. Em dois minutos já estava com os três leitões debaixo do braço. Pôs Cícero para engordar no chiqueiro, Heitor foi alocado nos afazeres domésticos da casa avarandada do malvado e Prático foi obrigado a travestir-se de veado e ganhar a vida com ofícios pouco familiares, entregando ao lobo todo o michê do dia. O curioso é que perante a opinião publica o lobo ainda posa de benfeitor, por ter tirado os porquinhos da indigência e dado a eles um abrigo digno. Dizem inclusive que fundou uma ONG, chamada “Lobo Bom”, que se dedica a difundir pelos reinos mais distantes os ideais da filantropia e da solidariedade.


Mas é preciso admitir que sorte pior teve a Cinderela. Antes que a tinta do original da história secasse sobre o pergaminho, começou o calvário da heroína. Horas após o suntuoso casório, quando o príncipe foi dar um cata na moça pra fazer neném, o salto do sapatinho de cristal esquerdo espatifou-se a caminho da cama, depois de patinar num resto de brigadeiro jogado ao chão por um convidado mais porco que Heitor, Prático e Cícero juntos. Além do cristal do sapato, quebrou-se também o fêmur da delicada Cinderela.


A forçada quarentena da moça, devido à cirurgia para colocação de 16 pinos na perna, obrigou o fogoso príncipe a aplacar os hormônios junto a um sem número de donzelas do reino. Sem sex-appeal aos olhos do marido, Cinderela passou a ajudar as faxineiras reais na varrição e no enceramento do salão de baile. Hoje faz doces para fora, com a abóbora que sobrou da carruagem. Tenta com seu advogado tornar sem efeito a autuação da vigilância sanitária, que após análise bacteriológica julgou a referida abóbora imprópria para consumo. Enquanto aguarda decisão judicial, diversifica sua produção com outras qualidades de doces. Só não aceita encomendas para brigadeiros, por motivos óbvios.


Estes são apenas dois exemplos, dentre muitos que poderia citar, da orfandade a que nós, personagens, estamos submetidos. Abrace, leitor amigo, a nossa causa. Não caia no conto de fadas!


Assinado,

O Patinho Feio, que voltou a ser feio após 14 gloriosos dias com jeitão de cisne.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Nice Pinheiro1:00 PM

    rsrsrs...Quanta imaginação...rsrsrrs..De onde vc tira tanta inspiração? rs...Um espetáculo de fim de semana pra vc (que de patinho feio não tem nada...)
    bjssssssss

    ResponderExcluir
  2. Filipe Moretzsohn1:58 PM

    Cê é muito louco mesmo, hein?
    Bom demais, e....PORRA MEU, PORRA MEU, PORRA MEU, PUUUUTAAA QUEEE PARIIIIUUUU....(versão tiozinho)
    Grande abraço,
    Filipe

    ResponderExcluir
  3. João Proteti6:15 AM

    Marcelo,
    de novo, arrebatou, arrebentou!
    Que boniteza de texto rapaz!Muito obrigado pelas gargalhadas.


    Abraço,
    João Proteti

    ResponderExcluir
  4. Cláudio7:22 AM

    muito bom! chorei de rir...

    grande abraço

    Claudio Melo

    ResponderExcluir
  5. Fernanda Pupo9:26 AM

    Oi, Marcelo, ninguém escapou?
    bj, Fer

    ResponderExcluir
  6. Celia Alencar9:26 AM

    Marcelo,
    Parabéns pelo seu artigo.
    Gostei muito.
    Um Feliz Natal a vc e toda sua família.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. pra resgatar uma expressão em desuso: o texto é um sarro!!! bendita inspiração, meu amigo...

    ResponderExcluir
  8. Jorge Eduardo2:15 AM

    Entre em meu blog e deixe o seu comentário www.jemagalhaes.blogspot.com. Abs

    ResponderExcluir
  9. Duas palavras que evito: "sempre" e "nunca"!!! Rsrsrs...
    Adorei o texto!
    Ótimo Natal e Ano Novo cheio de realizações e inspirações!
    Abração,
    Ana

    ResponderExcluir
  10. A-do-rei.
    Ótimo, criativo... CRUEL!
    Felizes criancinhas que nunca descobriram o incesto cometido por João e Maria naquela casa sugestiva feita da docinhos... e dos longos anos de terapia que os dois devem ter enfrentado depois.
    Parabéns pelo texto, beijos

    ResponderExcluir
  11. Sandra Nogueira6:30 AM

    Marcelo, é caso para se pensar mesmo. Além de rolar de rir ainda botei a cabeça para funcionar, e estou preocupadíssima com o estressado Donald, se a vovó Donalda ainda está viva, se a Sininho cresceu e envelheceu, se o gato de Botas achou seu destino..... se souber de alguma coisa avise. A propósito: duvido que você seja o Patinho Feio, aquele era deprê e sem talento rsrsrs
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  12. Ana Maria6:31 AM

    Acho que conheço este Lobo Marcelo! rsrsrsrsrsr. um grande abraço! Ana

    ResponderExcluir
  13. Willian - RAC6:31 AM

    Maravilha, Marcelo.

    ResponderExcluir
  14. Evelyne6:32 AM

    Marcelo, eu estou morrendo de rir com o triste destino dos filhos abandonados pelos criadores dos contos de fadas. Prático, um leitão tão sensato, caiu na vida? E o lobo, aquele malvado, ficou com fama de bom? Estou aqui inconforamada com a pobre Cinderela. Além dos 16 pinos na coxa , ainda casou com um sapo pensando se tratar de um príncipe? Que horror! Um casamento que não resistiu a um escorregão no brigadeiro.Meu amigo, você é bom demais! Adorei! Beijos e boa semana!Evelyne

    ResponderExcluir
  15. Rodrigo1:55 PM

    Cara, como estão as coisas por aí?
    Incrível como você está evoluindo com seus textos!
    Sempre é bom dar uma lidinha.
    Saudades de todos vocês!
    Abração!

    ResponderExcluir
  16. Mercedes2:19 PM

    Marcelo,

    Muito legal a sua crônica, concordo plenamente...vc foi muito criativo e espirituoso, está de parabéns!!!
    Aproveito para desejar um feliz natal e um excelente ano novo para vc e todos os seus!
    Apareça aqui na Dienza qualquer dia para tomar um café.

    Forte Abraço,
    Mercedes e Paulete

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…