Pular para o conteúdo principal

CACA - CENTRAL DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR ALVORADA


Ficamos gratos pelo contato estabelecido através do “Fale com a gente” do site alvoradaonline.com.br. É graças a manifestações sinceras e isentas como a sua que podemos aperfeiçoar os nossos produtos e corresponder às expectativas de uma extensa e cada dia mais diversificada legião de consumidores.

O senhor queixa-se da aspereza e consequente desconforto ocasionado pela nossa versão standard, comercializada exclusivamente em fardos de 32 unidades e à venda nos atacadões Kiprecinho e Valemax, nossos distribuidores autorizados na Serra da Bocaina, região em que o senhor reside.

Quanto à aludida fricção entre o produto supracitado e a parte anatômica tão reiteradamente mencionada em sua reclamação, lembramos que um nível de abrasividade mínimo é indispensável para que as suas necessidades sejam atendidas sem perda de performance – entendendo-se, no caso, o termo “necessidades” em ambos os sentidos.

Em nosso setor de pesquisa e desenvolvimento, nos balizamos por um coeficiente de atrito adotado mundialmente pelos melhores fabricantes e homologado como parâmetro pela Organização Mundial de Saúde.

Lembramos que também disponibilizamos em nossa linha as versões de folhas duplas, extra macias, absorventes e com essência de lavanda, nos modelos “Light Pétala”, “Veludão” e “Carícia”, todas com o selo AA (Anti-Assadura) da Sociedade Brasileira de Estudos Avançados em Dermatologia.

Passemos à sua próxima queixa, esta um pouco mais técnica mas igualmente infundada. É preciso esclarecer que a perda resultante da porção de produto que permanece aderida ao cilindro de papelão está dentro da margem tolerada pelo Inmetro, como estabelecido na norma 186.450/78B. Sugiro que compare os nossos índices (20 a 22,5 cm) aos da concorrência e tire suas conclusões. De antemão, podemos afiançar que a nossa marca é a que oferece a mais vantajosa relação custo-benefício.

Lembrando suas próprias palavras, de que a porção de produto entre um picote e outro “não dá nem para o começo”, vale ressaltar que tal medida atende aos requisitos do cidadão médio, em condições normais de uso e sem alterações significativas em seu metabolismo. Nada impede que se lance mão de duas, três ou mais porções a cada utilização, sem que tal fato fira as normas do Código de Defesa do Consumidor ou represente abuso de poder econômico.

No campo “Críticas e Sugestões” o senhor lança a ideia de colocarmos no mercado uma categoria de produto com histórias em quadrinhos, segmentadas por assunto, público e faixa etária, tendo em consideração o arraigado hábito da leitura no banheiro. Sua sugestão é válida e aparentemente inédita em âmbito mundial, merecendo cuidadoso estudo de viabilidade pela área competente. Contudo, a estratégia de “continua no próximo rolo” seria melhor aplicada a contos e romances, já que uma história em quadrinhos com mais de 30 metros, e ainda mais com continuidade, seria demasiadamente enfadonha para o usuário, ainda que este sofra de constipação intestinal crônica.
© Direitos Reservados

Comentários

  1. Nelson10:17 PM

    hahahaha

    muito muito bom!!!!! rs......

    adorei!

    ResponderExcluir
  2. Maria Célia Marcondes11:52 AM

    Gosto muito de seus textos. Este, também, está ótimo, uma sátira muito feliz!!
    Abraço
    MCélia

    ResponderExcluir
  3. Belvedere11:53 AM

    Muito legal!!!!!!!!! Uma jogada de palavras, de cenas, que vou te contar. Mil!

    ResponderExcluir
  4. Mildred2:54 AM

    Amei todas, mas continuo apaixonada por "Demasiado humano".
    Beijos, meu primo lindo por dentro e por fora....

    ResponderExcluir
  5. Marcelo, selo ISO 9000 para o rolo standard! É esse senhor que está a ingerir muito pinhão e ameixa preta...

    ResponderExcluir
  6. Ana Maria5:13 AM

    muito bom Marcelo!Humor inteligente. Um abraço e até! Ana Maria

    ResponderExcluir
  7. Sandra Nogueira8:45 AM

    Querido Marcelo, recebo seus textos com alegria e enorme curiosidade. Acabo de ler a CACA e só posso dizer que você é impagável, indispensável e inimitável. Sugiro um príxmo artigo em continuidade a esse: Que tal abunda cultura? rsrsrsrs
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  8. Evelyne Furtado1:33 PM

    Morrendo de rir, mais uma vez me surpreendo com a sua capacidade de criar sem sair de sua marca de excelência. Um folhetim daria lucro à empresa, hem?Beijos e boa semana, amigo Marcelo.Veca

    ResponderExcluir
  9. Marcelo, amigo, pqp, risos aos montes, vai ser criativo assim lá na macaubeira de Beloca. uma das melhores!!!!

    ResponderExcluir
  10. Fernanda Pupo5:23 AM

    rs, bj, fer

    ResponderExcluir
  11. Wallace Fauth8:08 AM

    Muito bom esse texto, Marcelo. Gosto do que escreve e tenho acompanhado. Simplicidade na escrita sem perder o essencial!

    Parabéns!

    Wallace Fauth

    ResponderExcluir
  12. Belvedere Bruno5:03 AM

    Tenho que rir mesmo!!!!!!!!!!!!!!!
    Abs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…