Pular para o conteúdo principal

DELETADOR DE SAUDADE - MANUAL DO USUÁRIO


No Menu Principal do programa, escolha “Definir Saudoso”. Aparecerão na tela os modos: amigo(a), namorado(a), noivo(a), cônjuge, pai, mãe, filho(a), amante, caso, rolo e ficante. Escolha e dê Ok.

Em seguida, maximize o box “Características Físicas”. Preencha os campos Idade, Altura, Peso, Cor de pele e de cabelo, Estilo de roupa, Classe Social, Escolaridade, Convicções Ideológicas e nº do Pis/Pasep.

Vá até a janela “Sinais particulares”. Se houver algum, marque e indique a parte do corpo onde se situa: Cicatriz, Pinta, Tatuagem, Piercing, Botox e Silicone.

Escreva no editor de textos frases que a pessoa falaria com mais freqüência para você. Para que as falas tenham sotaques e inflexões personalizadas, vá até Opções, selecione Definir Modulação de Voz, escolha a mais conveniente e clique
em Aplicar. De quinze em quinze minutos as frases soarão no alto-falante do computador, em ordem aleatória ou mediante programação específica. Exemplo: mãe falando “Tá na mesa!!!” ao meio-dia e às sete da noite.

Inserir final de frase. Recurso interessante, não disponível na versão 6.2 do programa. Você pode escolher entre: “Né?”, “Entendeu?” “Certo?” “Ok?”.

Ainda no editor de textos, liste uma agenda básica com os compromissos do seu dia-a-dia. Esses dados serão automaticamente transferidos aos nossos servidores. Para que fique realmente próximo em todos os seus momentos, o ente distante saltará na tela como uma janela pop-up, lembrando cada um dos afazeres programados.

A área de trabalho do computador – ícones, papel de parede e descanso de tela, também pode ficar com a cara do sumido. Além disso, o programa permite a instalação de “Oi” e “Tchau” da pessoa, quando da inicialização e do fechamento do sistema operacional.

Nosso programa enviará a você e-mails em nome do saudoso. Para que não falte assunto, é preciso preencher o menu “Áreas de Interesse”. Selecione as mais adequadas. Você pode responder aos e-mails. Só não conte com a resposta da resposta, porque aí também já é demais.

O Menu Privé é acessado mediante senha, e deve ser utilizado por usuários que mantenham ou mantinham relações carnais com o ausente. As opções vão desde “Não, hoje estou com dor de cabeça” até “Foi bom pra você?”, passando pelo indefectível “Caramba, isso nunca aconteceu comigo antes”.

Lembramos que o nosso revolucionário produto deleta a saudade através de três níveis de operação: Ar da Graça, Presença Marcante e Repulsa, sendo que o modo Repulsa possui a função de transformar a saudade em reação alérgica ao saudoso, pela superexposição de sua figura no computador do cliente.

No menu Opcionais, você encontrará as alternativas “Sachet Chulé” e “Kit Hálito”, que serão entregues em sua casa no prazo máximo de três dias úteis. O sachet é um simulador de chulé do dito cujo. Clique em Suave, Médio, Forte, Extra-Forte ou Deus-me-livre. O Kit Hálito disponibiliza as modalidades Vinagrete com alho, Vinagrete sem alho e com bastante cebola, Cachaça, Uísque 12 anos, Uísque 8 anos engarrafado aqui, Cerveja, Cigarro, Pasta de Dente, Café, Mexerica e Amendoim Japonês.

Você pode desativar temporariamente o programa ou cancelar a assinatura do serviço a qualquer tempo. Para maior segurança, mesmo que o usuário mova o saudoso para a lixeira, um clone do mesmo permanecerá oculto no HD. Para habilitá-lo, clique em “Ajuda” e selecione “Volta, vem viver outra vez ao meu lado”.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Eduardo Lara Resende6:46 AM

    Impossível ficar impassível diante de texto assim. Vale leitura e releitura para todos os gostos e idades, nostálgicos ou não. Para correção e prevenção.
    Reverência (sem nostalgia).
    Abraço.
    Eduardo L Resende

    ResponderExcluir
  2. Rosa Pena10:19 AM

    Pois é... e você diz que não tem estilo?UI! Seu estilo é tão adoravelmente seu! Esse está bem Organizações Tabajara e eu amei...beijos mil..rosa

    ResponderExcluir
  3. Celi Gustafson Estrada10:20 AM

    Parabéns pelo texto! Bastante original!

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito de sua crônica Deletador de Saudade. Para-
    béns. Feliz fim de semana para todos. Beijos de seu pai.

    ResponderExcluir
  5. Cris Gracioli4:26 PM

    Bacana marcelo!

    E viva a comunicação do século XXI! rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi8:19 AM

    A SAUDADE TECNOLÓGICA, JAMAIS SUBSTITUIRÁ A DO CORAÇÃO, INDEPENDENTE DO CHULÉ.
    MUITO BOM!

    ResponderExcluir
  7. Belvedere Bruno11:23 AM

    Como vc tem tanta imaginação e organiza as ideias tão bem? Nossa!!!!!!!!!!!!!!
    Abs

    ResponderExcluir
  8. João Proteti4:03 PM

    Marcelo,
    arrebentou de novo!
    Que beleza!

    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Marcelo, a galhofa impagável tem a sua mensagem nestes tempos tão frios de relações vituais. Leio e me deleito pela diversão mesmo, mas alguns mais filosóficos, com razão, lerão a crônica com um olhar mais reflexivo. Sou pela pândega pura e simples sem lição de moral e sei que foi essa sua intenção. abraços do fã.

    ResponderExcluir
  10. Ana Christina Victorelli2:19 AM

    Ahahahahahah, porque o amor é cego e burro, a última opção torna o produto completo... em caso de não resistir à falta do cheiro da brilhantina ( isso é velho, heim !?) é só ir la no juda, Volta, vem viver outra vez ao meu lado... ahahahahahahaha casquei o bico de rir como diz o povo da fazenda , vc se superou !!!!!!! bjos boa semana!!! Espero com frenesi pelo sabado, ando precisando rir!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Sandra Nogueira7:49 AM

    Marcelo, meu amigo, que delícia de texto. Do jeito que as coisas andam sua idéia pode, rápidamente, não ser apenas ficção. Esatou de novo morando no interior, voltei para Presidente Prudente, tentando viver melhor.
    um abração

    ResponderExcluir
  12. Evelyne7:50 AM

    Marcelo ainda surpreendendo e oferecendo um texto inventivo e cheio de graça sobre um tema delicado. Adorei! Beijos e boa semana, meu amigo!

    ResponderExcluir
  13. Maria Ester Esteves1:41 PM

    Muito bem bolado, divertidíssimo! Abraço, Ester.

    ResponderExcluir
  14. Ana Lúcia Finazzi4:17 AM

    Inteligentíssima e divertida, como sempre. A propósito, amei a "Vide Bula" e prometo que persistindo os sintomas não procurarei o médico.
    beijo
    Prima
    PS=- Enviei a amigos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…