Pular para o conteúdo principal

ZORAIDE PROPAGANDA


Tudo começou quando fui servir suco para o Dr. Célido e o Diretor Comercial na sala de reunião. Vi os dois falando sobre o anúncio que vocês criaram e dizendo que carecia aumentar o elefante no layout e enfiar uma tarja alaranjada perto da tromba dele, dizendo “últimos dias, aproveite” ou algo parecido. Não entendi patavina dessa história de retrato de elefante no reclame, já que até onde eu sei a empresa trabalha com fibra ótica e eu acho que tem que mostrar as coisas que a fábrica faz, quanto é que custa e colocar depois o endereço, que é pra pessoa se orientar e saber onde é que tem que ir pra comprar os negócios que a propaganda fala.

Vocês inventam umas doideiras, se sai uma propaganda dessa vão achar que é anúncio de circo. Só sei que eles continuaram até tarde trancados lá na sala, às vezes dando berros e rabiscando inteirinho o layout que a moça que trabalha aí com vocês trouxe anteontem. Depois vi que cada um ficou fazendo uma lista de frases, também pra colocar no anúncio, e ficavam falando sobre trocar de agência, que qualquer coisa era melhor que essa porcaria que vocês fazem. Desculpe a dureza das palavra, mas era desse jeito que eles falavam, e acho bom vocês ficarem sabendo logo da verdade verdadeira pra tomarem cuidado e já irem esperando pelo pior.

Mas, continuando, depois chegou a dona Izildinha do RH com sua meia preta desfiada e começou a dar um pitaco atrás do outro, com aquela vozinha esganiçada, falando que por ela tirava o elefante e punha no lugar uma porta de carro amassada com uns dizeres sobre tráfego seguro de dados, que era legal uma amalogia (é assim que fala?) de trafegar em alta velocidade e trânsito, e aí então falar da fibra ótica, etc etc. O Diretor Comercial disse pra ela fechar o comedor de lavagem e que ela só entendia de recrutamento e seleção e coisa e tal. Aí ela começou a tremer o lábio de nervoso e jogou o copo de suco na cara dele. Depois pegou a bombinha de ar dentro da bolsa e começou a se borrifar pra acalmar a asma, enquanto eu fui buscar um pouco de água com açúcar.

Veja bem minha situação, eu não quero de jeito nenhum meter minha colher nessa cumbuca, mas é que a minha irmã, que me arranjou emprego aqui, é faxineira de vocês, e acho que falando essas coisa eu estou ajudando ela também, pois com certeza a Crô vai pra rua se vocês se ferrarem de verde e amarelo. E a chance de vocês se darem muito mal é grande demais, a não ser que apareçam logo por aqui com anúncios bem chamativos, como por exemplo “A sua melhor opção de compra”, “O gerente ficou louco”, “A gente faz aniversário e quem ganha o presente é você” e outras frases de efeito que façam o sujeito se convencer que os nossos produtos são realmente ótimos. E deixaria o emblema da firma altamente enorme, com os produtos da fábrica em volta dele, parecendo o sol com os planeta girando em torno, sabe, acho que desse jeito funciona pois a pessoa enxerga de cara o que interessa. Mas agora chega de palpite que eu já estou parecendo a dona Izildinha.
Voltando ao Dr. Célido, ontem mesmo ele comentava pelos corredor que todos vocês aí na agência são uns malas sem alça, e que armaria uma embroscada gastromônica, uma intoxicação coletiva com queijo roquefort estragado. Aí o Diretor Comercial teve a ideia de sabotar o jatinho que vai levar o pessoal da agência até a próxima convenção de gerentes da firma, em Monte Mor. Segundo ele, seria uma boa forma de ver vocês todos mortinhos da silva de uma tacada só.

Lá pelas tantas, e na terceira rodada de Tang de uva na sala de reunião, começaram a falar da proposta que a firma recebeu de uma tal de “Tiro Certo Propaganda e Marqueting”. É bom vocês saberem que os caras já mandaram portfólio, meia dúzia de broche em formato de espingarda com o slogan “A gente acerta na mosca” e mais um ramalhete de flor pra recepcionista, a Dorinha.

Pouco tempo depois, pude ver pelo vão da porta o Dr. Célido sapateando em cima do reclame com seu Vulcabrás modelo Antônio Ermírio, juro que o homem parecia um pai de santo no auge da incorporação. É engraçado, quando ouvi pela primeira vez o nome Vulcabrás pensei que fosse uma estatal que cuidasse dos vulcão, mas aí lembrei que no Brasil não tem vulcão, pelo menos ativo. Só aposentado. E vulcão de estatal deve aposentar com salário integral, não é? Mas deixa pra lá, é só um comentário bobo de uma copeira sem estudo nem noção, e nem sei porque estou falando isso agora. O importante mesmo é que vocês precisa tomar cuidado. Quem avisa amiga é.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Eduardo Lara Resende6:19 AM

    Marcelo,

    Seguinte: o pessoal da Tiro Certo devia ter mandado, junto com ramalhete, uma coroa de flores tipo (Sem) Saudade Eterna ao pessoal que tentava criar sobre fibra ótica.

    Eu me vi de novo na agência em que trabalhei no Rio... Caramba, sem saudades.

    Mas o texto, claro, é excelente. Como sempre.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Valéria Brandão11:46 AM

    lindos textos ,só soman !! que Deus continue lhe danto coisas boas,para ter empre inspiração!!!kkkkkkkkk seja feliz hj e sempre .. beijinhos pra vc e familia!

    ResponderExcluir
  3. Celi Gustafson Estrada2:01 PM

    AH! AH! AH! mandou o recado!...
    Celi

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Rossi4:03 PM

    ATÉ PARECE......
    SERÁ QUE ELA CONHECEU TENIS IRIS OU MELHOR KED'S?
    VULCABRAS MOD 747 ATE PARECE MODELO DE AVIÃO.......
    VALEU!!!!!!
    ROSSI

    ResponderExcluir
  5. Ana Christina Victorelli5:08 PM

    Pra que tanto curso, tanto falar difícil, tanta frescura??? A Zoraide é quem sabe das coisa, meu!!!! Bjos, adorei

    ResponderExcluir
  6. Ana Maria5:29 AM

    Qualquer semelhança é mera semelhança não é, Marcelo!



    Beijão e até!



    Muito bom o texto.

    ResponderExcluir
  7. Evelyne5:30 AM

    É melhor seguirem os conselhos de Dona Zoraide que sabe das coisas para não terminarem na Vulcabrás.. Nota 10 para a criatividade e o humor, Marcelo Beijão e ótima semana.

    ResponderExcluir
  8. Esta reclame de elefante eu já vi em algum lugar...hahahahha
    Muito legal o texto Marrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrcelo!

    Abs

    ResponderExcluir
  9. Katia1:52 PM

    Não sei porque lembrei dos comentários da Cida, ehehe!!!! Que saudade...



    Bjs



    Katia

    ResponderExcluir
  10. Amigo, não dado a auto-histórias, dessa vez o hilário texto deve ter alguns links entrelinhícos para causos vividos na sua seara. Alguém deve ter entendido o recado sutil, que pra nós , off-propaganda, foi puro deleite!!!! abs

    ResponderExcluir
  11. Oi Marcelo,

    A rodada de Tang e o infinito Vulcabrás me mostraram que de sem noção a Zoraide não tem nada.Antenadíssima como todas as copeiras,faxineiras,e este povo que parece miúdo mas saca tudo com precisa opinião.A voz da vida!

    Com admiração,

    Cris

    PS-um convite:
    www.cristinasiqueira.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…