Pular para o conteúdo principal

FLASH PIZZA


Flashback chegando assim, na asa do desaviso: no céu e no assoalho da boca, a língua de um se contorce na prospecção de outro, e limpa com a ponta os dentes cheios de restos dos sonhos de ontem. Como ontem foi há muito, ambos carregam, por onde se atrevam, uma boa porção de momentos gostados, em providencial caixa de primeiros socorros.

********

Não é impossível que um dia sejam batidas as estatísticas da época, quando impuseram um novo patamar nos escores de Eros. Mas duvido que haja casal como o que foram – pura labareda – com gana e técnica para quebrar o recorde. Bom, o disk pizza chegou e o puxa-puxa do queijo não espera muito tempo. A seguir, cenas dos próximos capítulos do vale a pena ver de novo.

********

Falar em pizza, virgem só o azeite naquele reino permissivo, já que os dois, além dos dois, foram de muitos. E consumiram-se em devassidão até enjoarem e firmarem pacto de par hermeticamente isolado, naquele destilador de ciúme em que se meteram e de onde sairiam mutilados. Testemunhas avalizam que, desde então, as olheiras não eram mais da carne acesa até altas horas.

********

Assim fiquei, voltando aos dias daqueles dois, até que o sono me rendesse. A pizza, ao meu lado, fria. Meia mofo, meia bolor.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marcelo Giorgetti4:03 PM

    show de bola...como sempre....muito legal. Uma unica critica; chegou atrasado, hehehe...seu trabalho costuma ser minha primeira leitura de sabado (acordo as 6:30)....Abraçussssssss

    ResponderExcluir
  2. Eduardo Lara Resende4:37 PM

    Pizza com cheiro de solidão e molho de flashback... Competente, o pizzaiolo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Nas plagas tapuias onde se chora pelas pizzas abjetas das casas legislativas, louva-se o napolitano Saguassabini pela competência azêitica e marguerítica no manejo do forno, ops!, da pena!!!!!

    ResponderExcluir
  4. só uma insistência: cadê o Mestre Duña no Twitter?

    ResponderExcluir
  5. Olá Marcelo.

    Volto aqui para matar a saudade. Sempre que o tempo permite aproveito para visitar e me atualizar. Confesso que estou ausente face às atividades, mas como diz o poeta; “amigo é coisa para se guardar debaixo de sete chaves, assim falava a canção...” Aproveito para compartilhar o poema a seguir;
    "Viva a Vida"...
    “Por que Viver é Exalar Pura Energia!
    É Devolver Sorrisos.
    É Acreditar que o Bem Sempre Vence o Mal.
    É Conquistar Amigos.
    É Ser Sempre Leal e Fiel.
    É Transformar a Dor em Alegria.
    É Ter Amor no Coração.
    É Correr Atrás dos Sonhos, da Inspiração, e dos Projetos
    Buscando Sempre o Entendimento das Coisas.
    Viver é Ser Sempre da Paz.
    É Orar em Agradecimento pelas Dádivas Recebidas.
    É Buscar o que Te Faz Bem, e aos Outros Também.
    Viver é Lembrar que o Sorriso é o Idioma Universal.
    É Lembrar que o Final não Existe.
    É Saber que Tudo é um Eterno Recomeço.
    E Ver a Vida Sempre com o Amor no Coração.” A. d.
    Votos de um ótimo fim de semana. Muita paz, saúde e proteção. Brilhe sempre! Fique com Deus. Sucesso...

    Valdemir Reis

    ResponderExcluir
  6. Anônimo2:03 AM

    Lindo !! Bjos e bom domingo, Ana



    Ana Victorelli

    ResponderExcluir
  7. Marco Antonio Rossi10:34 AM

    CARO MARCELO
    ME AVISE ONDE COLOCAM TANTAS AZEITONAS, MOLHO, CEBOLA.....
    MAS, NÃO ACHEI O QUEIJO........
    ABÇ
    ROSSI

    ResponderExcluir
  8. Celi Estrada2:00 PM

    Obrigada pela PIZZA!

    ResponderExcluir
  9. Maria Cristina Siqueira4:31 PM

    oi Marcelo,

    Domingo à noite é dia de pizza só que não esperava a entrega de tão saboroso pedaço.
    Não falo da pizza,falo do texto.

    Gostei.

    Cris

    ResponderExcluir
  10. Ana Maria8:18 AM

    e tuti termina em pizza!

    tchau Marcelo!

    ResponderExcluir
  11. Evelyne9:59 AM

    Palavras bem escolhidas, idéia brilhante e um flash back delicioso sobre os sentidos. Adorei, Marcelo! Parabéns, meu amigo. Beijos

    ResponderExcluir
  12. Coisa boa essa pizza... mesmo com o mofo... e do jeito que vão os comentários aí em cima tá todo mundo disposto a encará-la...

    ResponderExcluir
  13. Maria Ester3:03 PM

    Muito bonito, pura poesia... melancolia. Ester.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…