Pular para o conteúdo principal

A HORA H

Homero na mesa 8. Helena na mesa 12.
Homero enfim está de volta. Helena não está à espera.
Homero saiu e ganhou mundo. Helena nunca arredou pé.
Homero guarda as cartas todas. Helena jogou todas fora.
Homero pode explicar tudo. Helena não quer saber nada.
Homero só pede um minuto. Para Helena, agora é tarde.
Homero olha para ela. Helena finge que não vê.
Homero acende um cigarro. Helena odeia fumaça.
Homero atende o celular. Helena retoca a maquiagem.
Para Homero, ela ficou bem de óculos. Para Helena, ele anda mal vestido.
Homero pensa: duas décadas. Helena acha que foi ontem.
Homero é reticente: Peixes. Helena é incisiva: Áries.
Homero acena a um velho amigo. Helena puxa a cinta-liga.
Homero chama outro whisky. Helena mexe o Dry Martini.
Homero lembra do dia em que a viu pela primeira vez. Helena não esquece do dia em que tudo terminou.
Homero não está mais na bolsa dela. Helena continua na carteira dele.
Homero ganhou doze quilos. Helena, vinte e uma estrias.
Homero se rói de aflição. Helena não move uma palha.
Homero tem seu telefone. Helena não vai atender.
Homero, cheio de apetite. Helena, pronta a vomitar.
Arrependido, ele só teve uma outra. Pra ir à forra, ela teve quantos quis.
Homero quer dizer a Helena que promete se emendar. Helena jura que a emenda será pior que o soneto.
Homero está muito abatido. Helena está a fim de abater.
Homero anda atrás de um norte. Helena quer desnortear.
Homero insinua. Helena deixa claro.
Homero almeja. Helena se esquiva. Homero, vassalo. Helena, senhora. Homero acata. Helena ataca.
Homero contém. Helena extrapola. Homero quer deleite. Helena, deletá-lo. Homero ata. Helena desata.
Homero gagueja. Helena triunfa. Homero, a Sonata Patética. Helena, Carmina Burana. Homero jaz. Helena, jazz.
Homero, peteca. Helena, squash. Por ele, os dois voltavam no tempo. Por ela, seria tempo perdido.
Homero, o sonho. Helena, o ato. Homero, o ninho. Helena, a arribação.
Homero sem ação, sem noção, sem tábua de salvação que o remova do embaraço. Helena segura, liberta, com alta há muitos anos do analista.
Homero se sentindo adoecer. Helena quer que doa a quem doer.
Homero pulsa. Helena o repulsa. Homero pede paz. Helena, em pé de guerra.
Homero recorda seus seios. Helena anseia vingança.
Vacilante, Homero caminha até ela. Altiva, Helena olha com desdém.
Homero a tira pra dançar. Helena atira pra matar.


© Direitos Reservados



Comentários

  1. Willian - RAC9:34 AM

    Marcelo, boa tarde. Helena é terrivel! Belo final de semana!

    ResponderExcluir
  2. Zeza Amaral9:34 AM

    Sensacional, Marcelo!!!
    Abraços, Zeza

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Olá Marcelo!!
    Com Helena tem que ser um homem sem vacilos, tem que ir com tudo, que ela gosta...rsrsrsr
    Bem legal o texto!!
    Abraço!!

    ResponderExcluir
  5. È assim mesmo. Muitas vezes imaginamos que as pessoas estejam sentindo algo parecido com o que sentimos, mas é pura ilusão, elas estão na contra mão de nossos pensamentos. Muito bom!

    ResponderExcluir
  6. Mary Maia1:06 PM

    Muito legal! Dá até para ''vivenciar''...rs
    Um beijo grande, esperando que você esteja ótimo!
    Mary

    ResponderExcluir
  7. Evelyne Furtado10:49 PM

    Bárbaro, Marcelo! Uma construção fantástica, seu texto. Embora na real eu prefira os romances que dão certo e sem balas. Na ficção os desencontros e o final surpreendente de Helena e Homero merecem nota mil.
    Beijos e parabéns, amigo!

    ResponderExcluir
  8. Fer Pupo10:49 PM

    Lindo!
    bjs,
    Fer

    ResponderExcluir
  9. Ana Maria5:36 AM

    violento e verdadeiro, lindo Marcelo!

    Ana Maria

    ResponderExcluir
  10. Mendonça Neto9:42 AM

    Excelente HORA H, criativo, atraente, com ritmo pulsante e sem palavras de mais ou de menos.
    Gostei muito, realmente
    Mendonça Neto

    ResponderExcluir
  11. Ô loco, meu!!! acabou de dizer o gordinho das tardes globais. eu digo também. parece enredo de filme-cabeça, curta-metragem, aqueles iranianos, cheio de intelectuais com óculos de acetato!!! mas, enfim: Homero acho que nasceu em Sanja. Helena é de lugar incerto e não sabido...

    ResponderExcluir
  12. Marcelo Delova3:20 PM

    wow! cinematográfico!!!!!!!!!!
    abraços....

    ResponderExcluir
  13. Ademir (Cabelo)4:03 PM

    Muito bom.

    ResponderExcluir
  14. Sandra Nogueira4:04 PM

    oi Marcelo, você é um show, o seu texto é ímpar, adorei!
    beijo grande
    Sandra

    ResponderExcluir
  15. Tive pena do Homero...

    ResponderExcluir
  16. UAU! A pessoa vai lendo e sentindo a tensão tomar conta a cada nova ação! Muito bom!

    Olha, eu nunca comento aqui, mas tô sempre lendo e gosto mtu. Até já tinha divulgado na comunidade da minha turma de Jornalismo. Aí, agora eu estou divulgando no meu blog [http://trachimbrod.blogspot.com]. Indiquei o seu pro selo "Olha Que Blog Maneiro!", aí vc pode acrescentar o selo aqui pra todo mundo saber q vc tá sendo indicado. O selo tem lá no meu blog. :]

    o/

    ResponderExcluir
  17. José Carlos6:26 AM

    O seu "A Hora H" é ótimo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…