Pular para o conteúdo principal

MANGIARE


A mesa posta é cama feita. Lombos e salames vão sugerindo indecências, o sol de mezzogiorno deflora as fogazzas. O ventre e a vitela ao mesmo tempo, um mesmo pasto. Carnes em lanhos atiçam o quase incesto, a desonra. Não tarda o ataque, por baixo da toalha, às coxas esguias. Ele a belisca, é a senha de que a aguarda no caramanchão.


- Que a nonna não nos veja.

- Ela ora sua novena, se abana e reza, reza que só ela... terminou mais cedo o almoço, daqui a pouco começa a tarantela e ninguém mais escuta niente.

- Perdido, immondo. Somos primos.


Um peito mínimo na palma da mão, o outro dá-se al sugo. Più perfetta Sofia. Pingo de vinho na blusinha branca, sorve-se ali, de pé e na pressa, o cálice da tentação.

- Sporcaccione maledeto.

- Cala que te arranco a língua, tão feita pra se enroscar na minha, un vero desperdício.

- Animal, svergognato. Madonna mia.


Primo e prima, due al dente. Pronto, é manchado o brasão virtuoso dos Tartini. Além do falatório ao longe, o único sinal da famiglia é a fumaça do cachimbo do nonno, entre um bocado e outro das carnes se comendo no caramanchão.


© Direitos Reservados



Comentários

  1. Filipe Moretzsohn1:31 AM

    PIU BELLO!

    ResponderExcluir
  2. Adriano5:58 AM

    È veramente picante este almoço!!!! Me fez lembrar a Juliana batendo aquela polenta pro Matheus!!!!!rsrsrsrsrsrsr!!!! Salute!!!!

    ResponderExcluir
  3. Juliano Sanches6:01 AM

    Fala aí Marcelo. Puxa dessa vez incorporou uma Academia Italiana de Letras de uma vez só. Que bela putale. Imagine como os pintores italianos se davam bem quando retratavam o nudismo artístico.
    Risos e mais risos

    ResponderExcluir
  4. Mas que bela química latina, ragazzo!! Cama e mesa em famiglia, para aquecer mais os ânimos dos clãs já quentes da Velha Bota! Apetitoso e libidinoso!

    ResponderExcluir
  5. Celi Gustafson12:50 PM

    AH! AH! AH! Valeu.
    Celi

    ResponderExcluir
  6. Tadeu Brettas7:04 AM

    Marcelo, bom dia, mais um texto saboroso, no nosso cardápio semanal. Espero novos pratos, que serão devorados com o mesmo prazer. abraço, Tadeu

    ResponderExcluir
  7. Ricardo Paoliello7:05 AM

    Me lembrou o texto Caxambú. Terra de contrastes.

    Abs

    ResponderExcluir
  8. Willian - RAC7:06 AM

    Nono, Sguassabia. Bom dia. Belo mangiare

    ResponderExcluir
  9. Sandra Nogueira7:07 AM

    Mama mia, quanta luxúria rsrsrsrs
    Marcelo, você é ótimo em várias línguas e costumes.
    Adoraria assistir a uma peça de teatro escrita por você.
    beijão e boa semana
    Sandra

    ResponderExcluir
  10. Evelyne8:55 AM

    Prazeres se encontram com leveza e humor nesse texto saboroso, Marcelo! Parabéns, meu amigo! Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Ana Maria7:35 AM

    safadinhos, nao! um abração Marcelo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…