Pular para o conteúdo principal

PEQUENO ALBERT


Sempre que acordado pelo barulho dos marrecos, o pequeno Albert passava o resto do dia de mau humor. Não era incomum que nessas ocasiões, só de pirraça, misturasse deliberadamente moela com chantilly no café da manhã e usasse seu suéter furado. Furado, aliás, por uma bicada de marreco, numa véspera de Natal em que um deles também acordou de ovo virado.

Nada pode garantir de maneira categórica que o interesse do pirralho pelos buracos negros datasse dessa época do furo na blusa, mas há fortes evidências que reforçam a tese. Foi também à mesa de refeições que, certa feita, gotículas de leite quente espirradas do bule despertaram no futuro grande físico a obsessão pela via láctea e seus mistérios, segundo depoimentos de vizinhos de cerca. Daí foi um passo para a formulação das primeiras teorias e equações. A modorrenta rotina da fazenda e a falta propriamente do que fazer turbinavam a imaginação do menino, que punha-se a disparar enunciados bucólico-científicos aos quais ninguém então dava crédito, exceto os sargaços, alguns esquilos e Copérnico, seu poodle de estimação.

É nesse limbo pouco estudado, quer seja, o tempo do Albert imberbe, que a história deveria se debruçar com acuidade investigativa e faro de paleontólogo. Se o fato de pouco sabermos da vida de Cristo enquanto criança pouco prejuízo trouxe à disseminação do Cristianismo enquanto doutrina, o mesmo não se pode dizer em relação à infância do nosso herói e suas consequências sobre a maior de suas descobertas: a Teoria Geral da Relatividade.

Explico e dou exemplo. É sabido que Albert foi tachado como débil mental por um professor. Como revide ao mestre, o mirim impôs-se o propósito de sobrepujar os achados de Newton no campo da Física. Assim, aos 12 anos, deitou-se debaixo de uma árvore aguardando inspiração idêntica à que fez o sagaz Isaac descobrir a lei da gravidade. A lerdeza de raciocínio atribuída ao menino explica o fato de não ter se dado conta de que a árvore sob a qual se deitara era uma jaqueira. Para não contrariar outra lei, a de Murphy, é claro que uma das jacas o atingiu em cheio. A queda do fruto fez abrir, literal e figurativamente falando, a cabeça do garoto, que ficou com o hipotálamo e o cerebelo em posição invertida à normalmente encontrada nos comuns dos mortais. Além disso, é de conhecimento público que seu cérebro, dissecado e estudado após o óbito, fez os cientistas concluírem que este era maior e mais denso que a média. De onde se deduz que a suposta anatomia privilegiada devia-se ao inchaço causado pelo impacto da jaca sobre a caixa encefálica, constatação infame demais para constar com dignidade num relatório científico – o que justifica a omissão do ocorrido até a presente data.

Mais grave ainda é a também desconhecida demanda jurídica daí originada, movida por um japonês de sobrenome Kobaiashi, o antigo proprietário da fazenda onde os Einstein residiam. Entendia o produtor hortifrutigranjeiro que, se não houvesse plantado a jaqueira quando administrador da propriedade, o desenvolvimento fenomenal do garoto não ocorreria, e consequentemente a Teoria Geral da Relatividade não teria sido formulada. Assim, seus herdeiros pleiteiam até hoje uma revisão histórica onde se atribua a co-autoria da TGR ao antepassado nipônico, passando doravante a denominar-se “Teoria de Einstein / Kobaiashi”. O processo encontra-se tramitando atualmente no Fórum da Comarca de Cotia.

© Direitos Reservados

Comentários

  1. Marco Antonio Rossi1:47 PM

    Caro marcelo

    Faltou o comentário que Albert em seu primeiro estágio, TRABALHOU na COOPERATIVA AGRICOLA DE COTIA, cujo presidente era conhecido como tio KOBAIASHI e que a jaca caiu pq um macaco comia uma maçã, que também caiu, logo em seguida, proporcionando um "galo", que cantava todas as manhãs.
    Muito bom.
    Abç
    Rossi

    ResponderExcluir
  2. João1:48 PM

    Achei ótima a crônica do
    Albert, muito boa mesmo. Uma excelente fim de semana
    para todos.

    ResponderExcluir
  3. Eduardo Lara Resende4:13 AM

    Parabéns, caro Marcelo, por mais um ótimo texto - criativo, bem escrito.
    Abraço reverente.

    ResponderExcluir
  4. José Carlos Carneiro4:14 AM

    Cá entre nós, Marcelo, fico a imaginar você, fuçando nas idéias, para eleborar seus textos. Talvez não se recorde, mas seria bom pesquisar, pois pode muito bem, em um tempo perdido num tempo que você não viu acontecer, ter caido sobre sua cabeça, não uma maçã ou jaca, mas um brilho não muito comum nos comuns e triviais mortais. Um excelente domingo para você e família e um feriado supimpa de bom, mesmo no dia de reverência aos mortos. Os mortos, pelo que me consta, são muito divertidos, lá na deles, convenhamos. E que assim permanecem, sem necessidade urgente de convidar nós ainda aqui, para fazê-los se divertir ainda mais. Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Cezar Lopes1:38 PM

    Boa tarde. Adorei o trabalho.

    Gostaria de saber se posso publicar no meu blog, com as devidas referências, claro.

    Cezar Lopes.

    ResponderExcluir
  6. oi Marcelo,

    Genial a tal da moela com chantily,ralmente forma uma raça de especiais.
    E ,fechou com a comarca de Cotia.
    Gostei também da crõnica anterior.

    Bom feriadão!

    Cris

    Tem postagens novas.

    ResponderExcluir
  7. É claro que esse tratado de humor-científico já entrou para os anais da Academia do Riso. Mais uma einsteiniana, no sentido genial da palavra. abs do fã.
    Em tempo: TOCs para Onofre saiu na edição da sábado.

    ResponderExcluir
  8. Ah! Enviei o link do seu blog para um conterrâneo nosso também blogueiro.
    Esse texto tem tudo a ver com o blog dele.
    http://fisicamoderna.blog.uol.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Evelyne9:15 AM

    Só você para dar essa biografia nova e adorável ao pequeno Albert. Encantada! Beijo e parabéns, Marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Cris Gracioli6:30 AM

    Hahaha como vc pensa isso?

    Bjo!!

    ResponderExcluir
  11. Complementando a informação...conforme jurisprudência distribuida pelo Forum da Comarca de Cotia no último final de semana, pelo ilustre causídico Sr.Dr. Juiz José Augusto Carvalho Albuquerque (Conhecido pelos amigoscomo JACA ou Jaquinha -nenhuma influencia com relação ao vereticto final), foi confirmado o ganho de causa à Familia Kobayashi.
    Adorei !!!
    abs,
    Bolacha

    ResponderExcluir
  12. Ana Maria5:59 AM

    coitadinho do pequeno não é?
    muito bom Marcelo!

    ResponderExcluir
  13. Patrícia Brandão7:24 AM

    ahahahahahahahaha!!!! Quanta imaginação, Marcelo!!!! Muito bom!!!

    ResponderExcluir
  14. Belvedere Bruno9:46 AM

    Vc e d+++++++++++++++!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…