Pular para o conteúdo principal

BICICLETA ERGOMÉTRICA: GUIA PRÁTICO DE CONVIVÊNCIA PACÍFICA


Trapacear a si mesmo arrumando outra desculpa seria infantil: você jurou que começava na segunda, e segunda é um dia que sempre chega antes do que a gente espera. Olhe só pra ela: novinha, reluzente, a nota fiscal sobre o selim ainda coberto de plástico-bolha. Dizem que vendo TV enquanto pedala o sacrifício fica mais fácil. O problema é que, pra arrumar um lugar pra sua TurboBike Magnetic Flash, você teve que tirar a TV do quarto. E poderia ser pior: um centímetro a mais e a cama também teria que ir parar no corredor.

Uma bicicleta ergométrica é, literalmente, fria e calculista. Fria por ser metálica (no inverno é particularmente repugnante chegar perto); calculista pelo display multifunções que ostenta no guidom, se é que se pode chamar de guidom aquele troço que não vira nem pra esquerda nem pra direita. Enquanto você veste o agasalho esportivo, ela parece dizer: "Vem, amorzinho, monta com vontade. Prova que você é macho de verdade, vamos perder juntinhos aquela pizza 4 queijos que você ganhou ontem".


Você até pensou em comprar uma bicicleta comum, dessas de 18 marchas. Observando a paisagem a coisa ficaria mais lúdica e pitoresca, com a vantagem de mostrar pra vizinhança que você cuida da forma. Mas agora é tarde, e o que resta é lidar da melhor maneira com seu novo algoz. Aí vão algumas dicas:


- Meia hora parece meio mês quando se está em cima de uma ergométrica. Melhor não ficar olhando a cada dois minutos para o indicador de tempo de exercício. Experimente a nova técnica denominada “bike meditation”: aprumando a coluna no banco, feche os olhos, respire compassadamente e imagine-se a pedalar no Caminho de Santiago. Faça da tortura algo sagrado e redentor, um instrumento de purificação da alma.


- Não tente ler jornal enquanto pedala. Além de trepidar com o movimento - o que é péssimo para a vista, em minutos seu exemplar estará empapado de suor - o que será repulsivo para quem folheá-lo depois de você.


- Evite pensar no esforço a ser feito - concentre-se nos conseqüentes resultados. Imagine-se com os pneus devidamente esvaziados, a região glútea fortalecida e os bíceps schwarzenegicamente anabolizados.


- Disfarce a aversão: seja amigável com ela. Cumprimente-a pela manhã, alise-a, pergunte como estão suas catracas. Faça dela sua aliada. Afinal de contas, ela estava muito bem lá na loja. Foi você quem inventou de trazê-la pra casa. E, como dizia o Pequeno Príncipe, “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.


- Com o passar dos meses, o mecanismo começa a ranger. Isso é mortalmente irritante. Para contornar o problema, assovie sua música predileta. Ou mantenha à mão um óleo lubrificante de boa qualidade, para não acordar os vizinhos de cima e de baixo do seu apartamento.


- Conforme-se com uma série de sacrifícios heroicamente praticados mundo afora, sem benefício algum para a saúde. O faquirismo, a auto-flagelação, as caminhadas sobre brasas, as filas nas repartições públicas. Você verá que, mesmo montado numa ergométrica, é feliz e não sabia.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Evelyne12:13 PM

    IMPAGÀVEL! Já tive uma dessas que além de tudo , depois de um tempo me dava uma sensação de culpa terrível quando a olhava tomando espaço e sem usa´-la. Adorei, Marcelo!
    Beijos e ótimo fim de semana!
    Veca

    ResponderExcluir
  2. filho, bom dia. Feliz fim de semana. Gostei da crônica da
    ergométrica. Discordo de que ela seja fria. Meia hora de
    exercício a gente cria coragem para entrar no chuveiro.
    Beijos de seu pai.

    ResponderExcluir
  3. Não tenho, não tive e, salvo perda da saúde mental, passarei sempre longe da geringonça torturante. tenho ergonofobia... mais uma crônica atleticamente engraçada... ou melhor, sedentariamente cômica... abç

    ResponderExcluir
  4. Mary Maia3:44 AM

    E eu que comprei no final de semana um simulador de caminhadas, fiquei aqui pensando: "Será que?" Tomara que não, afinal, é verdade que o inverno tem tudo para deixar a gente com um quilinho a mais (falei um quilinho).
    Vou tentar, qualquer coisa, vou de "meditation" mesmo...rs
    Você tá bonzinho?
    Beijão. Adoro você!
    Mary

    ResponderExcluir
  5. Gercio7:08 AM

    Eu já passei por essa experiencia, alias muito bem descrita por você. É um elefante branco e que, como sitios, tem dois momentos de alegria: o da compra e o da venda...

    ResponderExcluir
  6. Ana Maria10:58 AM

    verdadeiramente saudável, muito bom Marcelo!

    abração!

    Ana

    ResponderExcluir
  7. Rosa Pena10:59 AM

    Que show amigo!"Uma bicicleta ergométrica é, literalmente, fria e calculista. Fria por ser metálica (no inverno é particularmente repugnante chegar perto); calculista pelo display multifunções que ostenta no guidom, se é que se pode chamar de guidom aquele troço que não vira nem pra esquerda nem pra direita."................ meu marido está lendo pele décima vez..rs..beijo/rosa

    ResponderExcluir
  8. Eu sempre achei estranho ter um troço destes em casa. A gente pedala, pedala, e não sai do lugar [uma bela metáfora da impotência].
    Gosto mais das bicicletas de verdade ;-) Sentir o vento batendo no rosto. Há sensação melhor?

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Novo varal em casa, de brinde...

    ResponderExcluir
  10. Marco Antonio Rossi8:16 AM

    Caro Marcelo

    acho o exercício mais chato de todos - a ergométrica-. Pedala, pedala, pedala.... e tudo fica no mesmo lugar...
    aí vc cansa, coloca-a no fundo do quintal e num futuro próximo será doada ao cata bagulho do bairro e sua barriga volta a crescer, os bíceps caem.....
    eta circulo vicioso.......até comprar uma esteira.....
    Abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  11. Sandra Nogueira9:57 AM

    Marcelo, seu repertório é inesgotável, bom demais. Diante das últimas linhas do texto decidi comprar uma também, prefiro mil vezes. Quando nos encontrarmos de novo não se esqueça do elogio, diga que estou linda, com um corpaço de Schwazener.
    beijão
    Sandra

    ResponderExcluir
  12. Milena9:58 AM

    Marcelezaaaaaaaaaaa,

    Muito inspirador!rs

    Imagino que vc e sua ergométrica tenham uma relação saudável!!!!rs Afinal são trinta minutos toda manhã, não?!?

    Muuuuuuuuuuuuuuitas saudades, viu! Aparece lá em casa com a família!!!! Leva o cão(isqueci o nome...) pra conhecer o Zéquinha!!!!

    beijinhos,
    Mi

    ResponderExcluir
  13. Elizete Lee5:26 AM

    Bom dia, caro Marcelo!

    Seu texto me fez lembrar da minha tentativa de ter uma bicicleta ergométrica. Foi um caos! Ela era o grande "dino" assustador. Eu me lembro que usei apenas duas vezes e dei um fim.

    Abração

    ResponderExcluir
  14. Belvedere Bruno4:58 AM

    POis é, Eu na esteira......

    ResponderExcluir
  15. Anônimo2:39 AM

    TUDO NA VIDA SE ESVAZIA SE VOCÊ NÃO DEFINIR BEM O QUE FAZ E PORQUE FAZ.
    O CASO DA BICICLETA ERGOMÉTRICA TEM SIM SUA FINALIDADE E SUA UTILIDADE O CASO É QUE A MAIORIA DAS PESSOAS, PRINCIPALMENTE JOVENS A COMPRAM POR PURO MODISMO, OU PORQUE O AMIGO TEM E EU TENHO QUE TER TAMBEM, OU PORQUE EU VI NA ACADEMIA E DEVE SER BOM, ETC...
    EU TENHO UMA , USO-A REGULARMENTE E TENHO OS BENEFÍCIOS PROPORCIONAIS A QUE ELA ME PODE DAR.
    EU ACONSELHO:
    SE QUERES COMPRAR UMA BICICLETA ERGOMÉTRICA ANTES DEFINA MUITO BEM PRAQUE E PORQUE.

    ResponderExcluir
  16. Anônimo8:14 AM

    só que não

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…