Pular para o conteúdo principal

TREMA DESEMPREGADO, MATA-BORRÃO INVÁLIDO, DEDAL DESALOJADO


- Eu caí.

- Caiu onde, de que jeito? E nem tá machucado, do que tá reclamando?

- Não ouviu falar que acabou o emprego do trema? Então, estou na rua.

- Fica tranquilo, trema. Pra tudo tem solução nessa vida.

- Dedal, amigo velho, como é que eu posso ficar tranquilo se tranquilo não tem mais trema? Estou liquidado – e liquidado sem trema.

- Tem certeza?

- Tá na regra, pode conferir.

- Conforme-se, veja você o que fizeram comigo. Eu era encontrado em vários modelos nas boas lojas do ramo. Vivia nas mãos das moças mais lindas, que passavam o dia bordando e tocando piano. E hoje, olha minha situação. Se nem costurar mais se costura, quanto mais usar dedal. Meu caso é mais grave que o seu, porque minha obsolescência é em escala mundial. Você ainda pode se mudar pra Alemanha, por exemplo. O que tem de trema por lá não está escrito, todos muito bem empregados. Concorda comigo, Mata-Borrão?

- Eu acho que nesse caso tem que usar a criatividade. Se ao invés de deitado você ficar de pé, vira dois pontos. E até onde eu saiba, os dois pontos continuam em pleno vigor, certo? É o tal do jeitinho brasileiro, meu camarada. Eu mesmo, pra te falar a verdade, também não sei como fica minha situação, se fico ou não com o hífen. Também tanto faz, até porque ninguém mais escreve “Mata-Borrão”. Pior: não há quem escreva mais a mão, muito menos com caneta-tinteiro. Maldito computador, matou de vez todos os borrões! Agora, mudando de assunto, Dedal: eu nunca entendi o fato de você ter esse monte de furinhos se foi inventado justamente pra evitar os furos.

- É, acho que temos aí um paradoxo, Mata-Borrão.

- Chega de conversa mole, gente. Podemos, os três juntos, botar a cabeça pra funcionar e achar uma utilidade digna pra nós.

- O setor de brinquedos me parece um filão interessante. Brinquedo se compra por impulso, a meninada inferniza os pais até que eles entreguem os pontos. Como Mata-Borrão posso me transformar em gangorra para soldadinhos e índios de Forte Apache. E você, Dedal, pode virar copinho na mesas das casas de bonecas. O que acham?

- Péssimo, Mata-Borrão. Péssimo. Vai ver se a molecada de hoje brinca de Forte Apache, de gangorra e de casinha de boneca. Ficam direto na frente do computador, véio, se liga.

- Exatamente. Ficam batucando o dia inteiro no teclado, e o Dedal pode se arrumar aí. Poderemos lançá-lo com o pomposo nome de Protetor Articular para Digitação, prevenindo LER e tendinites diversas. Quanto a mim, saibam que minha despedida do mercado editorial será nos manuais que andam imprimindo agora, com a grafia antiga e a atual, depois da reforma. Tá certo que vou aparecer só na coluna da grafia velha, mas já é alguma coisa. A saideira, né...

- Você disse saideira, e me veio um insight redentor para o seu caso. É que saideira me lembrou bebida, que me lembrou Caninha 51, que me lembrou...

- Lembrou o quê, criatura?

- O trema permanece em Müller e em outros nomes próprios. O fabricante da Caninha 51 chama-se Companhia Müller de Bebidas. Pronto. Você será impresso nos rótulos de milhões de garrafas de pinga, e ainda vão te mandar pro mundo inteiro. Tá empregado, é só enviar seu currículo com foto recente pra verem que você é o trema mesmo.

- É... boa ideia (sem acento agudo).


© Direitos Reservados


Comentários

  1. Filipe Moretzsohn5:40 AM

    Marcelo, e não se esqueça da regra mais importante da nova regra da Lingua Portuguesa:
    NÃO TREMA NA LINGUIÇA!

    ResponderExcluir
  2. Nice Pinheiro8:26 AM

    Amei de paixão!!! Já está no blog!!!! Menino, um dia você me conta o segredo???? rsrs....Um espetáculo de domingo pra vc!
    bjsssssssssss

    ResponderExcluir
  3. Você é um mago das idéias e das letras. Parabens mais uma vez por tanta genialidade!

    ResponderExcluir
  4. Evelyne9:14 AM

    ...então você imortaliza tremas, dedais e mata-borrões em um texto delicioso. Assim vale a pena, Marcelo! Mais uma vez foi um prazer ler você meu amigo. Beijos e ótima semana!
    Veca.

    ResponderExcluir
  5. Ana Maria11:19 AM

    Muito bom, Marcelo!


    Mande para Companhia Müller, acho que eles vão gostar.
    um abraço!

    até a próxima.

    Ana Maria

    ResponderExcluir
  6. Marcelo, cara, que sacada genial e atualíssima... vc surpreende sempre, meu amigo... sua capacidade de transformar notícias frescas, ou qualquer notícia, em crônicas divertidas é de dar inveja... abç

    ResponderExcluir
  7. Marcelo,

    Você nos brinda com a sua atualidade, com o seu humor, com a sua intelectualidade.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  8. Tadeu Brettas3:36 AM

    Bom dia Marcelo. Acabo de ler a crônica e gostei bastante. Além de divertida e muito criativa,
    ainda nos lembra das novas regras ortográficas. Boa semana pra você, abraços a todos aí!

    Tadeu

    ResponderExcluir
  9. Alan Sanvezzo6:50 AM

    GENIAL! GENIAL! GENIAL!Adorei.

    Grande abraço.Saudade de vc amigo.

    Alan

    ResponderExcluir
  10. Patrícia6:52 AM

    adorei, Marcelo! Muito bom!!! bjs, Patricia

    ResponderExcluir
  11. Alex Compri6:53 AM

    Marcelo, parabéns. A cada texto seu que eu leio, me surpreendo com a qualidade.
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Fernando Botelho6:54 AM

    Nota dez pelo texto.

    Forte Abraço

    Fernando A. Botelho
    Ilhéus-BA.

    ResponderExcluir
  13. Ricardo Paoliello6:55 AM

    Muito bom.



    Duro foi a da Revista Piauí que estampou tal manchete: 2009. Não trema.

    Abs

    ResponderExcluir
  14. Sandra Nogueira2:28 PM

    oi Marcelo, felizes aqueles que te leem no domingo. Eu só abro o computador na 2a. feira, então chego atrasada rsrsrs. Os flexíveis se adaptam melhor às situações. Alguém como você jamais perderá utilidade, imaginativo e inteligente vai se virando para entender, aplicar mudanças e brincar com tudo isso. Como posso me considerar agora: hetero-sexual ou heterossexual? kkkkkkkkkkkk
    abração e boa semana
    Sandra

    ResponderExcluir
  15. Olá Marcelo!!
    Pra variar, ótimo texto, ótima sacada...será que coloquei acento demais!!??
    hahahaha!!
    Abraço!!

    ResponderExcluir
  16. Marco Fraga3:19 AM

    Muito bom, du K7!

    ResponderExcluir
  17. Genial como sempre!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  18. Willian - RAC6:12 AM

    Marcelo, bom dia, interessante este texto.
    Espetacular

    ResponderExcluir
  19. Belvedere Bruno2:40 PM

    Muito boa! Genial mesmo!!!!!!!!!!!!!
    Obrigada.
    Bel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…