Pular para o conteúdo principal

CHEGOU NADA. ERA TUDO O QUE FALTAVA!




Você nunca viu nada igual a Nada. Nada é tudo o que você sempre sonhou para satisfazer suas múltiplas, específicas e metafísicas necessidades. Chega de fórmulas milagrosas e soluções instantâneas que prometem e não cumprem. Nada resolve mesmo. O resto, de nada adianta.

NADA É DE QUALIDADE
Da escolha das melhores matérias-primas ao produto final, todo o processo de produção de Nada passa pelo mais rigoroso controle de qualidade. Isso assegura resistência, durabilidade e altíssima performance em condições extremas de utilização, fatores importantíssimos num produto dessa natureza.

TAMBÉM DISPONÍVEL EM REFIL. MAIS ECONOMIA E PRATICIDADE PARA VOCÊ.
Não, você não precisa comprar um novo Nada quando ele chegar ao fim. Basta um refil e pronto: você tem toda a ação de Nada sem ter que adquirir outro aparelho.

OFERTA ESPECIAL DE LANÇAMENTO
Por um precinho de nada você leva seis kits e só paga cinco. Cada um dos kits contém 30 unidades, quantidade suficiente para um mês e meio de uso individual ininterrupto (tomando-se como base uma pessoa de 80k, de hábitos regulares, ossatura robusta e sem vícios desabonadores).

NADA IRÁ REVOLUCIONAR SEU ESTILO DE VIDA. FAÇA JÁ O SEU PEDIDO
Não deixe Nada para depois. Ligue agora para 0800 00 00 00 e junte-se aos milhares de consumidores que tiveram suas vidas transformadas por Nada. Se preferir, faça seu pedido pela internet através do site www.nadaonline.com.

ATENDEMOS TODO O BRASIL
Esteja onde estiver, a tecnologia e a inovação de Nada vão até você. Um bem estruturado departamento de distribuição e logística, em conjunto com nossos promotores de vendas, garantem Nadas sempre fresquinhos nas prateleiras e quiosques de degustação. Através do Nothing Delivery, despachamos Nada para todo o território nacional, sem custos de frete.

NADA AGRADA COMO PRESENTE
Com Nada nas mãos você tem certeza de agradar em cheio. Vai bem como lembrança de aniversário, presente de casamento, Crisma, Dia dos Pais ou mesmo de amigo secreto, nas festinhas de confraternização da firma.

AS NOVAS VERSÕES DE NADA

NADA KIDS
E para os baixinhos, nadinha? Claro, eles também têm vez. A gurizada vai se divertir a valer com Nadas de espuma, cores cítricas e cantos arredondados, de acordo com as normas de segurança e os padrões ABNT.
NADA LIGHT
Todo o sabor, a crocância e as propriedades nutritivas de Nada sem nada de calorias e colesterol.

TAMANHOS P, M, G, GG, XG*
Além das versões acima, também disponibilizamos Nada em tamanhos especiais, confeccionados sob medida. Consulte-nos! Nossa equipe está a postos para fazer os ajustes na hora, por uma pequena taxa adicional.

*O design, as dimensões e as especificações técnicas estão sujeitos a alterações sem prévio aviso.

RECOMENDADO PELA COMUNIDADE CIENTÍFICA INTERNACIONAL
Estudos clínicos realizados por equipes multidisciplinares nos cinco continentes demonstram que Nada tem ação cientificamente comprovada. Seus efeitos benéficos sobre a epiderme, as sinapses e como catalisador ortomolecular, já amplamente conhecidos pelos orientais há mais de 4000 anos, fazem de Nada um verdadeiro divisor de águas no contexto da terapêutica alopática tradicional.

INSTRUÇÕES DE USO
Retire Nada da embalagem. Rosqueie, no sentido horário, o exclusivo bico dosador localizado ao lado do suporte inferior esquerdo (entre a arruela de fixação e o bocal bi-volt). Agite um pouco antes de proceder à aplicação. Você também pode levar Nada em suas viagens de férias ou passeios de fim de semana. Basta conectá-lo ao acendedor de cigarros do carro. Funciona ainda com 9 pilhas médias, não inclusas.
Nada é item indispensável nos seus roteiros internacionais. Nesse caso, recomendamos solicitar à nossa central de telemarketing o plug conector de Skelfin com casador de impedância (opcional). Para informações mais detalhadas, vide manual do proprietário.

NADA GARANTE A SUA SATISFAÇÃO
Caso não corresponda às suas expectativas, Nada pode ser devolvido. Dúvidas de manuseio, lubrificação e ajuste do termostato poderão ser dirimidas junto à Rede de Serviços Autorizados. São mais de 1500 postos de Assistência Técnica espalhados pelo país. Um deles aí, pertinho de você.

ONDE ADQUIRIR NADA
Embora Nada seja encontrado em múltiplos pontos de venda, de feiras livres a hipermercados e lojas de conveniência, recomendamos a compra em casas especializadas, que dispõem de pessoal treinado na manipulação correta e ecológica do produto.

CARTÃO CLIENTE NADA FIEL. QUANTO MAIS NADA VOCÊ COMPRAR, MAIS NADA IRÁ GANHAR.
Suas compras de Nada valem Nadas extras. Nada mais justo: quem compra Nada, e ainda paga por isso, merece de alguma forma ser recompensado.



© Direitos Reservados

Comentários

  1. Eduardo Lara Resende1:52 AM

    Nada - tão bem bolado!
    Nada - tão bem escrito!

    Perguntinha: Nada é tributável?

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Cris Gracioli4:45 AM

    Bom dia Marcelo!

    Nada se comparada a Nada, parabéns!
    abs

    ResponderExcluir
  3. Eu "ouvi" o texto com a voz do locutor 1406/Polishop. Galhofa das boas. Acho que nunca antes na história deste país houve um produto como Nada.
    abs terezianovallínicos!

    ResponderExcluir
  4. O "Nada" também pode ter a nota Paulista?

    Quero logo o meu cartão fidelidade....hehehehe


    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Caio Rothje5:18 PM

    rararara "Nothing Delivery" abraço excelente texto

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Rossi5:19 PM

    Caro Amigo e vizinho

    Muito bom!!!!
    NADA COMO NADA!!!

    ResponderExcluir
  7. Até o Nada é possível vender. Uma boa propaganda resolve tudo e deixa vc sem nada. Os consumistas agradecem. Amei. Abraços

    ResponderExcluir
  8. Ana Christina Victorelli10:51 PM

    Pedindo uma dúzia para presentear familiares no Dia de São Nunca !!! Boa semana, bjos

    ResponderExcluir
  9. Ana Maria12:48 AM

    Nada é muito bom, Marcelo!

    ResponderExcluir
  10. Evelyne6:32 AM

    Não poderei mais viver sem Nada. Mande-me um por favor, Marcelo! Muito bom, meu amigo! Boa semana e beijos.

    ResponderExcluir
  11. Patrícia Brandão6:34 AM

    que ótimo! não faltava mais nada, hein? Pede pro Guina layoutar uma campanha!!!

    ResponderExcluir
  12. Cristina Siqueira1:15 PM

    oi Marcelo,

    Muito bom!
    Já garanti meu estoque .Vou dormir e sonhar com NADA.

    Beijos,

    Cris

    Apareça.

    ResponderExcluir
  13. Zeza Amaral10:28 AM

    Mais uma vez, caro Marcelo, você quase me mata de rir. Essa de hoje está simplesmente hilária. Obrigado pelo carinho dispendido ao meu amado e insubmergível fígado.
    Zeza

    ResponderExcluir
  14. José Carlos6:38 AM

    Marcelo, meu caro. Rachei o bico de tento rir. O jogo de palavras que você fez e costuma fazer, é demais. Acho que, entre tantas de tamanho e excelente teor, você deveria colocar em um quadro no seu escrotório, no trabalho ou em casa. Um abraço.

    ResponderExcluir
  15. Racine Fontenele10:11 PM

    Marcelo, que texto maravilhoso! Nunca me diverti tanto!

    Bom final de semana,

    Racine

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPITAL MUNDIAL DO BILBOQUÊ

Para os menores de 30, é natural não conhecê-lo. Então comecemos por uma sucinta porém honesta definição.

Bilboquê: originário da França, há cerca de 400 anos, foi o brinquedo favorito do rei Henrique III. Consiste em duas peças: uma bola com um furo e um pequeno bastão, presos um ao outro por um cordão. O jogador deve lançar a bola para o alto e tentar encaixá-la na parte mais fina do bastão. (fonte:www.desenvolvimentoeducacional.com.br).

Mais do que um brinquedo, Bilboquê é o nome de uma cidade, localizada a noroeste da pacata estância de Nhambu Mor. Chamada originalmente de Anthero Lontras, foi rebatizada devido ao número desproporcional de habitantes que fizeram do bilboquê a razão de suas vidas, dedicando-se ao artefato em tempo integral (incluindo-se aí os intervalos para as necessidades fisiológicas).

A tradição se mantém até hoje, ganhando novos e habilidosos adeptos. Nem bem raia o dia na cidade e já se ouvem os toc-tocs dos pinos tentando encaixar nas bolas. Uma distinção se…

SANTA LETÍCIA

Letícia, em seu compartimento estanque, se bastava. Vivia debaixo de uma campânula guardada por um querubim estrábico, numa imunidade vitalícia às dores do parto, à lavagem da louça, às filas nas repartições e à rabugice dos maridos sovinas e dominadores. “Façam o que quiserem, contanto que poupem a Letícia” era o veredito invariável sob qualquer pretexto e em qualquer ocasião, naqueles sítios de lagartos e desgraças.
Nada que se comparasse àquela que chamavam de Letícia, e que raras vezes se afastava de seus cães e de sua coleção de abajures. Era o tesão das rodas regadas a cerveja. Era a inveja e o assunto nos salões de beleza. Era o exemplo de virtude no sermão do padre, que botava as duas mãos no fogo do inferno e uma terceira se tivesse pela sua inteireza de caráter.
Assim a vida corria daquele jeito de costume, com a cidade a lhe estender tapetes, a lhe levar no colo e a lhe cobrir de afagos, soprando-lhe o dodói antes que se machucasse. Passou a ser o tema das redações escolares …

ESTRANHA MÁQUINA DE DEVANEIOS

Habituais ou esporádicos, todos somos lavadores de louça. Lúdico passatempo, esse. Sim, porque ninguém vai para a pia e fica pensando: agora estou lavando um garfo, agora estou enxaguando um copo, agora estou esfregando uma panela. Não. Enquanto a água escorre e o bom-bril come solto, o pensamento passeia por dobrinhas insuspeitas do cérebro. Numa aula de história, em 1979. O professor Fausto e a dinastia dos Habsburgos, a Europa da Idade Média e seus feudos como se fosse uma colcha de retalhos. O Ypê no rótulo do detergente leva ao jatobazeiro e seu fruto amarelo de cheiro forte, pegando na boca. Cisterna sem serventia. Antiga estância de assoalhos soltos. Rende mais, novo perfume, fórmula concentrada com ação profunda. A cidade era o fim da linha, literalmente. O trem chegava perto, não lá. Trilhos luzindo ao meio-dia. Inertes e inoperantes. As duas tábuas de cruzamento/linha férrea dando de comer aos cupins. Crosta de queijo na frigideira, ninguém merece. Custava deixar de molho? A…