Pular para o conteúdo principal

GHOST WRITER DA IGREJA NACIONAL DO SANTO TESTEMUNHO


O Senhor dos aflitos esteja ao meu lado nessa hora. Que todos os santos me amparem, ainda que ninguém aqui acredite em santo. Mais 16 depoimentos pra criar ainda hoje. Vão ao ar de madrugada. Quero ver outro no meu lugar dizendo sempre a mesma coisa e tendo que falar de outro jeito. É o desgraçado que estava no fundo do poço, com a vida derrotada, endividado até o pescoço, bebendo, tomando droga, socando a fuça das crianças, chifrando a esposa, amante fazendo vodu. Chega o parente que é da igreja, leva ele pra assistir o culto, mergulha a cabeça dele na piscina de plástico, vem a transformação instantânea e daí a um mês a vida abençoada, empresa com dinheiro saindo pelo ladrão, viagem para Bora-Bora, três apartamentos, uma casa de praia, frota de Pajero na garagem.

O pior é que tem que redigir também a fala do pastor. O desencapetamento, as perguntas que ele vai fazendo pro convertido responder. Outro dia tinha um post-it do bispo aqui em cima da mesa me dando o maior esporro, dizendo que estava tudo muito igual. Mas fazer diferente de que jeito? Se eu troco “fundo do poço” por “fim da linha”, eles corrigem o texto e mandam falar “fundo do poço” de novo. Se eu falo em “falta de perspectiva” volta pra “vida derrotada”, assim não dá. E o dízimo? Agora a imprensa está pegando no pé dizendo que os pastores são ostensivos, que batem carteira na cara dura. Veio ordem pra maneirar no roteiro, pra pegar mais leve na hora de pedir o dinheiro e dar o número da conta, deixar uma coisa mais velada.

Ainda se fosse só o texto, ficava fácil de resolver. Mas tem o problema dos atores, quer dizer, dessas toupeiras de teatro amador que falam tudo decorado, como se estivessem olhando o teleprompter. Eles tinham que ler o script e falar do jeito deles, pra ficar mais natural. Já disse isso não sei quantas vezes nas reuniões de pauta, mas na hora da gravação é aquela coisa mais falsa que perfil do Lula no orkut. Quando dá, já sento direto aqui no computador e deixo as falas prontas já pra uma semana ou mais. Aí entra o horário eleitoral de algum partido ou então mais comerciais por break e tenho que enxugar tudo de uma hora pra outra, pra caber no horário do programa.

O calvário prossegue na hora da cura. E quem opera o milagre é este escriba mal pago. Já comprei por conta um tratado de moléstias e fico caçando enfermidades para adoecer o moribundo de araque, conforme o jeitão do freguês.

Tudo bem que é meu ganha-pão, eu devia torcer pra audiência subir. Mas, se sobe, eles ligam de madrugada em casa, pedem pra ir voando pra ilha de edição do programa e fazer render a enganação redentora. “Força a mão aí, meu camarada, capricha no exorcismo porque o ibope tá lá em cima, não deixa despencar não”. Teve um dia que nem dava tempo de escrever pra mandar pro engravatado que estava comandando o programa, eu ia falando os textos de improviso direto no ponto dele. Ah, minha mãe. Se me dá um branco a farsa toda desmorona, despenca o cenário dos querubins tocando trombeta, é capa de “Veja” na certa. E o pior é remoer essa adrenalina sabendo que o bispão manda-chuva tá lá no palácio dele, onipotente no seu trono Luiz XV, vendo tudo ao vivo e já dando feedback por celular para o diretor do programa. Muda ali, muda aqui, repete em câmera lenta a cena do cara que jogou longe a muleta e invadiu correndo o palco.

Eu tenho o poder e o dom, a ira santa, o fogo sagrado que destroi a iniquidade e manda pro fundo do inferno os devassos e os incrédulos. E o que eu quero agora é mandar pro ar este texto. E vai desse jeito mesmo, no calor da hora. Estou sozinho aqui na técnica, é só apertar um botão. O templo ruiu. O Cristo de verdade apareceu para expulsar os vendilhões.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. João Batista7:13 AM

    Fillho. Bom dia e que Jesus esteja com vocês.
    Gostei da crônica s\ os falsos pastores, enganadores
    do pobre povão. Parabens! Feliz fim de semana.
    Em casa, tudo em ordem graças a Deus. Beijos
    de seus pais.

    ResponderExcluir
  2. Evelyne Furtado10:11 AM

    Divina inspiração, Marcelo! Um espetáculo de texto com seu toque peculiar. Tradução crítica e cheia dehumor da realidade. Que não lhe faltem momentos assim, pois me proporcionam excelentes leituras e que Deus nos salve desses falsos profetas.Beijos. Veca.

    ResponderExcluir
  3. Eduardo Lara Resende12:50 PM

    Entrar numa roubada assim, nem ghost, nem writer. Muito bom texto
    Também atualizei o meu lá.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Belvedere Bruno2:58 PM

    Que maravilha de texto. Tudo que eu desejava escrev er......

    ResponderExcluir
  5. Ana Christina Victorelli5:29 PM

    E não é que é isso mesmo??? Quando ele expulsará os vendilhões do templo ???? Gostei muito, beijos e boa semana, não se esqueça do horário de verão hahahhaha

    ResponderExcluir
  6. Celi Estrada2:57 PM

    Verdadeiro e nos leva à reflexão! Quanto engodo e manipulação em nome de Deus!... Os simples e incautos caem de quatro! VERGONHOSA a crise da fé!
    Celi

    ResponderExcluir
  7. Do bispão manda-chuva vai uma do Zé Simão, quase tão bom como vc: "Edir Macedo é meu pastor e nada me sobrará". neopentescontalmente divino e milagroso.

    ResponderExcluir
  8. Oi Marcelo,

    Muito bom.
    E não é que é desse jeitinho mesmo?

    Beijos,

    Cris

    ResponderExcluir
  9. tá sozinho não, Marcelo!

    essas tuas crônicas são como brigadeiros - do ar, doces e engraçadíssimas (mas brigadeiro de festa também não é?)

    ResponderExcluir
  10. Patrícia brandão3:28 PM

    ehehehehe Muito bom!!!

    ResponderExcluir
  11. Maria Ester Esteves3:29 PM

    Muito bom!! Ester.

    ResponderExcluir
  12. Marco Antonio Rossi3:30 PM

    AMÉM.......

    ResponderExcluir
  13. José Carlos Carneiro7:12 AM

    Marcelo, rachei o bico de tanto rir. Tua criatividade anda batendo recordes sobre recordes. Aos poucos, vai dando conta do seu pra lá bom senso de humor. Sou "vidrado" nesse estilo de fazer uma "salada completa", que mistura coisa séria com humor refinado. É isso aí, meu caro!

    ResponderExcluir
  14. Ana Maria7:16 AM

    manda o texto pra Globo, na certa eles publicam!

    grande abraço!

    Ana

    ResponderExcluir
  15. Uau...
    Isso que é uma oração ;-)

    ResponderExcluir
  16. Esse texto seu deveria ser distribuído nas escolas... Você rasgou a máscara do bispo. Bem feito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…