Pular para o conteúdo principal

DROPS PATERNOS



Me corrija se estiver errado, mas tenho sentido você um tanto desiludido, mais cabisbaixo e indolente que o costume. Filho, não se deixe abater, você não tem motivos justificáveis para entregar a rapadura. Lembre-se daquele antiquíssimo ditado hindu, que o passar do tempo só reforça sua sabedoria e validade: “O espelho da vida é a sombra do infinito”. Nos momentos de desânimo e depressão, devemos nos agarrar ao bálsamo reconfortante destas palavras, que o seu padrinho, o palhaço Estrepolia, repete religiosamente antes de subir ao palco. Sabe, me sinto muito mais à vontade em falar assim com você, por bilhetes. Como alguém que não se furta em dar o ar da graça, mas tem horror de parecer inconveniente ou arriscar um cafuné em hora imprópria. Você compreende, é meu estilo. Seu avô, o príncipe dos malabares, também era assim.

********

Ainda tem um pouco de mingau de maizena na geladeira, dá uma esquentada no microondas quando chegar. Domadores de leões como você não costumam prescindir desta iguaria, tão rica em complexo B. Meu garoto, não tente achar tanto sentido nas coisas que te disse ontem, quando conversamos a sós no picadeiro. É só a minha visão pessoal, que pode ou não ser considerada, dependendo do conceito que você tenha de mim enquanto pai. Ser pai é fácil, basta um momento de inconsequência ou de esquecimento na hora do bem-bom. Quero que a minha autoridade sobre você seja aceita pelo que digo e faço, não pelo que represento na hierarquia familiar. O fato de ser mais velho não significa que seja mais sábio que você ou que tenha me tornado menos louco com o passar do tempo. É mais do que notória a minha fama de zureta, e é impossível que tanta gente esteja errada ao meu respeito. Portanto, siga meus conselhos, mas com uma certa reserva.

********

Esfrie a cabeça, literalmente: caia n’água, pegue uma piscina. Já tive lampejos mirabolantes entre uma braçada e outra, vale tentar. Estar desorientado em questões vocacionais é normal em sua idade, comigo não foi diferente. Antes de optar de vez pelo trapézio, fui corretor de ações da malfadada Fazendas Reunidas Boi Gordo, me embrenhei alucinadamente na venda de jazigos para cães e até uma fabriqueta de troféus e medalhas já passou por minhas mãos. Em todas estas investidas admito ter quebrado a cara – o que, contrariando todas as óbvias expectativas, jamais aconteceu comigo sob a lona de um circo. É, meu filho, a vida tem dessas coisas. O que parece seguro esconde grandes ciladas, e vice-versa.

********

Pelo menos nos quinze ou vinte primeiros encontros, uma mulher só se sentirá segura em seus braços se seus braços não forem além do que ela julgue razoável. Entende o que quero dizer? Seja tolerante, extravase os hormônios solitariamente por enquanto. Uma garota que aceita carícias naquelas partes logo de cara não serve para ser mãe dos meus netos. Ainda mais em se tratando da filha da engolidora de fogo, aquelazinha de índole duvidosa. Vou lhe fazer uma confissão: só desembrulhei completamente a senhora sua mãe na noite de núpcias, e ainda assim depois de certificar-me que seus instrumentos de trabalho não estavam ao alcance da mão. Você sabe, ela era atiradora de facas no Stankowich, onde trabalhávamos na época. Bem, chega por hoje. Nos vemos amanhã, após o espetáculo.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Liana4:30 PM

    Muito interessante e inteligente o " DROPS PATERNOS".
    Te adoro.

    ResponderExcluir
  2. (SOM DE APLAUSOS!!!!)

    BEIJO DA MALU

    ResponderExcluir
  3. Rosa Pena2:17 PM

    e como está valendo... um primor ..um texto nota dez... uma peça teatral dividida em atos que faz entre eles, ora riso ora choro brotar.
    beijos meu querido
    rosa
    www.rosapena.com

    ResponderExcluir
  4. Caro macaúbico desterrado, pílulas hilárias pra desopilar fígados amargos... muitíssimo bom...

    ResponderExcluir
  5. Adriano6:01 PM

    Muuito bom velhinho!!!! Como vai rapaz?

    ResponderExcluir
  6. Ana Maria6:02 PM

    muito bom,Marcelo.

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcelo!
    Super legal!!
    Abraço!!

    ResponderExcluir
  8. Ana Lucia Finazzi8:48 AM

    É meu primo, no picadeira desta vida domamos um leão por dia enquanto nos conformamos em ser chamados de palhaços.
    beijo
    Ana Lucia

    ResponderExcluir
  9. Cezar Lopes8:55 AM

    Tchê, bom dia!

    Costumo me definir como "ninguém no plural" no meu tempo.
    Não que eu seja um Fernando Pessoa. É que me faltou genialidade para expressar de outra forma o que penso sobre mim.
    Pois, estou respondendo para te dizer que teu texto é muito bom (até parece que minha opinião muda alguma coisa... he, he, he) e por ter uma empatia natural contigo e com teu exitoso trabalho, tenho duas coisas a dizer:

    Número um: por favor, mesmo que, vez que outra, eu não responda, nunca deixe de me deliciar com teus trabalhos!;

    Número dois: estou te enviando o link para o blog da Marjorie Bier. Acredite, ela é uma gênia (licença poética... he, he, he). Não por sua poesias... penso assim... mas por sua frases... Penso que quando uma frase é um poema, um poema é uma redundância... Então, dê uma olhada e quando puder, gaste um tempo para tc com ela no msn. Tenho certeza que tu entenderás do que estou falando (falando?), digo, escrevendo.

    "tão rica em complexo B" he, he, he... adoro isso em seu trabalho... uma ironia que ainda não aprendi a dosar. Muito bom.

    Fantástico. Posso pôr no meu blog?

    Sabe, minha falecida professora de Filosofia me disse certa vez que "sabemos quando lemos um bom trabalho por que sentimos, e pensamos: puxa, eu poderia ter escrito isso! Mas o mérito é dele, por que fez primeiro!".

    Quanto mais o tempo passa, mais concordo com ela. Ela estava morrendo de Câncer e eu, estudante, egoíasta, ávido de aprender, nem percebi. Digo isso por que, hoje, penso que ela foi mais o que eu esperava (sincera, cruelmente sincera, às vezes) por que estava de partida, ou não! Vai saber, né?

    Um fraterno abraço.


    Ceza Lopes.

    Ah! Os link's:

    http://marjoriebier.wordpress.com/

    marjoriebier@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Nilza9:48 AM

    Adorei, já mandei paa um adolescente de 15 anos cheio de dúvidas.
    Nilza Amaral

    ResponderExcluir
  11. Esse pai ainda não conheceu o email...

    ResponderExcluir
  12. Filipe Moretzsohn4:24 PM

    Grande garoto, tudo bem? Belo texto hein? Grande abraço...mas revisa antes...rsss
    Filipe

    ResponderExcluir
  13. Evelyne Furtado4:26 PM

    Quanta graça e talento nesses drops patenos! Você faz das palavras malabares, Marcelo! Maravilha! Bjs e parabéns, amigo.

    ResponderExcluir
  14. Sandra Nogueira5:04 PM

    Marcelo, em certas horas quero ser uma mosca interna para sondar seus pensamentos. Cara, é impressionante sua capacidade de bolar situações inusitadas. Morri de rir!!!!
    beijão
    Sandra

    ResponderExcluir
  15. Belvedere Bruno1:24 PM

    Muito legal!!!!!!!!!! Um excelente feriado!
    Abs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…