Pular para o conteúdo principal

VOYEUR


De novo a música recorrente, a de costume em ziguezague na cachola.

Você e seu rosto de quem só acalenta bons presságios, não deixa margem pra que se enxergue um primeiro anúncio de ruga, sua carne de pêssego se decompondo um dia é coisa sem cabimento. Afago uma outra chance de te ver no desaviso, sem que saiba que te espio entre lençóis, tão você mesma. É assim que gosto, devassar você no quarto. Você zapeia a TV e eu te zapeio aos centímentros, sem controle. Dias de vinho e rosas como os que tivemos e guardamos escondidos da razão, como se guarda borboleta ou selo raro, quando outra vez?


Detida para averiguações, algemada por mim. Vamos à reconstituição do crime que cometemos ao deixar que houvesse entre a gente distância e compostura em demasia, o trato cerimonioso que se impôs a contragosto. Retomemos o que foi, vestidos de nudez. Andiamo via, na asa dessa aragem que vem agora da janela.


E nesse assédio à intimidade alheia, que é impróprio chamar de alheia em se tratando de você, quero ficar até render-me pasmo e adormecer, pele na pele, mãos nas mãos. Discreto e insuspeito como um voyeur que faz bem feito o seu serviço, mas zeloso e sentinela, atento aos cães rondando a madrugada. Durma. E saiba que não quero para você só os sonhos que pediu a Deus, mas os que Deus pediria a Deus se houvesse um Deus acima dele.


© Direitos Reservados



Comentários

  1. Olá Marcelo!!
    Super legal!!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Mario Bonzanini10:19 AM

    Bonito seu texto Marcelo, acho que a criatividade e o romantismo está no ar, esse me lembro Raduan Nassar, assim que puder envio um inédito dele que tenho comigo, por eqto contente-se com esse pequeno de tamanho de Woody Allen:

    A minha próxima vida


    Minha próxima vida quero vivê-la de trás pra frente. Começar morto para despachar logo esse assunto. Depois acordar num lar de idosos e ir-me sentindo melhor a cada dia que passa. Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a aposentadoria e começar a trabalhar, recebendo logo um relógio de ouro no primeiro dia. Trabalhar por 40 anos, cada vez mais desenvolto e saudável até ser jovem o suficiente para entrar na faculdade, embebedar-me diariamente e ser bastante promíscuo, e depois estar pronto para o secundário e para o primário, antes de virar criança e só brincar, sem responsabilidades. Aí viro um bebê inocente até nascer. Por fim, passo 9 meses flutuando num spa de luxo com aquecimento central, serviço de quarto a disposição e espaço maior dia a dia, e depois - Voilà! - desapareço num orgasmo.

    ResponderExcluir
  3. Juliano Sanches10:20 AM

    Olá tudo jóia. Esse texto é muito inspirador, hein... Me fez até
    pensar em fazer algumas aulas práticas, acompanhado com uma boa
    professora, sobre enologia. Publiquei um texto no Portal Sorocult
    (www.sorocult.com). Dê uma olhada.

    ResponderExcluir
  4. Filipe Moretzsohn10:58 AM

    Belo texto meninão.
    Cada vez mais destruidor!!!
    Grandea abraço, e feliz 2009 pra você.
    Até mais,
    Filipe

    ResponderExcluir
  5. Jurema11:11 AM

    Visite A Cigarra no www.kplus.com.br. A Revista
    A Cigarra está também no Orkut e Hi5.Um grande abraço.
    Jurema Barreto
    de Souza

    ResponderExcluir
  6. Ana Lucia Finazzi11:11 AM

    Oi primo
    Lindo! Mais uma vez a musa/esposa?
    Sorte a dela...
    beijo
    Ana Lucia

    ResponderExcluir
  7. José Carlos Carneiro3:18 PM

    genial sua crônica VOYER. Escrevi certo o nome? Excelente, para dizer pouco. E dizer tanto em tão poucas palavras, coisa que lhe é próprio, com todos os méritos. Pra te falar a verdade, nem me lembrava de ter pedido para você opinar sobre algo que escrevi. Se o fiz, foi até um abuso. Sou meio useiro e veseiro de vez em quando, mesmo por descuido. Sugiro esquecer esse não compromisso. Ainda bem que enviei algo que você não conhecia! Eu me orgulho da minha memória e qualquer hora resgatarei dela algo de bom no campo do marketing e da propaganda. Caso meu critério seletivo a aprove, enviarei.
    Tenha um excelente final de semana.
    José Carlos.

    ResponderExcluir
  8. Nice Pinheiro1:34 AM

    Olá Marcelo, tudo bem? Publiquei seu texto. Adorei. com essa lua cheia e um texto desse..rs. Só Jesus! rsrsrsrsrs....Um espetáculo de fim de semana pra vc.
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Inspirador...
    Encantador...
    Perturbador...


    Feliz 2009!
    Da sempre admiradora
    Elizete Lee

    ResponderExcluir
  10. Nelson Marchetti8:39 AM

    muito muito bom!!!!!!!!

    :)

    ResponderExcluir
  11. Evelyne Furtado8:41 AM

    Marcelo , você pode tudo escrevendo. Ser voyeur na intimidade é algo rarissimo. Hoje fui voyeur do seu romantismo nesse texto lindo, meu amigo! Parabéns!Beijos e ótimo domingo.
    Evelyne

    ResponderExcluir
  12. Valéria Eik11:38 AM

    Marcelo, gostei muito do seu texto. Tem profundidade e poesia. Muito bom mesmo.Vamos publicar na edição de fevereiro?Tenha um ótimo final de semana.
    Abraço,Valéria.

    ResponderExcluir
  13. Caramba!, Marcelo, que mistura inebriante de poesia com crônica com reflexões... vc é mestre, cara!!

    ResponderExcluir
  14. Sandra Nogueira6:30 AM

    Belíssimo, Marcelo. Não sei qual é melhor: se o Marcelo romântico ou o satírico. Gosto de ambos e me delicio com as palavras que passeiam por todos os paladares, ora azedas, ora doces, ora apimentadas. Enfim.... um banho de sensilidade e humor raro.
    abração, meu amigo
    Sandra

    ResponderExcluir
  15. Nadja Fidanza6:30 AM

    Esse dava um lindo soneto. O último parágrafo tem uma melodia tão gostosa...
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Anônimo6:42 AM

    Grande Marcelo, que bom ler mais uma das suas crônicas. Essa, em especial, de um tema provocante e inspirador. Valeu mais uma vez!

    abraço,

    Tadeu

    ResponderExcluir
  17. Eloísa Bouças6:43 AM

    Gostei da msn.Eloisa.

    ResponderExcluir
  18. Belvedere Bruno12:10 PM

    Vixe, muito bom mesmo!!!!!!!!!!!!! Parabéns,Bjs

    ResponderExcluir
  19. Mary Maia12:24 AM

    Que lindo!
    Pensando...Quantas mulheres gostariam de contar com olhos de voyer assim como os seus, para se lerem depois assim "descritas" tão carinhosamente...
    Quando outra vez? Pelo que senti, eu diria sempre! rs
    Saiba também, querido, que para você que já me é tão especial, eu desejo todos os sonhos que "Deus pediria a Deus se houvesse um Deus acima dele".
    Te gosto bastantão, viu?
    Um beijo carinhoso.
    Mary

    ResponderExcluir
  20. O seu blog é muito legal. Eu tenho um também. Passe por lá: http://casadojulianosanches.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…