Pular para o conteúdo principal

BATATA QUENTE


A felicidade apareceu sem avisar que vinha, e aparentava ser daquelas que quase ninguém merece, mornas e duradouras. Assim que me assegurei ser ela mesma, fiquei na encolha só olhando as boas-vindas à hóspede.

De tão esperada, quando enfim presente estacaram no embaraço. Eduardo pensou em ciceroneá-la, apresentando à felicidade o que era o seu oposto: a lástima em que se debatiam. Lídia conseguiu demovê-lo a tempo, argumentando que a visitante se horrorizaria e jamais voltaria para visitá-los. Talvez nem tirasse as bagagens do carro, ela que veio com destino certo, mala e cuia para ficar boa temporada. E era o olhar de um a outro, a se perguntarem mudos em estalares de dedos e tremores de mãos: e agora?

Depois não vi mais nada: abandonei meu posto de observação no auge do impasse, enquanto a criada perguntava da janela se era para colocar ou não mais um lugar à mesa.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Poder de síntese, meu caro escriba. Quase cabe no Twitter. Três parágrafos são tudo. O habitual padrão sguassábico de qualidade que quebra mais um paradigma de cronistas de periódicos: o de se ater às amarras de caracteres mínimos. Das suas batatas quentes só podia sair mais esse cremoso purê. saudações crepúsculo-sânjicas.

    ResponderExcluir
  2. João1:41 PM

    Filho, bom dia. Saúde e paz para todos. Gostei muito do
    "Batata Quente". Poderia ter incrementado um pouco mais.
    O mote é estupendo.

    ResponderExcluir
  3. Marco Antonio Rossi5:09 PM

    água no feijão que chegou mais uma........
    situação inesperada e desespero de dizer sim ou NÃO..........
    e a mão ficará para sempre queimada......
    Abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  4. Celi Gustafson8:22 AM

    Não deixa de ser...
    Obrigada,
    Celi

    ResponderExcluir
  5. Patrícia8:38 AM

    Adorei, Marcelo!

    bjs,

    Paty

    ResponderExcluir
  6. PALMAS, MARCELO!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Sandra Nogueira8:40 AM

    oi Marcelo, que beleza de batata quente. Deixar ou não a felicidade entrar? E não é que tem mesmo muito gente que tem medo dela e prefere viver na treva do que na luz?
    Me chame para o jantar, quero me sentar de frente para ela e absorver a energia.
    abração
    Sandra

    ResponderExcluir
  8. Evelyne8:40 AM

    Por mais incrível que possa parecer a felicidade assusta, mesmo, Marcelo. Principalmente quando vem assim "morna e duradoura". Maravilhoso seu flagrante de nossa fragilidade diante da vida. Parabéns, meu amigo! Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
  9. Imagem com texto.
    Puro deleite.

    ResponderExcluir
  10. Ana Maria4:21 PM

    espero que ela fique uma boa temporada!

    abração!

    ResponderExcluir
  11. Maria Célia2:11 AM

    É uma batata quente?
    Quanta divagação é possível, em seu texto. Parabéns!
    MCélia

    ResponderExcluir
  12. Oi Marcelo!

    Por muitas vezes deixamos de vivenciar situações de puro deleite, as situações presentes passam como um vento.
    Só vamos visualizar quando for muito tarde.
    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Belvedere Bruno4:13 PM

    MUito LEGALZINHA ESSA! gOSTEI DEMAIS.
    bJS

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…