Pular para o conteúdo principal

CONFLITO DE ENCARNAÇÕES


- Oi, amor.

- Ichi, atrasou um minuto e trinta hoje, heim. Cheguei a alimentar a esperança de que não viesse mais.

- Imagina, quem é morto sempre aparece.

- Dá pra falar sério ou vai continuar com a brincadeira?

- Brincadeira por brincadeira, foi você quem começou com aquela do copo. Não se deve invocar espíritos levianamente. Você perguntava, eu respondia. Foi assim uma semana inteira, toda noite, lembra? Você xavecando, querendo saber da minha vida e da minha morte, cada vez mais interessado. Não tem por que estar reclamando agora. Quem devia reclamar na verdade era eu, pois me comunicava por uma porcaria de um copo de extrato de tomate com uma crosta de sujeira no fundo e trincado na borda. Bem ao seu estilo, diga-se de passagem. Macho, desleixado, com noções precárias de higiene e ainda por cima encarnado. Arghh!

- Pois então não viesse. O que você queria, taças de cristal da Bohemia? Eu diria que o copo utilizado estava à altura da sua elevação espiritual. Aliás, eu já devia ter desconfiado do seu nível quando, ao falar sobre espíritos obsessores naquela tábua com as letras do alfabeto, você escreveu obsessão com c cedilha. O Aurélio está à disposição em algum lugar do céu, você podia tomar umas aulas particulares com ele.

- Ah, só faltava você me jogar essa na cara. Aqui no mundo dos espíritos ninguém precisa se preocupar com ortografia, bastam as boas vibrações. Coisa que você há muito tempo não vem emitindo pra mim. Já cansei de explicar pra você que somos almas gêmeas e que estamos juntos desde que o mundo é mundo. Só nos separamos temporariamente por um desencontro de encarnações...

- Olha, por mim eu deixava esse desencontro desencontrado pela eternidade afora. Quando eu for dessa pra melhor você estará encarnando de novo, e assim sucessivamente. Vai ser melhor pra nós dois. Com tanto fantasminha simpático aí em cima, logo você esquece de mim.

- Ledo engano, meu charmoso boneco de carne. Estarei sempre ao seu lado.

- Tá, e a minha privacidade, onde fica? Heim? Falar em privacidade, nem na privada tenho sossego, até no banheiro você dá o ar da graça querendo discutir a relação. Tenha dó. Quero mais é que comece logo o horário de verão, já que escurece mais tarde e eu ganho uma horinha antes de você baixar pra me encher a paciência.

- Ok, prometo ser mais discreta em minhas aparições daqui pra frente.

- Melhor ainda se limitá-las a umas duas vezes por semana, quando muito. E dê preferência aos dias de faxina, quando eu não estiver em casa.

- Bom, eu não desci aqui pra brigar com você. Mudando de assunto, como estou hoje?

- Com toda certeza, mais pálida que o costume.

- E lhe agrada? Musas geralmente são pálidas.

- Embora a palidez nesse caso seja da natureza cadavérica. E decididamente não sou chegado em necrofilia.

- Que é isso querido, não curte uma alma pelada? Imagina nós dois num caixão de casal, com rendinhas negras e colchão de água...

- Não fala assim que é pecado. Na condição de espírito você devia dar o exemplo.

- Ai, que santinho. Leio seus pensamentos o tempo todo e sei que você é um devasso. E se continuar assim, vai direto pro inferno.

- Deus me livre. Pra encontrar você lá?

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo Giorgetti12:16 PM

    Olá Xará ...pqp, hein...ducaraio. MUITO LEGAL Vc é espirita? Abraços e bom fim de semana ....

    ResponderExcluir
  2. Eduardo Lara Resende3:14 PM

    Muito bom, Marcelo! Desfecho inesperado e bem humorado, como sempre. Sigo suas pegadas...

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Filipe Moretzsohn3:19 PM

    Bom demais esse texto, cada dia melhor, hein garoto?
    Abrs, e muitas saudades, seu idiota!!!
    Sgrilóide.

    ResponderExcluir
  4. Celi Estrada4:19 PM

    Nunca havia lido um texto sobre o assunto. - Singular!
    Obrigada

    ResponderExcluir
  5. Ana Victorelli12:21 AM

    Ótimo !!!!!! Quer dizer que existe a possibilidade de não se ter sossego nunca, né????? hahahaahah Adorei !!! E a de sábado passado não respondi na hora, mas amei o arsenal de adjetivos que vc usou p o personagem, gostei da forma que vc lidou com o ocaso daquela gloria tda ou daquele delirio de glória!!! bem lúcido, bem atual,bem louco, bem debochado, de um respeito totalmente desreipeitoso, gosto muito de textos assim, parabéns e boa semana

    ResponderExcluir
  6. Maria Aparecida Vasconcellos Amaral12:10 PM

    Onde vc mora? Somos primos e nem nos conhecemos.Conheço o Marcos e a Marieta,que por sinal nao vejo a uns 20 anos Acho que nem conheço mais.VC veio pra festa dos Cabral? bjos a tds

    ResponderExcluir
  7. Ana Maria2:54 PM

    muito bom mesmo Marcelo!
    Imagina não ter paz nem depois de morto!

    fácil não!

    ResponderExcluir
  8. Evelyne Furtado3:18 AM

    Delicioso esse dialogo entre "almas gêmeas" separadas pelo conflito de encarnações. Parabéns pelo humor inteligente e leve. Bjs e boa semana, Marcelo.

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi5:19 AM

    Taí gostei. Espero que depois que fôr dessa para uma melhor, um dia possa voltar e conversar com alguém e principalmente saber se dá para saber os pensamentos dos outros. Que loucura!!
    Abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  10. Sandra Nogueira9:48 AM

    Marcelo, você não se repete, os temas são os mais diversos. Morri de rir com o papo encarnado X desencarnado. Será que a coisa é assim mesmo, e você um vidente?
    Quando eu era adolescente tinha uma paródia de uma marchinha de carnaval que dizia assim: Vem, não deixe pra depois, depois/ Vem, que a cova dá pra dois, só dois/Vem que o coveiro é camarada, nos seus braços quero ver, apodrecer/ A noite é linda no cemitério, duas caveiras namorando sério.
    beijão
    Sandra

    ResponderExcluir
  11. SOU TUA FÃ, MARCELO!
    Textos muito muito bons.

    ResponderExcluir
  12. é um Chico Xavier com humor impagável... se o LF Veríssimo tivesse partido desta, juraria que vc estava psicografando uma lavra dele. Sensacional!!!

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito do conteúdo de seu blog, você esta de parabéns.Gostaria de saber
    se existe interesse em torcar nossos links, se sim deixe seu recado em meu mural.
    Te espero por lá, ok?
    Felicidade! É inútil buscá-la em qualquer outro lugar que não seja
    no calor das relações humanas... Só um bom amigo pode levar-nos pela mão e nos libertar.
    Abraços forte

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…