Pular para o conteúdo principal

EM BRANCO


Só sei dizer que a carta veio parar na minha mão sem remetente nem destinatário. Mas estava, que diabos, na minha caixa de correspondência. Abri e encontrei três folhas sem nada escrito. Dei de ombros: não sabia de quem vinha, também não era para mim, que importava? Poderia ser um código de alguém para outro alguém, uma senha que significasse alguma coisa que só a ambos faria sentido. Mas por que na minha porta, se não era eu nem uma nem a outra parte interessada? Outra hipótese seria uma espécie de intervenção urbana, obra de teor filosófico e performático de algum artista underground, querendo dizer que nem tudo tem de ser de alguém para alguém e com algum propósito específico. Um manifesto pelo resgate do nada às nossas vidas, nesse mundo over de informação. Passei cola novamente no envelope e coloquei a carta na primeira caixa de correio que vi na rua.

Ao trabalho, ao trabalho. Três reuniões naquele dia, duas delas sem previsão de término nem de conclusão prática. Quando Daniel explicava os dezesseis gráficos de pizza no flip-chart, Letícia adentrou à sala e me entregou um envelope, branco como a maior parte dos envelopes, mas de uma alvura já minha conhecida. Não havia dúvida: era a mesma carta. De novo. Reconheci pelos sinais da recolagem e pela re-absurda falta de remetente e destinatário. Como, de volta para mim? Eu lá tenho cara de posta restante dos Correios e Telégrafos?

Roí as unhas e parte dos dedos, ansioso para o fim da reunião. Parti como um raio à sala de Letícia, para saber quem tinha entregue a carta a ela. Foi embora mais cedo. Indisposição. Joguei a carta no lixo, mas antes marquei com a caneta um x no canto inferior direito do envelope, na parte do remetente. Assim poderia identificá-la irrefutavelmente, caso o milagre voltasse a ocorrer.


E ocorreu. Findo o expediente, no caminho para o estacionamento algo me chamou a atenção. Na vitrine da loja de departamentos, a TV transmitia ao vivo o sorteio de uma promoção qualquer. Uma loira de pernas de fora retirou uma carta da montanha. Lá estava ela. A câmera deu um zoom no pequeno x do canto do envelope, como se quisesse mostrar a mim, e só a mim, que a coisa era mesmo indestrutível. Vi a mulher lendo e os lábios se mexendo, anunciando o nome do contemplado ao lado do auditor do concurso. O ruído do trânsito não me deixou ouvir o nome que só eu desconhecia, o mistério que só a mim parecia ser mistério.


Um drink para arrumar as ideias e adivinhar uma lógica para aquilo. O garçom me trouxe, junto com o segundo uísque, um envelope que a pessoa da mesa oito pediu para me entregar. Olho para a mesa oito. Ninguém. Só a carta, a mesmíssima, de novo no meu colo. Ok, eu a levaria para casa. Não dava mais para fugir um do outro. Guardei-a com cuidado dentro da Bíblia, no hall de entrada do apartamento. A página com o Salmo 91 estava em branco, assim como as outras. Na estante, os demais livros todos em branco. A agenda, ao lado do telefone, em branco. Os álbuns de retrato em branco. A certidão de nascimento e a identidade em branco. Então olhei pela janela e vi o néon com o nome da companhia de seguros ficando ininteligível. Percebi que as coisas escritas se extinguiam, sem função. Até mesmo os nomes nas folhas de cheques e as marcas nas portas dos refrigeradores. Me ocorreu que Letícia poderia estar morta e eu não ficaria sabendo, pois no dia seguinte os jornais provavelmente não trariam obituários. Nem qualquer outra notícia.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Léo, boa tarde. Gostei da crônica "Em Branco". Mas de
    onde você tirou essa idéia? Beijos de seu pai e um feliz
    fim de semana.

    ResponderExcluir
  2. Marieta12:19 PM

    AI QUE MEDO....CRUZ CREDO, SERÁ QUE ESTOU VIVA ?CONSEGUE LER O QUE ESCREVI?
    BEIJOS....ADOREI


    Marieta

    ResponderExcluir
  3. Em branco é que não passou este chuvoso sábado. Seu texto, como de hábito, foi necessariamente pictórico para enxotar cinzentices. abç

    ResponderExcluir
  4. Filipe Moretzsohn3:23 PM

    Nego, esse tá um dos melhores, hein? Adorei!
    Parabéns, me lembrou um pouco do Ensaio sobre a cegueira.

    ResponderExcluir
  5. Daria um roteiro de terror e suspense!
    Menino, se a "Warner Bros" sabe disto...aiaiaia...
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Fantástico! Quem sabe um dia, com a sua autorização, não possa transformar isso num filme?
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Wilian - RAC10:09 AM

    Olá, Sguassabia, boa tarde. interessante a carta.
    Belo domingo e bela semana!

    ResponderExcluir
  8. Evelyne10:10 AM

    Uma folha em branco preenchida com a sua inesgotável imaginação, Marcelo. Que suas palavras nunca se apaguem, meu amigo! Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  9. Maria Célia Marcondes11:41 AM

    Muito Bom!! Instigante!
    Abraço
    MCélia

    ResponderExcluir
  10. Luis Eduardo Magalhães1:09 AM

    Leia o meu conto de Natal q publiquei na Letrário, editora de Lisboa. www.jemagalhaes.blogspot.com. Deixe o seu comentário
    Abs

    ResponderExcluir
  11. Anônimo6:07 AM

    muito bom, Marelo. até a próxima, Ana Maria

    ResponderExcluir
  12. Sandra Nogueira6:08 AM

    Marcelo, querido amigo, eu não faria uma maldade dessas com você. Imagine, ignorar o artigo e responder o e-mail sem uma palavra: em branco. Quantas indagações poderiam existir? O não texto poderia ganhar contornos interessantes, dignos de disputar prêmios e indicações honrosas. Ou ainda, ser execrado publicamente. Onde já se viu tamanha indecência. Em branco? Folhas nuas???? Vinicius de Morais, na canção " São demais os perigos desta vida" diz: " tão cheia de pudor, que vive nua" . Poderia haver romantismo na tal carta?
    Bem, quanto à carta, deixe para lá, você nada escreveu, aliás ninguém escreveu, mas o texto se referindo à ela é bárbaro, ótimo.
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  13. Maria Amélia3:16 AM

    medo

    ResponderExcluir
  14. Tadeu Bretas5:30 AM

    Bom dia Marcelo, Que legal essa coisa do branco, a ausência fazendo nascer o conteúdo, o "todo". Adorei o branco, onde só alguns veem muito. abraço,

    ResponderExcluir
  15. O vazio do desconhecido, é assustador.
    Gostei do texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…