Pular para o conteúdo principal

UM PARA O OUTRO


Tá certo que ele não era nenhum conhecedor profundo do moderno cinema iugoslavo. Mas ela também não era nenhuma marchand francesa especializada na fase azul de Picasso ou nas esculturas de Rodin. Tá certo que ele não era nenhum master-franqueado do Instituto Kumon, com 25 unidades só no Centro-Oeste e ótimas perspectivas de expansão. Mas ela também não tinha propriamente onde cair morta, e se tinha não sabia o número da sepultura nem o cemitério.

Tá certo que ele não era nenhum prodígio musical, capaz de assobiar as 32 sonatas de Beethoven de trás para a frente e em ordem cronológica de composição. Mas ela também não arriscava nem o “Atirei o Pau no Gato” debaixo do chuveiro e sem ninguém em casa.

Tá certo que ele não era nenhum Tom Cruise, ainda que seu convênio médico cobrisse cirurgia para correção de astigmatismo congênito em grau severo. Mas ela também era um estrago natural à prova de photoshop, e estava a léguas de distância da última colocada no Miss Birigui 1978, edição do evento especialmente pródiga em mulheres corcundas e fora do peso.

Tá certo que ele não era nenhum espertalhão pronto a dar o bote, sendo notória sua semelhança fisionômica com Mister Bean – com a diferença que este último amealhou uma montanha de dinheiro com sua cara de idiota. Mas ela também não era nenhuma megera movida a terceiras intenções, e não consta na delegacia boletim de ocorrência envolvendo seu nome.

Tá certo que ele não era nenhum iogue indiano, evoluído espiritualmente a ponto de ingerir um basculante de estrume com um sorriso nos lábios, em piedoso sacrifício pelo bem da humanidade. Mas ela também não nascera Madre Teresa de Calcutá, e trocaria sem pestanejar sua alma por um naco de quebra-queixo, desde que com bastante gengibre.

Tá certo que ele não era nenhum exemplo de autoestima, se considerarmos as três ou quatro vezes em que foi encontrado com o gás ligado e a cabeça dentro do forno, além de outras tantas em que o flagraram ouvindo a Perla no volume máximo (e no banheiro, onde o perigo é maior devido ao eco). Mas ela também não tinha motivos para nutrir por si mesma a mais remota simpatia, tanto que uma não olhava para a cara da outra quando se cruzavam no espelho.

Tá certo que eles não eram nenhum casal modelo. Ainda assim apaixonaram-se, casaram-se e previsivelmente não foram nem um pouco felizes. Mas também, antes mal acompanhados do que sós.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo, musicada essa sua crônica seria a antítese de "Eduardo e Mônica" do Renato Russo... bacana, a leitura me remeteu direto ao som do Legião no fim dos anos 80.

    ResponderExcluir
  2. Rosa Pena1:04 PM

    kkkkk;;; ta ótima! Tenho uma parecida com essa rs, a história da musa com o muso que viveram pra sempre no museu... ruim pra eles? Melhor que eu! rs..adorei Marcelo............. SHOWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWBeijos e beijos

    rosa

    ResponderExcluir
  3. É o amor...!!!

    Genial, você é o cara!

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Rossi3:02 PM

    é o amor....... como diz Zé de Camargo e Luciano
    Abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  5. Maíra Reicher2:57 AM

    rrsrs ta certo rrsrssr

    ResponderExcluir
  6. Sandra Nogueira2:57 AM

    oi amigo, que casal incrível, hein? rsrsrs Como diziam nossas avós, o típico caso do "chinelo velho para o pé cansado".
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  7. Evelyne7:57 AM

    Marcelo, uma gripe, graças a Deus humana, me tirou de cena por uns dias. Só agora estou lendo sua história de amor com a dose de humor ideal para não me fazer chorar,rs. Como sempre um ótimo texto!

    Bjs e parabéns, amigo.

    ResponderExcluir
  8. Felipe Dumont8:27 AM

    Parabéns, Marcelo.
    Muito bom.
    Felipe.

    ResponderExcluir
  9. Ana Lúcia Finazzi5:07 AM

    Oi primo
    texto delicioso,excelente, como sempre.
    beijo
    Ana Lucia

    ResponderExcluir
  10. Olá Marcelo!!
    Muito legal, gente normal é assim mesmo!!! rsrsrsrs!!
    Abraço!!

    ResponderExcluir
  11. Maria Ester2:01 AM

    Só para dizer que gosto muito dos seus textos.
    Um bom domingo.
    Maria Ester

    ResponderExcluir
  12. Ana Maria8:30 AM

    como sempre está muito bom!, humor com extrema inteligencia! até o próximo!

    beijão

    ResponderExcluir
  13. Marcelo, tá certo que eles não foram feitos um pro outro, que o calçado era 39 mas os pés eram 42. Ainda assim, por um dia viveram felizes para sempre para ter o que lembrar em todos os outros dias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…