Pular para o conteúdo principal

TOCs PARA ONOFRE


Penso que numa relação saudável entre patrão e empregado tem de haver diálogo, abertura e franqueza. Por mais que essa relação sofra um natural desgaste de 46 anos, como é o nosso caso. É sabendo que você também pensa assim que tomo a liberdade de fazer alguns comentários sobre seus préstimos e a particulares constatações de natureza diversa, anotadas em 14 do corrente em minha agenda de capa preta – aquela que você ofereceu-me de presente no Natal passado.


Quando optei pela contratação de um administrador doméstico, imaginei estar comprando minha despreocupação quanto a entraves de ordem prática que tomariam-me todo o tempo, ainda que o dia, ao invés de 24, tivesse 27 horas ou mesmo 27 horas e meia. Acertei de vez em quando. Errei quase sempre.


Comecemos por um elogio – o único – mas digno de menção neste improvisado relatório. As meias sociais estão seguindo o habitual degradée de tonalidades de um par para outro, na forma como são dispostas na gaveta, facilitando assim a escolha e a combinação com a roupa a ser utilizada. O mesmo critério, contudo, não vem sendo adotado com as meias esportivas e os lenços. Gostaria de saber em que estes itens da indumentária são inferiores para merecerem sua desatenção, Onofre.


Numa das reentrâncias da louça do bidê da suíte, em posição perpendicular à duchinha, pude observar um ponto verde de aproximadamente 1mm de diâmetro, o que poderia comprometer seriamente a higiene íntima das senhoras - que por ora não trago, mas que posso vir um dia a trazer aos meus domínios.


Queijos com furos em excesso no café da manhã: nada pode me irritar mais e embrulhar meu estômago na hora do desjejum. Sendo os mesmos adquiridos por peça, e não por quilo, acabo pagando pelo não-queijo ou invés do queijo. Solicite, doravante, que a moça do setor de laticínios corte o queijo ao meio para que você dimensione o número de buracos antes de efetuar a compra. Tome como parâmetro uma quantidade máxima de 0,3 furos (dos pequenos) por centímetro quadrado. No começo você precisará recorrer à calculadora científica, mas com o tempo passará a resolver a questão no olhômetro.


Já mais de uma vez o alertei quanto à conveniência de alternar o lado de inclinação da vassoura no processo de varredura. Se o esforço de inclinação for só para a esquerda ou só para a direita, os ramos da piaçava ficarão tortos prematuramente para um dos lados, encurtando a vida útil do utensílio.


Não creio que sua ignorância chegue ao ponto de não saber o que seja simetria, nem que me venha com a desculpa de ter faltado à aula nesse dia. De qualquer forma, tenho para mim que a questão é menos matemática do que de equilíbrio estético, e para isto basta um mínimo de bom senso. Refiro-me ao frequente desalinhamento entre os quadros nas paredes e os tapetes da sala, bem como à distância entre o Cuco, a imagem de Nossa Senhora de Lourdes e o termômetro que trouxe de lembrança de Campos do Jordão.


Passemos ao armarinho de remédios. Nada justifica aquela bagunça, onde todos se misturam: os não-tarjados, os tarja vermelha, os tarja preta ( Rivotril, Eufor, Dormonid, Bromazepan, Tofranil, Prozac ) e por fim os fatais, como raticidas, formicidas, soda cáustica e maionese de casamento – toda esta parafernália em meio aos apetrechos para lavagem gástrica, em caso de arrependimento.


Agora, os jornais que forram a gaiola do loro. É preciso que haja uma utilização equânime das publicações. Há lógica no raciocínio: se o Loro fala é possível que também leia, e é justo possibilitarmos ao bichinho pluralidade de informação, alternando a forração com a Folha de São Paulo, o Estadão, O Globo, o Jornal do Brasil e a Gazeta de Jacutinga.


Algumas maçanetas das portas estão rangendo, sinalizando falta de aplicação periódica de óleo lubrificante WD40. Você, Onofrinho, mais do que ninguém conhece meu hábito de percorrer todas as portas da casa antes de recolher-me à noite aos meus aposentos, certificando-me, re-certificando-me e tri-certificando-me de que se acham todas trancadas. Por favor, faça sua parte a ajude-me a tornar mais suave esta árdua tarefa. Saberei recompensá-lo com um panetone de frutas e um garrafão de vinho Sangue de Boi, junto com o décimo-terceiro no final do ano.


© Direitos Reservados

Comentários

  1. Eduardo Lara Resende3:02 PM

    Permita-me, meu caro Marcelo, ainda uma vez reverenciar sua inteligência e seu texto primoroso. Vale, sempre, ler e reler. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. João3:03 PM

    Filho. Parabéns pela crônica do Onofre. Gostei muito.

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcelo,

    Que meticulosidade doida de gostosa de ler.Hiper hilária.Fresca no sentido de feita agora e de frescura mesmo.Milimétricamente engraçada.
    Que bom que vc é meu seguidor .Fiquei feliz!

    Beijos,

    Cris

    ResponderExcluir
  4. Barata Cicheto3:40 PM

    Opa! Seu texto está atendendo em domicilio no seguinte endereço: Colunas_MarceloSguassabia_Detalhe.asp?Codigo=126 Abarazzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz!

    ResponderExcluir
  5. Ana Christina Victorelli3:41 PM

    Pobre Onofre, logo estará tomando muita fluoxetina, lorazepan,paroxetina, etc... até ser internado, num hospital psiquiátrico onde, pelo menos,
    as enfermeiras tenham os sapatos de um branco ofuscante e irretocável; como devem ser !!!! Bjos, adorei !!!



    Ana

    ResponderExcluir
  6. Caro amigo, embora as menções ao Rivotril e Tofranil tenham me lembrado de uma triste labuta particular, viajei mais uma vez no seu texto deliciosamente humorado. Em homenagem ao Onofre, vou tomar um café com quatro gotas e meia de adoçante. abs.

    ResponderExcluir
  7. Ana Maria5:01 AM

    coitadinho dele né?

    mas. acho que ficará muito feliz mesmo com o pantone de frutas, o sangue de boi e o décitereiro!

    é a vida!

    muito original, o texto
    abração!

    Ana

    ResponderExcluir
  8. Maria Esther Torinho5:38 AM

    Você me mata de rir.
    Vou te dizer: se eu fosse o Onofre, eu te mandava praquele lugar (não é o que vc está pensando, porque até de lá vc iria me atormentar; eu te mandava era para as profundezas do inferno, porque nem pros quintos do mesmo vc merece. Mais risos. Assim não dá.
    Seu estilo é sui generis: vc sempre começa como algo ´sério e a gente pensa, a princípio, que não vai rir, mas daí...
    Obrigada

    ResponderExcluir
  9. Marco Antonio Rossi10:35 AM

    CARO MARCELO
    COMO É DIFÍCIL SER ONOFRE, COM UM PATRÃO TÃO SIMÉTRICO......
    ABÇ

    ResponderExcluir
  10. Evelyne8:15 AM

    Talvez eu tenha lido por último, mas creio que seu texto me faria rir da mesma forma se tivesse lido primeiro. Perfeito o título. Adoráveis os Tocs. Obrigada, meu amigo e parabéns!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Êita!

    E eu achando que tinha TOC por pisar em um quadrado e no outro não. Risos.
    Adorei a parte do queijo. E isso me leva a uma questão... se quanto mais furo, mais queijo, então uma hora o queijo deixará de ser queijo e será nada, por só ter furos. Né? Ai, ai.

    Parabéns pelo texto. Delicioso [como o queijo de furinhos]


    Beijos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…